Os Jardins da 'Belle Époque Carioca'

documentação paisagística do período Pereira Passos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/labore.v15i00.8665715

Palavras-chave:

Paisagismo, Arquiteto paisagista, Paul Villon, Pereira Passos

Resumo

O artigo reflete sobre as reformas paisagísticas ocorridas na Cidade do Rio de Janeiro no início do século XX, com ênfase para a prática projetual de Paul Villon e sua equipe. Baseado em fontes primárias e no conceito de habitus, de Pierre Bourdieu, observou-se que, nesse momento, ocorreu a primeira nomeação para a função de arquiteto paisagista, concedida a Paul Villon, que juntamente com sua equipe, ficou encarregado pela concepção dos jardins no Período Pereira Passos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alda Azevedo Ferreira, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Pesquisadora colaboradora na Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. Pós-doutorado em arquitetura pela Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Referências

Abreu, M. de A. (2013). Evolução urbana do Rio de Janeiro. [4a. ed.] [1a. impressão em 1987]. Rio de Janeiro: IPP.

Almanak administrativo, mercantil, e industrial do Rio de Janeiro. [Almanak Laemmert], digitalizado pela Biblioteca Nacional, 1844-1889; 1891-1940.

Andreatta, V. (2006). Cidades quadradas, paraísos circulares: os planos urbanísticos do Rio de Janeiro no século XIX. Rio de Janeiro: Mauad X.

Andreatta, V., Chiavari, M.P., & Rego, H. (2009). O Rio de Janeiro e sua orla: história, projetos e identidade carioca. Nº 20091201. SMU/Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro.

Arestizábal, I. (1994). A paisagem desenhada. In: I. Arestizábal (Org.). A paisagem desenhada: o Rio de Janeiro de Pereira Passos (pp. 9-11). Rio de Janeiro: Centro Cultural Banco do Brasil.

Barata, M. (1983). Século XIX: transição e início do Século XX. In: W. Zanini (Org). História geral da arte no Brasil (pp. 377-451). São Paulo: Instituto Moreira Salles.

Benchimol, J. L. (1992). Pereira Passos: um Haussmann tropical: a renovação urbana da Cidade do Rio de Janeiro no início do século XX [1a. impressão em 1953]. Rio de Janeiro: Secretaria Municipal de Cultura, Turismo e Esportes. Departamento Geral de Documentação e Informação Cultural.

Bourdieu, P. (2011). Razões práticas: sobre a teoria da ação [11a. ed.]. Campinas [SP]: Papirus.

Campos, A. de L. (1905, 3 de dezembro). A praia de Botafogo. Jornal do Commercio. Acervo da Fundação Biblioteca Nacional, p.3.

Chiavari, M. P. (1994). Novo olhar, nova tecnologia: o princípio da modernidade. In: I. Arestizábal (Org). A paisagem desenhada: o Rio de Janeiro de Pereira Passos (pp. 23-26). Rio de Janeiro: Centro Cultural Banco do Brasil.

Chiavari, M. P., Herschmann, M., & Farias, E. (1999). Rio’s beaches: the great meeting place. In: Rio de Janeiro, The city’s future depends on the renewed rapport with the water. Aquapolis. nº 20. Veneza: Marsilio Editori.

Del Brenna, G. R. (1994). A modernização e sua imagem. In: I. Arestizábal (Org.). A paisagem desenhada: o Rio de Janeiro de Pereira Passos (pp.17-21). Rio de Janeiro: Centro Cultural Banco do Brasil.

Dourado, G. O. M. (2009). Belle époque dos jardins: da França ao Brasil do século XIX e início do século XX [Tese de doutorado]. Escola de Engenharia de São Carlos. Universidade de São Paulo, São Carlos [SP] Brasil.

Ferreira, A. de A. (2018). Os saberes e as práticas paisagísticas na construção da paisagem cultural carioca [Tese de doutorado]. Programa de Pós-Graduação em Arquitetura, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro [RJ] Brasil.

Gringberg, P. E. (1994). O Rio civiliza-se: Pereira Passos. In: I. Arestizábal (Org.). A paisagem desenhada: o Rio de Janeiro de Pereira Passos (pp.13-15). Rio de Janeiro: Centro Cultural Banco do Brasil.

Jornal do Commercio (1874, 25 de janeiro). Esplendidas maravilhas! Jornal do Commmercio. Acervo da Fundação Biblioteca Nacional, p.6.

Lloyd, R. (1913). Impressões do Brazil no século vinte. Disponível em: http://www.novomilenio.inf.br/santos/h0300g38.htm Acesso em: 01 jul. 2017.

Magalhães, C. M. (2017). Obras rústicas e ornamentos: os artífices e a técnica da rocaille para jardins e parques urbanos no Brasil entre o final do século XIX e o início do XX. Anais do Museu Paulista: História E Cultura Material, 25(3): 19-57.

(1904, 23 de agosto). O jardim da Gloria. O Paiz. Acervo da Fundação Biblioteca Nacional, 5.

Panzini, F. (2013). Projetar a natureza: arquitetura da paisagem e dos jardins desde as origens até a época contemporânea. São Paulo: Ed. SENAC São Paulo.

(1902, 23 de agosto). Prefeitura. Jornal do Brasil. Acervo da Fundação Biblioteca Nacional, 1.

Segawa, H. (1996). Ao amor do público: jardins do Brasil. São Paulo: Studio Nobel / Fapesp.

Vincent, C. (1952). Jardins públicos e particulares. Almanaque do Correio da Manhã. Acervo da Fundação Biblioteca Nacional, 105-106.

Downloads

Publicado

2021-10-07

Como Citar

Ferreira, A. A. . (2021). Os Jardins da ’Belle Époque Carioca’: documentação paisagística do período Pereira Passos. Labor E Engenho, 15(00), e021009. https://doi.org/10.20396/labore.v15i00.8665715