Documentando o bairro de Bodocongó em Campina Grande [PB]

diálogo entre arquitetura, paisagem e patrimônio industrial

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/labore.v15i00.8665816

Palavras-chave:

Modernidade, Documentação, Patrimônio industrial, Paisagem, Nordeste brasileiro

Resumo

O artigo possui como objeto de estudo a análise da paisagem natural e construída do bairro de Bodocongó em Campina Grande, agreste paraibano do nordeste brasileiro, que teve sua origem e consolidação vinculadas ao processo de modernização e industrialização regional, ocorridos nas décadas de 50 a 70 do século XX.  O objetivo é observar o diálogo entre arquitetura, paisagem e patrimônio industrial, refletindo sobre as mudanças sofridas nas paisagens naturais e construídas deste bairro ao longo de sete décadas, baseadas em documentos originais e gerados pela pesquisa, analisando-se o que foi mantido de sua paisagem natural, e de sua história arquitetônica vinculada ao segmento industrial. Para comprovar as hipóteses e procurar caminhos ou respostas para os questionamentos, a pesquisa vem se apoiando em metodologia da história da arquitetura e do urbanismo desenvolvida por Serra (2006) que propõe o estudo do objeto compreendido como um processo, que dialoga com um sistema que o circunda, composto por aspectos geográficos, históricos, sociais, culturais, econômicos, políticos. Considera-se nesta pesquisa de fundamental importância a interdisciplinaridade e a multidisciplinaridade destes saberes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alcília Afonso de Albuquerque Melo, Universidade Federal de Campina Grande

Doutora em Projetos Arquitetônicos pela Escola Tècnica Superior d'Arquitectura de Barcelona. Professora adjunta na Universidade Federal de Campina Grande. 

Ivanilson Santos Pereira, Universidade Federal de Campina Grande

Graduando do curso de Arquitetura e Urbanismo pela Universidade Federal de Campina Grande.

Lucas de Souza Jales, Universidade Federal de Campina Grande

Graduação em andamento em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade Federal de Campina Grande.

Referências

Alves, L. (2012). A industrialização incentivada do Nordeste e o caso de Campina Grande, PB (Dissertação de mestrado). Programa de Pós-graduação em Desenvolvimento Regional, Universidade Estadual da Paraíba, Campina Grande, PB, Brasil.

Barros Filho, M. N. M., & Jales, L. de S. (2021). Visões sequenciais: uma análise da visibilidade do açude de Bodocongó a partir de imagens o Google Streetview. Anais do 9º Congresso Luso-brasileiro para o Planejamento Urbano, Regional, Integrado e Sustentável (Pluris 2021 Digital). Pequenas cidades, grandes desafios, múltiplas oportunidades. Bauru, SP, Brasil.

Barros Filho, M. N. M., & Jales, L. de S. (2020). Áreas urbanas em beira d’água: uma análise da visibilidade do açude de Bodocongó em três dimensões. XVII Congresso de Iniciação Científica da Universidade Federal de Campina Grande. Campina Grande, PB, Brasil.

Bruna, P. (2002). Arquitetura, industrialização e desenvolvimento (2a. ed.). São Paulo: Editora Perspectiva.

Cabral, R. (2011). Das ideias à ação, a Sudene de Celso Furtado – oportunidade histórica e resistência conservadora. Cadernos do Desenvolvimento, 6 (8). Em rede. Disponível em: http://www.centrocelsofurtado.org.br/arquivos/image/201109201209490.CD8_0_018.pdf

Cullen, G. (1961). Paisagem urbana. Lisboa: Edições 70.

Federação das Indústrias do Estado da Paraíba – FIEP (1969). Cadastro Industrial do Estado da Paraíba. Campina Grande: FIEP.

Furtado, C. (1959). Uma política de desenvolvimento econômico para o Nordeste. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional.

Külh, B. (2008). Preservação do patrimônio arquitetônico da industrialização. Problemas teóricos de restauro. São Paulo: Ateliê Editorial.

Lacerda, N., & Zancheti, S. M. (Orgs.). (2012). Plano de Gestão da Conservação Urbana: Conceitos e Métodos. Olinda: Centro de Estudos Avançados da Conservação Integrada.

Lei Complementar n.003, de 09 de outubro de 2006. Promove a revisão do Plano Diretor do Município de Campina Grande.

Maria, G. S. (2017). Eu fui feliz lá no Bodocongó: Significados de violência e medo entre os moradores de um bairro popular em Campina Grande-PB (Dissertação de mestrado). Programa de Pós-Graduação em Antropologia, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, PE, Brasil.

Melo, A. A. de A. (2017). O processo de industrialização na década de 1960 e as transformações da paisagem urbana do bairro da Prata, em Campina Grande. Seminário Internacional de Investigação em Urbanismo. Barcelona, Espanha.

Melo, A. A. de A., & Carvalho, J. (2015). O ouro branco no nordeste brasileiro: análise de dois estudos de casos. Resgate das fontes documentais do patrimônio industrial do ciclo do algodão em Campina Grande. 1900-1950. Anais do 4° Seminário Ibero-Americano Arquitetura e Documentação. Belo Horizonte, MG, Brasil. UFMG. Disponível em: http://docplayer.com.br/86572899-Afonso-alcilia-1-carvalho-jully-2.html. Acesso em: 15 jun. 2021.

Melo, A. A. de A., & Garcia, M. (2020). As transformações da paisagem urbana no Bairro Prata: 1940-2019. In: XII Seminario Internacional de Investigación en Urbanismo. São Paulo, SP, Brasil & Lisboa, Portugal.

Melo, A. A. de A., & Landim, C. T. de M. (2017, abril). Geraldino Duda. Contribuições para a difusão da modernidade arquitetônica campinense (1960-1970). IV Seminário Internacional da Academia de Escolas de Arquitetura e Urbanismo de Língua Portuguesa, “A Língua que Habitanos”. Belo Horizonte, MG, Brasil.

Melo, A. A. de A., & Landim, C. T. de M. (2015). A influência da Escola do Recife na Arquitetura de Campina Grande 1950-1970. Seminário Ibero-Americano Arquitetura e Documentação, 4., Belo Horizonte, MG, Brasil.

Melo, A. A. de A., & Pereira, I. S. (2020). Resgate do patrimônio industrial da fábrica Premol. Campina Grande-PB. Década de 60. Século XX. Anais do I Encontro Nacional Arte e Patrimônio Industrial. Campinas, SP, Brasil. Unicamp. Disponível em: http/ www.even3.com.br/anais/Arte_Patrimônio_Industrial. Acesso em: 03 fev. 2020.

Nascimento, U. (2008). O doce veneno da noite: prostituição e cotidiano em Campina Grande (1930-1950). Campina Grande: Editora da Universidade Federal de Campina Grande.

Oliveira, T. B., & Santos, J. (2010). Centro Histórico de Campina Grande: a cartografia de uma destruição. Tarairiú – Revista Eletrônica do Laboratório de Arqueologia e Paleontologia da UEPB, 1 (1). Campina Grande, PB, Brasil.

Rufinoni, M. (2013). Preservação e restauro urbano. Intervenção em sítios históricos industriais. São Paulo: Edusp.

Serra, G. (2006). Pesquisa em Arquitetura e Urbanismo. Guia prático para o trabalho de pesquisadores em pós-graduação. São Paulo: Edusp.

Silva Júnior, G. F. (2009). Campina Grande: desenvolvimento histórico no século XX. In: R. V. de Oliveira (Org.). Campina Grande em debate: a condição urbana da periferia pela lente do trabalho e das políticas públicas. Campina Grande: Eduep.

The International Committee for the Conservation of the Industrial Heritage – TICCIH (2003). Carta de Nizhny Tagil sobre o Patrimônio Industrial. Disponível em: http://ticcih.org/wp-content/uploads/2013/04/NTagilPortuguese.pdf Acesso em: 11 out. 2019.

Downloads

Publicado

2021-10-21

Como Citar

MELO, A. A. de A.; PEREIRA, I. S.; JALES, L. de S. Documentando o bairro de Bodocongó em Campina Grande [PB]: diálogo entre arquitetura, paisagem e patrimônio industrial. Labor e Engenho, Campinas, SP, v. 15, n. 00, p. e021011, 2021. DOI: 10.20396/labore.v15i00.8665816. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/labore/article/view/8665816. Acesso em: 22 jan. 2022.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)