Construção do espaço saudável reverberações micro e macro

experiência do Viveiro Municipal de Hortas Medicinais e Alimentícias em Santa Bárbara d’Oeste [SP]

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/labore.v15i00.8666672

Palavras-chave:

Participação feminina, Empoderamento, Promoção da saúde, Espaço saudável

Resumo

O estudo parte do pressuposto que a implantação de novas tecnologias sociais, baseada na perspectiva de gênero, torna-se importante instrumento para minimizar as desigualdades da sociedade contemporânea, promovendo ambientes saudáveis e resilientes. Assim, este artigo busca descrever e sistematizar as ações desenvolvidas por um grupo de mulheres para construção de um espaço coletivo e plural a partir do cultivo de Plantas Alimentícias e Medicinais. O trabalho consiste na apresentação de uma experiência ao Viveiro Municipal de Santa Bárbara d’Oeste, cidade localizada no interior do estado de São Paulo, Brasil, onde um grupo de mulheres ocupou o espaço urbano para viabilizar a implementação do viveiro. O projeto é monitorado pelo Grupo de Pesquisa em Metodologias do Planejamento Urbano e Cidades Saudáveis da Universidade. Para tanto, foi realizada uma revisão bibliográfica e documental com a utilização do método observacional e apoio de registros fotográficos para levantamento de dados multidisciplinares para compreensão das variáveis envolvidas com o desenvolvimento do projeto. Durante os anos de 2019-2020 foi identificada a atuação e contribuição feminina no processo de construção de ambientes humanizados, participativos e seus efeitos nas condições de saúde de moradores do entorno. O trabalho desenvolvido em rede indica a facilidade da mulher de responder aos princípios da cidade saudável, apresenta animosidades próprias que podem subsidiar a formação de novas políticas e esforços coletivos que determinam a melhoria das condições e modos de viver.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Maria Girotti Sperandio, Universidade Estadual de Campinas

Professora Doutora Permanente do Programa de Pós-Graduação em Arquitetura, Tecnologia e Cidade da Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo (FEC) da Universidade Estadal de Campinas. Pesquisadora líder do Grupo de Pesquisa em Metodologias do Planejamento Urbano e Cidades Saudáveis da Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo (FEC) da Universidade Estadual de Campinas.

Tailana Fraga Lima, Universidade Estadual de Campinas

Mestranda da linha de pesquisa cidades e metodologias de planejamento urbano e cidade saudável pela Universidade Estadual de Campinas.

Referências

ACT – Promoção da Saúde (2020). Guia de Ações de Advocacy para a Agenda 2030. Disponível em: https://actbr.org.br/uploads/arquivos/PLANO-ADVOCACY_REFERENCIAS-SEPARADAS-110221.pdf Acesso em: 10 fev. 2021.

Alves, J. E. D., Cavenaghi, S. M., Carvalho, A. A., & Soares, M. C. S. (2017). Meio Século de Feminismo e o empoderamento das Mulheres no contexto das Transformações Sociodemográficas do Brasil. 50 Anos de Feminismo: Argentina, Brasil e Chile: A Construção das Mulheres como Atores Políticos e Democráticos. 1°ed. Edusp, 2017.

Brandão, I. R. (2010). Na trilha do município saudável. In: A. M. G. Sperandio (Org.). Políticas Integradas em Rede e Construção de Espaços Saudáveis: boas práticas para a iniciativa do Rosto, Vozes e Lugares. Organização Pan-Americana da Saúde, 2010. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politicas_integradas_rede_construcao.pdf Acesso em: 10 fev. 2021.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde (2002). Projeto Promoção da Saúde. As Cartas da Promoção da Saúde. Brasília: Ministério da Saúde. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/cartas_promocao.pdf. Acesso em: 5 jan. 2021.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância à Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde (2014). Política Nacional de Promoção da Saúde: PNPS: revisão da Portaria MS/GM nº 687, de 30 de março de 2006. Brasília: Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância à Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde.

De Leeuw, E. & Simos, J. (Eds). Healthy Cities (pp.3-75; 151-214; 341-359; 407-488). New York [USA]: Springer. ISBN 978-1-4939-6694-3.

Ferreira, V. C., Silva, M. R. F. D., Mantovani, E. H., Colares, L. G., Ribeiro, A. A., & Stofel, N. S. (2020). Saúde da Mulher, Gênero, Políticas Públicas e Educação Médica: Agravos no Contexto de Pandemia. Revista Brasileira de Educação Médica, 44. https://doi.org/10.1590/1981-5271v44.supl.1-20200402

Fundação Romi, Centro de Documentação Histórica (2009). Viveiro Municipal. 2009. Disponível em: http://fundacaoromi.org.br/fundacao/index.php?pag=padrao&op=cedoc&id=2071&op2=not. Acesso em: 10 fev. 2020.

Gil, A. C. (2008). Métodos e técnicas de pesquisa social (6. ed.) São Paulo: Atlas.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE (s./d). Estatísticas do Sec. XX. Disponível em: https://seculoxx.ibge.gov.br/populacionais-sociais-politicas-e-culturais/busca-por-palavra-chave/trabalho/1030-populacao-economicamente-ativa. Acesso em: 15 fev. 2021.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE (2016). Síntese de indicadores sociais: uma análise das condições de vida da população brasileira: 2016 (IBGE, Coordenação de População e Indicadores Sociais, 146p.). Rio de Janeiro: IBGE.

Marconi, M. de A., & Lakatos, E. M. (2003). Fundamentos de metodologia científica (5a. Ed.). São Paulo: Atlas.

Organização das Nações Unidas – ONU (2015). Transformando Nosso Mundo: A Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável. Disponível em: https://nacoesunidas.org/wp-content/uploads/2015/10/agenda2030-pt-br.pdf. Acesso em: 18 fev. 2019.

Santana, P. (2014). Introdução à geografia da saúde território, saúde e bem-estar. Coimbra [Portugal]: Imprensa da Universidade de Coimbra. https://doi.org/10.14195/978-989-26-0727-6

Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas – Sebrae (2019, março). Relatório Especial: Empreendedorismo Feminino no Brasil. Disponível em: https://www.sebrae.com.br/Sebrae/Portal%20Sebrae/UFs/GO/Sebrae%20de%20A%20a%20Z/Empreendedorismo%20Feminino%20no%20Brasil%202019_v5.pdf. Acesso em: 22 jun. 2020.

Sperandio, A. M. G., Rosa, A. A. C., de Carvalho, B. G., & Pereira, B. R. (2017). Reverberação Política e Educativa para Cidade Saudável. Cadernos de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo, 17(2), pp. 26-51. https://doi.org/10.5935/cadernosarquitetura.v17n2p26-51

Sperandio, A. M. G., Moreira, R. N., & Bernardino, F. (2018). Conexões entre o planejamento urbano e a cidade saudável. Labor & Engenho, 12(4), 482-494. https://doi.org/10.20396/labore.v12i4.8654239

Sperandio, A. M. G. (2020) Estratégias do planejamento urbano e da promoção da saúde: a mandala da cidade saudável. Intellectus Revista Acadêmica Digital, v. 5, abril-junho, pp.79-95. http://dx.doi.org/10.21116/2020.2

Teixeira, C. M., da Silva, A. F., de Sousa, F. N. T., & de Lavor, N. B. (2021). Empreendedorismo Feminino. Revista Livre de Sustentabilidade e Empreendedorismo, 6(3), 151-171.

Tsouros, A. (2020). The coronavirus pandemic should strengthen governments’ will to invest in adolescent health. International Journal of Public Health, 65(8), 1217-1218. https://doi.org/10.1007/s00038-020-01503-2

UN-Women (2020). Whose time to care: Unpaid care and domestic work during COVID-19. USA. Disponível em: https://data.unwomen.org/sites/default/files/inline-files/Whose-time-to-care-brief_0.pdf. Acesso em: 10 fev. 2020.

UN-Habitat & WHO (2020). Integrating health in urban and territorial planning: A sourcebook. 108p.

Downloads

Publicado

2021-12-17

Como Citar

Sperandio, A. M. G., & Lima, T. F. (2021). Construção do espaço saudável reverberações micro e macro: experiência do Viveiro Municipal de Hortas Medicinais e Alimentícias em Santa Bárbara d’Oeste [SP]. Labor E Engenho, 15(00), e021019. https://doi.org/10.20396/labore.v15i00.8666672

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)