Patrimônio industrial da pré-fabricação

análise tectônica do laboratório de hidráulica (Bloco BU) da UFCG, em Campina Grande [PB]

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/labore.v16i00.8669337

Palavras-chave:

Tectônica, Pré-fabricação

Resumo

O artigo possui como objeto de estudo a análise arquitetônica de uma obra campinense que utiliza elementos construtivos pré-fabricados, em concreto, produzidos pela fábrica da Premol Indústria e Comércio S/A. Trata-se do laboratório de hidráulica (Bloco BU) da Universidade Federal de Campina Grande, agreste paraibano. Tem por objetivo geral a interpretação dos valores projetuais e construtivos desse objeto de estudo dialogando com suas dimensões normativa, histórica, espacial, formal e funcional. O interesse em analisar tal obra parte do pressuposto do (I) ineditismo temático, (II) relevante atuação da fábrica da Premol no segmento da construção civil e (III) resgate documental e imagético do saber tectônico da pré-fabricação à serviço da arquitetura campinense. Quanto à metodologia, recorre-se ao método de análise das dimensões do objeto arquitetônico proposto por Afonso (2019), que se trata de um caminho na compreensão do edifício através da decodificação das variáveis ou condicionantes intrínsecos a sua concepção, construção, ocupação e conservação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alcilia Afonso de Albuquerque e Melo, Universidade Federal de Campina Grande

 Doutora em Projetos Arquitetônicos pela  Escola Técnica Superior de Arquitetura de Barcelona. Professora Adjunta da Universidade Federal de Campina Grande.

Ivanilson Santos Pereira, Universidade de São Paulo

Mestrando em Tecnologia da Arquitetura pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo .

Referências

Afonso, A. (2013). A adoção de uma metodologia de ensino para projetos arquitetônicos. Arquitetura Revista, 9 (2), 125-134. DOI: https://doi.org/10.4013/arq.2013.92.05

Afonso, A. (2018). O processo de industrialização na década de 1960 e as transformações da paisagem urbana do bairro da prata, em Campina Grande. In: Seminário internacional de investigação em urbanismo, 9, 2018, Barcelona. Anais... Barcelona: UPC.

Afonso, A. (2019). Notas sobre métodos para a pesquisa arquitetônica patrimonial. Revista Projetar – Projeto e Percepção do Ambiente, 4 (3), 54-70. DOI: https://doi.org/10.21680/2448-296X.2019v4n3ID18778

Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial. (2015). Manual da construção industrializada: conceitos e etapas. Brasília: ABDI. (v. 1: estrutura e vedação).

Amaral, I. (2009, dez). Quase tudo que você queria saber sobre tectônica, mas tinha vergonha de perguntar. Pós. Revista do Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo da FAUUSP, São Paulo, n. 26, pp. 148-167. DOI: https://doi.org/10.11606/issn.2317-2762.v0i26p148-167

Bruna, P. (2002). Arquitetura, industrialização e desenvolvimento. 2. ed. São Paulo: Editora Perspectiva.

Chupin, J., & Simonnet, C. (Orgs.). (2005). Le projet tectonique. Introdução de Kenneth Frampton. Gollion: Infolio.

El Debs, M. (2017). Concreto pré-moldado: fundamentos e aplicações. 2. ed. São Paulo: Oficina de Textos.

Federação das Indústrias do Estado do Paraná (FIEP). (1969). Cadastro Industrial do Estado da Paraíba. Campina Grande: [s.n.].

Fisco (1978). Mercado obriga a Premol diversificar a sua produção. Revista Fisco, nº 64, pp. 13-18. Disponível em acervo digital. Em rede: novarevistafisco.com.br.

Fisco (1983). Os 100 maiores ICMS. Revista Fisco, nº 106. Disponível em acervo digital. Em rede: novarevistafisco.com.br.

Frampton, K. (1995). Studies in tectonic culture: The poetics of construction in nineteenth and twentieth century architecture. John Cava (E.). Cambridge: MIT Press.

Frampton, K. (1997). História crítica da arquitetura moderna. São Paulo: Editora Martins Fontes.

Gastón, C., & Rovira, T. (2007). El proyecto Moderno: Pautas de Investigación. Barcelona: Ediciones UPC.

Conselho Internacional de Monumentos e Sítios (ICOMOS) & Comitê Internacional para Conservação do Patrimônio Industrial (TICCIH). (2011). “Princípios conjuntos do Icomos – Ticcih para a conservação de sítios, estruturas, áreas e paisagens de patrimônio industrial” [Princípios de Dublin]. Aprovada na 17ª Assembleia Geral do ICOMOS, 28/11/2011.

Kühl, B. M. (2006). Algumas questões relativas ao patrimônio industrial e à sua preservação. Patrimônio. Revista Eletrônica do IPHAN, São Paulo, n. 4. Disponível em: http://www.revista.iphan.gov.br/materia.php?id=165 . Acesso 28 mai. 2021.

Nesbitt, K. (Org.) (2006). Uma nova agenda para a arquitetura. Antologia teórica (1965-1995). Coleção Face Norte, volume 10. São Paulo, Cosac Naify.

Oliveira, M. J. (2005). Do discurso dos planos ao plano discurso: PDLI – Plano de Desenvolvimento Local Integrado de Campina Grande. 1970-1976. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo), Programa de Pós-graduação em Desenvolvimento Urbano) – Universidade Federal do Pernambuco, Recife, PE, Brasil.

Pereira, I. S. (2021). Arquitetura (Premol)dada: análise de obras pré-fabricadas à serviço da modernidade campinense. 1970-1990. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Arquitetura e Urbanismo) – Universidade Federal de Campina Grande, Campina Grande, PB, Brasil.

Prefeitura Municipal de Campina Grande. (2006). Plano Diretor de Campina Grande (Lei Complementar nº 003, de 09 de outubro de 2006).

Ribeiro, R. P. (2016). A faculdade que forja memórias: o papel da Escola Politécnica da Paraíba na formação de uma memória de Campina Grande (1952-1958). In: Encontro Estadual de História do Ceará, .16, 2016, Fortaleza. Anais... Fortaleza: UFC.

Risselada, M. (2010). Arquitetura, industrialização e luz. In: M. Rissealda, & G. Latorraca (Orgs.), A arquitetura de Lelé: fábrica e invenção. São Paulo: MCB, Museu da Casa Brasileira.

Rufinoni, M. (2020). Patrimônio industrial. In: A. Carvalho, & C. Meneguello (Orgs.), Dicionário temático de patrimônio: debates contemporâneos. Campinas, SP: Editora da Unicamp. DOI: https://doi.org/10.7476/9786586253696.0049

Comitê Internacional para Conservação do Patrimônio Industrial (TICCIH). (2003). Carta de Nizhny Tagil sobre o Patrimônio Industrial. Nizhny Tagil, The International Committee for the Conservation of the Industrial Heritage, 2003.

Torres, J. V. (2010). Escola Politécnica e a construção identitária de Campina Grande como polo tecnológico (1952-1973). Dissertação (Mestrado em História), Programa de Pós-Graduação em História, Universidade Federal de Campina Grande, Campina Grande, PB, Brasil.

Downloads

Publicado

2022-11-30

Como Citar

Melo, A. A. de A. e, & Pereira, I. S. (2022). Patrimônio industrial da pré-fabricação: análise tectônica do laboratório de hidráulica (Bloco BU) da UFCG, em Campina Grande [PB]. Labor E Engenho, 16(00), e022013. https://doi.org/10.20396/labore.v16i00.8669337