CHATEAUBRIAND’S SENSES

Autores

  • Marco Ruffino Department of Philosophy/Federal University of Rio de Janeiro/CNPq

Palavras-chave:

Chateaubriand. Frege. Sense. Indirect reference. Judgment.

Resumo

In this paper I discuss Chateaubriand’s notion of senses. His notions retains the spirit of the original Fregean notion, but differ from it in some fundamental ways. I compare both notions, especially concerning the issue of indirect reference, and also concerning their explanatory power in epistemic matters. Finally, I raise some worries concerning the semantic role played by Chateaubriand’s senses, as well as the notion of judgment that his notion of thoughts seems to imply.

 

Resumo:

Neste artigo, discuto a noção de sentido de Chateaubriand. Sua noção retém o espírito da noção Fregeana original, mas difere da mesma em alguns aspectos fundamentais. Eu comparo ambas as noções, especialmente no que diz respeito à questão da referência indireta, e também no que concerne ao seu poder explicativo em questões epistêmicas. Por fim, levanto algumas preocupações sobre o papel semântico desempenhado pelos sentidos de Chateaubriand, bem como a forma dos juízos que a sua noção de pensamento implica.

Palavras chave: Chateaubriand. Frege. Sentido. Referência indireta. Juízo.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marco Ruffino, Department of Philosophy/Federal University of Rio de Janeiro/CNPq

Bacharel em Física pela UNICAMP (1985), Mestre em Lógica e Filosofia da Ciência pela UNICAMP (1990; orientador: Zeljko Loparic), Ph.D. em Filosofia pela Universidade da California em Los Angeles (UCLA, 1996; orientador: Tyler Burge). Posteriormente fez pós-doutorado na Universidade de Konstanz (1997, 1999) e na Universidade de Harvard (2000-2001).

Referências

ALMOG, J., PERRY, J., WETTSTEIN, H. (eds.). Themes from Kaplan. New York: Oxford University Press, 1989.

BEANEY, M. (ed. and transl.). The Frege Reader. Oxford: Blackwell, 1997.

BURGE, T. “Sinning Against Frege”. The Philosophical Review, 88, pp. 398-432, 1979.

CHATEAUBRIAND, O. Logical Forms. Part I: Truth and Descriptions. Campinas: Unicamp, Centro de Lógica, Epistemologia e História da Ciência, 2001. (Coleção CLE, v. 34)

CHATEAUBRIAND, O. Logical Forms. Part II: Logic, Language, and Knowledge. Campinas: Unicamp, Centro de Lógica, Epistemologia e História da Ciência, 2005. (Coleção CLE, v. 42)

CHATEAUBRIAND, O. “The Truth of Thoughts: Variations on Fregean Themes”. In: D. Greimann (ed.) (2007), pp. 199-216.

FREGE, G. [1892]. “Über Sinn und Bedeutung”. Repr. in M. Beaney (1997), pp. 151-171.

FREGE, G. [1892a]. “Über Begriff und Gegenstand”. Repr. in M. Beaney (1997), pp. 181-193.

GREIMANN, D. (ed.). Essays on Frege’s Conception of Truth., Amsterdam: Rodopi, 2007. (Grazer Philosophische Studien, 75) KAPLAN, D. “Demonstratives”. In: J. Almog, J. Perry, H. Wettstein (eds.) (1989), pp. 481-564.

PUTNAM, H. “Meaning and Reference”. The Journal of Philosophy, 70, pp. 699-711, 1973.

RUFFINO, M. “Fregean Propositions, Belief Preservation and Cognitive Value”. In: D. Greimann (ed.) (2007), pp. 217-236.

WETTSTEIN, H. “Has Semantics rested on a Mistake?”. The Journal of Philosophy, 83, n. 4, pp. 185-209, 1986.

Downloads

Publicado

2015-12-11

Como Citar

RUFFINO, M. CHATEAUBRIAND’S SENSES. Manuscrito: Revista Internacional de Filosofia, Campinas, SP, v. 31, n. 1, p. 299–314, 2015. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/manuscrito/article/view/8642231. Acesso em: 2 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigos