LEARNING “BIG”

Autores

  • Richard Vallée Université de Moncton

Palavras-chave:

Sentence. Utterances. Truth. Comparatives. Metaphysics

Resumo

I argue that we are wrong in thinking that all assertive sentences reflect reality. My argument is grounded on the semantics of comparative sentences. I also contend that utterances are designed to fit reality. My view relies on the idea that the notion of truth fit for sentences – a metalinguistic notion – is not metaphysical in nature, while a notion of truth capturing our intuitions concerning utterances of comparative sentences is. In that respect, intuitions concerning utterances of comparative sentences have a metaphysical aspect.

Resumo:

Argumento que estamos equivocados ao pensar que toda sentença assertiva reflete a realidade. Meu argumento está fundamentado na semântica de sentenças comparativas. Também defendo que proferimentos são feitos para se encaixar na realidade. Minha visão está baseada na idéia de que a noção de verdade adequada para sentenças – uma noção metalingüística – não é de natureza metafísica, enquanto que uma noção de verdade que capture nossas intuições sobre proferimentos de sentenças comparativas é desta natureza. Neste aspecto, intuições sobre proferimentos de sentenças comparativas têm um aspecto metafísico.

Palavras chave: Proferimentos. Verdade. Comparativos. Metafísica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

CHATEAUBRIAND, O. Logical Forms. Part II: Logic, Language, and Knowledge. Campinas: Unicamp, Centro de Lógica, Epistemologia e História da Ciência, 2005. (Coleção CLE, v. 42)

CAMPBELL, J.K., O’ROURKE, M., SHIER, D. (eds.). Topics in Contemporary Philosophy: Meaning and Truth. New York: Seven Bridges Press, 2001.

CLAPP, L. “What Unarticulated Constituent Could Not Be”. In: J.K. Campbell, M. O’Rourke and D. Shier (eds.) (2001), pp. 231-256.

KLEIN, E. “A Semantics for Positive and Comparatives Adjectives”. Linguistics and Philosophy, 4, pp. 1-45, 1980.

LEPORE, E., CAPPELEN, H. Insensitive Semantics. London: Blackwell, 2005.

LUDLOW, P. “Implicit Comparison Classes”. Linguistics and Philosophy, 12, pp. 519-533, 1989.

PERRY, J. Reference and Reflexivity. CSLI Publications, 2001.

PREYER, G., PETER, G. (eds.). Contextualism in Philosophy. Oxford University Press, 2005.

STAINTON, R. “The Meaning of ‘Sentences’”. Noûs, 34, pp. 441- 454, 2000.

STANLEY, J. “Semantics in Context”. In: G. Preyer and G. Peter (eds.) (2005), pp. 221-253.

Downloads

Publicado

2015-12-11

Como Citar

VALLÉE, R. LEARNING “BIG”. Manuscrito: Revista Internacional de Filosofia, Campinas, SP, v. 31, n. 1, p. 489–506, 2015. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/manuscrito/article/view/8642248. Acesso em: 8 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigos