Banner Portal
Como descrever eventos mentais?
PDF

Palavras-chave

Thomas Nagel
Wittgenstein
Politzer
Estados mentais
Fenomenologia.

Como Citar

MONTENEGRO, Maria Aparecida. Como descrever eventos mentais?. Manuscrito: Revista Internacional de Filosofia, Campinas, SP, v. 29, n. 2, p. 551–574, 2016. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/manuscrito/article/view/8643596. Acesso em: 27 maio. 2024.

Resumo

Em Como é ser um morcego?, Thomas Nagel (1974) examina a polêmica questão da descrição dos eventos mentais e sugere que somente uma fenomenologia objetiva, ainda por ser construída, seria capaz de dar conta da dimensão universal característica dos enunciados da ciência – pensada como discurso da terceira pessoa –, ao mesmo tempo em que salvaguardaria o caráter particular atribuído aos estados mentais, acerca dos quais se supõe que a perspectiva da primeira pessoa detenha um conhecimento privilegiado. A presente comunicação pretende mostrar, a partir das críticas à psicologia formuladas por filósofos contemporâneos de tradições distintas, como Wittgenstein e Georges Politzer, que esse impasse em torno do cunho subjetivo dos eventos mentais e a descrição objetiva dos mesmos requerida pela ciência repousa justamente na ilusão de que se tem, na primeira pessoa, acesso privilegiado aos próprios estados mentais. A impossibilidade de uma linguagem privada, apontada por Wittgenstein, assim como a noção de “drama”, proposta por Politzer como constituindo o fato psicológico por excelência, parecem fazer convergir as vertentes continental e anglo-saxã da filosofia contemporânea no que tange à desconstrução da antiga ilusão de uma vida interior que antecederia as práticas lingüísticas. Em uma palavra, pretende-se mostrar que é somente no âmbito da linguagem – portanto, de uma perspectiva universal –, que se constrói um discurso do particular – aquele acerca dos próprios eventos mentais.

PDF

Referências

CHAUVIRÉ, C. Wittgenstein. Trad. Maria Luiza X. de A. Borges. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1991.

DESCARTES, R. ‘Meditações’. Trad. J. Guinsburg e Bento Prado Jr. São Paulo: Abril Cultural, 1973. (Coleção Os Pensadores, vol. XV)

FAUSTINO, S. Wittgenstein: o eu e sua gramática. São Paulo: Ática, 1995.

GABBI Jr., Osmyr Faria “Considerações sobre a eterna juventude da Psicologia: o caso da Psicanálise”. Prefácio à edição brasileira de Politzer (1998), pp. v-XXVIII.

HACKER, P.M.S. Wittgenstein: sobre a natureza humana. Trad. João Vergílio Gallenari Cuter. São Paulo: Editora da UNESP, 2000. (Coleção Grandes Filósofos)

KANT, Immanuel. Crítica da Razão Pura. Trad. M. P. Santos e A. F. Leão. Lisboa: Fundação Calouste Goulbenkian, 1985.

MONTENEGRO, M.A.P., SOUSA, P. M. “O Impasse na Descrição dos Eventos Mentais: Politzer e Wittgenstein, críticos da psicologia”. In: M.H. Freitas, N. Venturinha (orgs.). A Expressão do Indizível: estudos sobre filosofia e psicologia. Brasília: Editora Universa, pp. 173-196, 2005.

NAGEL, T. ‘What is it like to be a bat?’. Philosophical Review, 83, pp. 435- 450, 1974.

NAGEL, T. Mortal Questions. Cambridge: Cambridge University Press, 1979.

PIRES DA SILVA, J.C.S. “Uma Certa Fenomenologia em Wittgenstein”. In: A.M.C. Ferreira (org.). Fenômeno & Sentido. Salvador: Quarteto, 2003.

POLITZER, G. Crítica dos Fundamentos da Psicologia. Piracicaba: Editora da UNIMEP, 1998.

POLITZER, G. La Crise de la Psychologie Contemporaine. In: J. Kanapa (org.). Paris: Éditions Sociales, 1947.

POLITZER, G. A Filosofia e os Mitos. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1978.

WITTGENSTEIN, L. Last Writings on the Philosophy of Psychology, v. 1. In: G.H. von Wright, H. Nyman (eds.). Trad. C.G. Luckhardt e M. Aue. Chicago: The University of Chicago Press, 1990. (Edição original: 1949)

WITTGENSTEIN, L. Last Writings on the Philosophy of Psychology, v. 2. In: G.H. von

Wright, H. Nyman (eds.). Trad. C.G. Luckhardt e M. Aue. Oxford: Blackwell, 1992.

WITTGENSTEIN, L. Remarks on the Philosophy of Psychology, v. I. In: G.E.M. Anscombe, G.H. von Wright (eds.). Trad. G.E.M. Anscombe. Oxford: Blackwell, 1980.

WITTGENSTEIN, L. Remarks on the Philosophy of Psychology, v. II. In: G.H. von Wright, H. Nyman (eds.). Trad. C.G. Luckhardt e M. Aue. Oxford: Blackwell, 1980.

WITTGENSTEIN, L. Tractatus Logico-Philosophicus. Tradução, apresentação e ensaio introdutório de Luis Henrique Lopes do Santos. São Paulo: EDUSP, 2001.

WITTGENSTEIN, L. Investigações Filosóficas. Trad. M.S. Lourenço. Lisboa: Fundação Calouste Goulbenkian, 1987.

WITTGENSTEIN, L. In: RHEES, R.(org.). Psicologia, Estética e Religião. São Paulo: Cultrix, 1977.

Downloads

Não há dados estatísticos.