Banner Portal
Causalidade circular e causação mental
PDF

Palavras-chave

Fisicalismo
externalismo e internalismo
epifenomenalismo
Kim
causação mental

Como Citar

HASELAGER, Willem Ferdinand Gerardus; GONZALEZ, Maria E. Q. Causalidade circular e causação mental: uma saída para a oposição internalismo versus externalismo?. Manuscrito: Revista Internacional de Filosofia, Campinas, SP, v. 25, n. 3, p. 217–238, 2002. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/manuscrito/article/view/8644654. Acesso em: 15 jun. 2024.

Resumo

O debate internalismo versus externalismo é frequentemente construído na forma de uma oposição direta entre conteúdo mental e causação mental. Tal oposição reforça uma tendência a se tomar partido no debate. Alguns sustentam que o fisicalismo falhou, uma vez que não existe uma explicação sobre o papel do conteúdo mental externo na causação interna do comportamento. Outros (notavelmente Jaegwon Kim) tomam o partido do fisicalismo e argumentam que ele não deixa lugar para um papel causal do conteúdo mental (ou para a mente em geral). Defendemos aqui a hipótese de que o debate internalismo versus externalismo não necessita de um vencedor e propomos a dissolução de tal oposição. Indicaremos uma saída para essa disputa focalizando a suposição fisicalista segundo a qual o conteúdo mental não pode desempenhar um papel causal genuíno na produção do comportamento. De acordo com Kim, o fisicalismo nos coloca diante de um dilema: o mental pode ser reduzido ao físico ou, alternativamente, o mental não pode ser reduzido ao físico. No primeiro caso, o conteúdo mental torna-se um mero epifenômeno. No segundo, a irredutibilidade do mental deixa inexplicado, e, portanto misterioso, o seu poder causal. Diferentemente de Kim, procuraremos escapar do dilema sugerido, ao mesmo tempo em que preservaremos o fisicalismo. Procuraremos mostrar que o dilema “epifenomenalize ou mistifique” é falso, uma vez que ele pressupõe uma concepção de explicação e de redução que, embora seja predominante na ciência cognitiva, não leva em consideração a natureza dinâmica da cognição. Uma análise cuidadosa da estratégia explanatória cognitivista – i.e redução via análise funcional (decomposição e localização) – revela que ela é válida apenas para sistemas nos quais a interação entre os seus componentes internos é mínima. Tal análise coincide com a visão cognitivista da mente entendida como um sistema composto por representações mentais. Sustentaremos que a mente é um sistema incorporado e situado, cuja natureza dinâmica não pode ser explicada pela estratégia cognitivista tradicional. Como ocorre frequentemente com os sistemas dinâmicos, a causalidade circular se faz presente, o que significa dizer que variáveis de ordem superior, no plano macroscópico, restringem o comportamento dos componentes de ordem inferior, no plano microscópico. Esta noção de causalidade circular indica a importância de variáveis no plano macroscópico para os processos que operam no plano microscópico. Forneceremos exemplos de aplicação da causalidade circular na cognição para ilustrar a inadequação das estratégias explanatórias reducionistas tradicionais. Concluiremos, então, que o dilema proposto por Kim pressupõe um modelo de explicação reducionista que é inapropriado para abordar os aspectos dinâmicos da cognição. Mais especificamente, argumentaremos que o fisicalismo não conduz ao epifenomenalismo nem ao mistério. De modo geral, sustentamos que uma compreensão apropriada da natureza dinâmica da cognição pode fornecer uma saída para a oposição perene entre externalismo e internalismo.

PDF

Referências

Ashby, W.R. (1962). Principles of the Self-Organizing System. In: H. Von Foerster & G.W. Zopf, Jr. (eds.), Principles of Self-Organization (Oxford, Pergamon).

Bechtel, W. (1988). Philosophy of Science: An Overview for Cognitive Science (Hillsdale, Lawrence Erlbaum).

Bechtel, W. & Richardson, R.C. (1993). Discovering Complexity: Decomposition and Localization as Strategies in Scientific Research (Princeton, Princeton University Press).

Campbell, D.T. (1974). Downward Causation in Hierarchically Organized Biological Systems. In: F. Ayala & T. Dobzhansky (eds.), Studies in the Philosophy of Biology (Berkeley, University of California Press), pp. 179-186.

Churchland, P. S. (1986). Neurophilosophy: Towards a Unified Science of the Mind-Brain (Cambridge, MA, MIT Press).

Clark, A. (1997). Being There: Putting Brain, Body, and World Together Again (Cambridge, MA, MIT Press).

Cummins, R. (1983). The Nature of Psychological Explanation (Cambridge, MA, MIT Press).

Chalmers, D. (1996). The Conscious Mind: In Search of a Fundamental Theory (Oxford, Oxford University Press).

Darden, L. & Maull, N. (1977). Interfield Theories. Philosophy of Science, 43, pp. 44-64.

Debrun, M. A. (1996). A Idéia de Auto-Organização. In: M. Debrun, M.E.Q. Gonzales & O. Pessoa Jr. (eds.) Auto-Organização: Estudos Interdisciplinares. Coleção CLE, v. 18. (Campinas, CLE/Unicamp).

Fodor, J. (1974). Special Sciences. Synthese, 28, pp. 77-115.

Gonzalez, M.E.Q. (2000). The Self-Organizing Process of Distributed Information: a way out of the mind-body problem? In: Proc. 5th Brazilian International Conference on Neural Networks. Rio de Janeiro, Brazil.

Haken, H. (1977). Synergetics: An Introduction (Berlin, Springer Verlag).

Haken, H. (1983). Synergetics (Berlin, Springer Verlag).

Haken, H. (1999). Synergetics and some Applications to Psychology. In: W. Tschacher & P.-P. Daualder (eds.), Dynamics, Synergetics, Autonomous Agents (London, World Scientific).

Haken, H. & Wunderlin, A. (1990). “Synergetics and its Paradigm of Self-Organization in Biological Systems”. In: H.T.A.

Whiting, O.G. Meijer & P. C.W. van Wieringen (eds.) The Natural- Physical Approach to Movement Control (Amsterdam, VU University Press).

Haken, H., Kelso, J.A., & Bunz, H. (1985). A Theoretical Model of Phase Transitions in Human Hand Movements. Biological Cybernetics, 51, pp. 347-356.

Haselager, W.F.G. (1997). Cognitive Science and Folk Psychology: The Right Frame of Mind (London, Sage).

Haselager, W.F.G. (1999). Neurodynamics and the Revival of Associationism in Cognitive Science. In: A. Riegler, M. Peschl, & A. Von Stein (eds.) Understanding Representation in the Cognitive Sciences: Does Repre- sentation Need Reality? (New York, Kluwer Academic/Plenum Publ.), pp. 115-120.

James, W. (1890). The Principles of Psychology (New York, Dover).

Kelso, J.A. (1995). Dynamic Patterns: The Self-Organization of Brain and Behavior (Cambridge, MA, MIT Press).

Kim, J. (1993). Supervenience and Mind (Cambridge, Cambridge University Press).

Kim, J. (1998). Mind in a Physical World (Cambridge, MA, MIT Press).

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2002 Manuscrito: Revista Internacional de Filosofia

Downloads

Não há dados estatísticos.