O papel das emoções nas determinações da ação

Autores

Palavras-chave:

Comportamento, Emotividade, Ação voluntária

Resumo

A emoção sempre foi definida como um estado afetivo que se contrapõe à cognição ou à atividade racional. Tal distinção é hoje radicalmente negada pelas pesquisas em neurociências. As emoções, stricto sensu, se expressam sob forma de manifestações intensas, abruptas, inesperadas. Convém, por isso, reconhecer que a emoção envolve uma experiência sensorial (agradável ou desagradável, intensa ou amena, brusca ou tênue) e uma dimensão comportamental ou expressiva representada pela resposta motora que ela suscita (gestos, atitudes, manifestações somáticas, orgânicas, neurológicas, endócrinas). Assim, as emoções comportariam sentimentos (experiências sensoriais) e/ou atitudes (comportamentos), cujas manifestações variam segundo a intensidade, as circunstâncias e a natureza dos agentes desencadeadores. Dessa gama enorme de possibilidades depende a caracterização precisa dos estados mentais que tais sensações suscitam e as formas de conduta que elas engendram. A atitude emocional, todavia, nem sempre se distingue do comportamento voluntário, aquele guiado pela decisão do agente. Algumas emoções não somente desencadeiam certas formas de comportamento, como são modos apropriados dos indivíduos. É dessa interação que trata o nosso trabalho.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marconi Pequeno, Universidade Federal da Paraíba

Doutor pela Université de Strasbourg I. Professor na Universidade Federal da Paraíba.

Referências

Damasio, A. (1995). L’erreur de Descartes. La raison des émotions (Paris, Éditions Odile Jacob).

Dawkins, R. (1976). The Selfish Gene (Oxford, Oxford University Press).

Eckman, P. & Frieser, M. (1982). Measuring Facial Movement and with the Facial Action Coding System. In: Emotion in the Human Face (Cambridge University Press).

Edelman, G. (1992). Bright Air, Brilliant Fire: on the Matter of Mind (London, Basic Books).

Karli, P. (1982). Neurobiologie des comportements d’agression (Paris, PUF).

Lorenz, K. (1984). Les fondements de l’étologie (Paris, Flammarion).

Sartre, J-P. (1939). Esquisse d’une théorie des émotions (Paris, Hermann).

Downloads

Publicado

2002-03-31

Como Citar

PEQUENO, M. O papel das emoções nas determinações da ação. Manuscrito: Revista Internacional de Filosofia, Campinas, SP, v. 25, n. 3, p. 271–284, 2002. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/manuscrito/article/view/8644667. Acesso em: 5 fev. 2023.

Edição

Seção

Artigos