Tipografia no Brasil profundo: votos, cargos e alinhamentos nos municípios brasileiros

Autores

  • André Marenco Santos Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Palavras-chave:

Política municipal. Partidos. Federalismo. Eleições

Resumo

O propósito deste artigo é identificar os padrões preponderantes da competição política realizada nos municípios brasileiros. Pretende-se analisar dois problemas: em primeiro lugar, considerando-se a estrutura federativa do Estado brasileiro e a presença de governo dividido, busca-se identificar as forças que presidem as relações intergovernamentais entre governo federal, estadual e municipal. Em segundo lugar, procura-se analisar em que medida o incremento na competição eleitoral ao nível nacional tem contribuído para incentivar disputas locais e minar as bases tradicionais de poder nos mais de 5,5 mil municípios brasileiros.

 

Abstract:

The purpose of this study is to identify the main patterns of political competition in Brazilian municipalities. It intends to analyze two questions: first, considering the federative structure of the Brazilian state and the presence of a divided government, it tries to identify the forces that preside the intergovernmental relations between the federal, state and municipal levels; and second, to what extent the increase in electoral competition at the national level has stimulated the local disputes and undermined the traditional bases of politics in more than 5,500 Brazilian municipalities.

Keywords: local politics; parties; federalism; elections

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

André Marenco Santos, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Professor Associado 4 da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Membro do Programa de Pós-Graduação em Políticas Públicas/UFRGS [ufrgs.br/polpub] e do Grupo de Pesquisa/CNPq Instituições Políticas Comparadas [ufrgs.br/ipoc]. Coordenador de Área Ciência Política e Relações Internacionais/CAPES (2011-2017), membro titular do Conselho Técnico-Científico da Educação Superior, CTC-ES/CAPES (2011-2017); integrou o Comitê de Avaliação Capes (2009 e 2010), coordenou o Fórum Nacional dos Programas em Ciência Política e Relações Internacionais (2004-2007), o Programa de Pós-Graduação em Ciência Política (2004-2007) e foi membro da diretoria da Associação Brasileira de Ciência Política (2004-2008). 

Referências

ABRANCHES, S. “Presidencialismo de Coalizão: O Dilema Institucional Brasileiro”. Dados, Rio de Janeiro, vol.31, n˚ 1, p.5-34, 1988.

ABRUCIO, F. Os Barões da Federação: Os Governadores e a Redemocratização Brasileira. São Paulo: Hucitec, 1988.

ALMEIDA, A. C. A Cabeça do Eleitor: Estratégia de Campanha, Pesquisa e Vitória Eleitoral. São Paulo: Record, 2008.

ALMEIDA, M. H. e CARNEIRO, P. “Liderança Local, Democracia e Políticas Públicas no Brasil”. Opinião Pública, Campinas, vol. IX, n˚ 1, p. 124-147, 2003.

AMES, B. Os Entraves da Democracia no Brasil. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2003.

AMORIM NETO, O. “Gabinetes Presidenciais, Ciclos Eleitorais e Disciplina Legislativa no Brasil”. Dados, Rio de Janeiro, vol. 43, n˚ 3, p. 479-517, 2000.

AMORIM NETO, O. O Brasil, Lijphart e o Modelo Consensual de Democracia. In: INACIO, M. e RENNÓ, L. (orgs.). Legislativo Brasileiro em Perspectiva Comparada. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2009.

ANASTASIA, F.; CASTRO, M. e NUNES, F. Desde Entonces Hasta Ahora: las Condiciones y las Instituciones de La Democracia Después de 1988. In: ALCANTARA, M. e RANULFO, C. (orgs.). La Democracia Brasileña: Balance y Perspectivas Para El Siglo XXI. Salamanca: Ediciones Universidad Salamanca, 2008.

AVELAR, L. e WALTER, M. I. “Lentas Mudanças: O Voto e a Política Tradicional”. Opinião Pública, Campinas, vol. 14, n˚ 1, p. 96-122, 2008.

BOISSEVAIN, J. “Patronage in Sicily". Man, Londres, vol. 1, n˚ 1, p. 18-33, 1966.

BRAGA, M. S. O Processo Partidário-Eleitoral Brasileiro: Padrões de Competição Política (1982-2002). São Paulo: Humanitas / Fapesp, 2006.

CAMPELLO DE SOUZA, M. C. Estado e Partidos Políticos no Brasil (1930 a 1964). São Paulo: Alfa-Ômega, 1976.

CAMPELLO DE SOUZA, M. C. “Federalismo no Brasil: Aspectos Politico-Institucionais”. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, vol. 21, n˚ 6, p. 7-40, 2006.

CARDERELLO, A. La reeleccion inmediata del ejecutivo a nivel sub.nacional. Un estudio de tres casos. Porto Alegre: UFRGS, 2009.

CARVALHO, J. M. “Barbacena: A Família, a Política e uma Hipótese". Revista Brasileira de Estudos Políticos, Rio de Janeiro, vol. 20, p. 153-194, 1966.

CARVALHO, J. M. “Mandonismo, coronelismo, clientelismo: uma discussão conceitual". Dados, Rio de Janeiro, vol. 40, n˚ 2, 1997.

CARVALHO, N. E no Início Eram as Bases: Geografia Política do Voto e Comportamento Legislativo no Brasil. Rio de Janeiro: Revan, 2003.

COX, G. Making Votes Count: Strategic Coordination in the World’s Electoral Systems. Cambridge: Cambridge University Press, 1997.

DAHL, R. Polyarchy: Participation and Opposition. New Haven: Yale University Press, 1971.

DEUTSCH, K. Os nervos do governo: análise dos modelos de comunicação e do controle político. Rio de Janeiro: Bloch, 1970.

DUVERGER, M. Les Partis Politiques. Paris: Armand Colin, 1951.

EISENSTADT, S. Modernization: Protest and Change. New Jersey: Prentice-Hall, 1966.

FIGUEIREDO, A. e LIMONGI, F. Executivo e Legislativo na Nova Ordem Constitucional. Rio de Janeiro: Editora FGV, 1999.

FIORINA, M. Divided Government. New York: Longman Classics, 1996.

GRAZIANO, L. Patron – client relationship in Southern Italy. In: SCHMITD, S.W. et al (eds.). Friends, followers, and factions. Berkeley: University of California Press, 1977.

HAGOPIAN, F. The Politics of Oligarchy: The Persistence of Traditional elites in Contemporary Brazil. Boston: Massachusetts Institute of Technology, 1986.

IBGE. Sinopse preliminar do censo demográfico, vol. 7. Rio de Janeiro: IBGE, 2000.

IBGE. Contas Regionais do Brasil, 2003-2007. Brasília: IBGE, 2009.

INÁCIO, M.; RENNÓ, L. (orgs.). Legislativo Brasileiro em Perspectiva Comparada. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2009.

JAGUARIBE, H. Desenvolvimento Econômico e Desenvolvimento Político. Rio de Janeiro: Editora Fundo de Cultura, 1962.

KERBAUY, M. T. “As Câmaras Municipais Brasileiras: Perfil de Carreira e Percepção Sobre o Processo Decisório Local”. Opinião Pública, Campinas, vol. XI, n˚ 2, p. 337-365, 2005.

LANDÉ, C. The Dyadic Basis of Clientelism”, In: SCHMIDT, S. et al. Friends, Followers and Factions: A Reader in Political Clientelism. Berkeley: University of California Press, 1977.

LAVAREDA, A. Emoções Ocultas e Estratégias Eleitorais. Rio de Janeiro: Objetiva, 2009.

LEAL, V. N. Coronelismo, enxada e voto. São Paulo: Alfa-Ômega, 1975.

LEAL, V. N. Coronelismo: the Municipality and Representative Government in Brazil. Cambridge: Cambridge University Press, 1977.

LIPSET, S. Political Man: The Social Bases of Politics. Baltimore: The Johns Hopkins University Press, 1959.

LOPEZ, F. “A Política Cotidiana dos Vereadores e as Relações Entre Executivo e Legislativo em Âmbito Municipal: O Caso do Município de Araruama”. Revista de Sociologia e Política, Curitiba, vol. 22, p. 153-177, 2004.

NICOLAU, J. e POWER, T. Instituições Representativas no Brasil: Balanço e Reforma. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2007.

PALERMO, V. “Como se Governa o Brasil? O Debate sobre Instituições Políticas e Gestão de Governo”. Dados, Rio de Janeiro, vol. 43, n˚ 3, p. 521-557, 2000.

PANG, E. Coronelismo e Oligarquias, 1889-1943. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1979.

PEREIRA, C.; POWER, T.; RENNÓ, L. “Agenda Power, Executive Decree Authority, and the Mixed Results of Reform in the Brazilian Congress”. Legislative Studies Quarterly, Iowa, XXXIII, 5-34, 2008.

PIQUET, L.; ALMEIDA, M. H. “Definindo a Arena Política Local: Sistemas Partidários Municipais na Federação Brasileira”. Dados, Rio de Janeiro, vol. 51, n˚ 2, p. 403-442, 2008.

PNUD. Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil. PNUD, 2003.

QUEIROz, M. I. O Mandonismo Local na Vida Política Brasileira e Outros Ensaios. São Paulo: Alfa-Ômega, 1976.

RODRIGUES, L. Partidos, Ideologia e Composição Social. Um Estudo das Bancadas Partidárias na Câmara dos Deputados. São Paulo: Edusp, 2002.

RODRIGUES, L. Mudanças na Classe Política Brasileira. São Paulo: Publifolha, 2006.

SADEK, M. T. “Judiciário: mudanças nem sempre à vista”. Cadernos ADENAUER, Rio de Janeiro, vol. VII, p. 139-156, 2006.

SANTOS, F. O Poder Legislativo no Presidencialismo de Coalizão. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2003.

SHILS, E. Center and Periphery. Chicago: University of Chicago, 1974.

SOARES, G. D. Sociedade e política no Brasil: desenvolvimento, classe e política durante a segunda República. São Paulo: Difusão Europeia do Livro, 1973.

SCOTT, J. Patron-client Politics and Political Change in Southeast Asia. In: SCHMIDT, S. et al. (orgs.). Friends, Followers, and Factions. Berkeley: University of California Press, 1977.

SOUZA, C. “Federalismo e Conflitos Distributivos: Disputa dos Estados por Recursos Orçamentários Federais”. Dados, Rio de Janeiro, vol. 46, n˚ 2, p. 345-384, 2003.

TOMIO, F. “The creation of municipalities after the 1988 constitution”. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, vol. 1, special Ed. 2005.

VANHANEN, T. “A New Dataset For Measuring Democracy, 1810-1998”. Journal of Peace Research, Oslo, vol. 37, n˚ 2, p. 251-265, 2000.

VIANNA, L. W.; MELO, M.; CARVALHO, M. A. e BURGOS, M. Corpo e Alma da Magistratura Brasileira. Rio de Janeiro: Editora Revan, 1997.

Downloads

Publicado

2015-10-30

Como Citar

SANTOS, A. M. Tipografia no Brasil profundo: votos, cargos e alinhamentos nos municípios brasileiros. Opinião Pública, Campinas, SP, v. 19, n. 1, p. 1–20, 2015. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/op/article/view/8641435. Acesso em: 27 nov. 2021.

Edição

Seção

Artigos