Clientelismo, internet e voto: Personalismo e transferência de recursos nas campanhas online para vereador nas eleições e outubro de 2008 no Brasil

Autores

  • Sérgio Braga Universidade Federal do Paraná
  • Maria Alejandra Nicolás Universidade Federal do Paraná
  • André Roberto Becher Universidade Federal do Paraná

Palavras-chave:

Campanha online. Clientelismo. Internet e política

Resumo

O objetivo deste artigo é apresentar os resultados de nossa pesquisa sobre o uso da internet pelos candidatos a vereador de Curitiba, Florianópolis e Porto Alegre. A partir do exame da campanha virtual dos candidatos que utilizaram websites entre os cerca de 1400 postulantes aos cargos de vereador nestas capitais, procuramos avaliar o uso que estes políticos fizeram da internet nas eleições municipais de outubro de 2008. Nossa hipótese básica é que as páginas “web” dos candidatos a cargos eletivos, especialmente os vereadores, serviram predominantemente para veicular práticas tradicionais de política, reforçando os vínculos personalistas e clientelistas com o eleitorado.

 

Abstract:

The purpose of this paper is to present the results of our research on Internet using by candidates for councilor in Curitiba, Florianópolis and Porto Alegre. From the examination of virtual campaign of candidates who used websites among about 1.400 applicants for the positions for its offices in these capitals, we evaluate the use of these politicians have made the Internet in municipal elections in October 2008. Our basic hypothesis is that the web pages of candidates for elected office, especially the council, served mainly to disseminate traditional political practices, strengthening personalistic and clientelistic ties with the electorate.

Keywords: online campaign; patronage; internet and politics

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sérgio Braga, Universidade Federal do Paraná

Possui graduação em Ciências Sociais pela Universidade Estadual de Campinas (1989), mestrado em Ciência Política pela Universidade Estadual de Campinas (1996) e doutorado em Desenvolvimento Econômico pela Universidade Estadual de Campinas (2008).Atualmente é professor adjunto nível IV da Universidade Federal do Paraná. 

Maria Alejandra Nicolás, Universidade Federal do Paraná

Doutoranda em Sociologia, Universidade Federal do Paraná, UFPR, Brasil. Mestre em Sociologia, Universidade Federal do Paraná, UFPR, Brasil. Especialista em Gestão de Programas, Projetos e Políticas sociais, Pontifícia Universidade Católica do Paraná, PUC, Brasil. Graduada em Ciência Política, Universidad de Buenos Aires, UBA, Argentina. Tem experiência na área de comportamento parlamentar, internet e política, processo legislativo e terceiro setor.

André Roberto Becher, Universidade Federal do Paraná

Mestre em Ciência Política pela Universidade Federal do Paraná (2011-2013). Graduado em Ciências Sociais pela UFPR (2007-2011). Experiência em Projetos/Responsabilidade Social/Terceiro Setor/Pesquisas. Na Ciência Política pesquisou na área de comportamento parlamentar, elites políticas, internet e política e processo legislativo.

Referências

AGGIO, C. “Campanhas Online: O percurso de formação das questões, problemas e configurações a partir da literatura produzida entre 1992 e 2009”. Opinião Pública, Campinas, vol. 16, p. 426-445, 2010.

AMES, B. Os entraves da democracia no Brasil. Rio de Janeiro : Fundação Getúlio Vargas, 2003.

AVELINO, G. “Clientelismo e política no Brasil. Revisitando velhos problemas”. Novos Estudos. São Paulo, n° 38, p. 225-240, 1994.

BLANCHARD, G. “O uso da internet a serviço da comunicação do partido”. Líbero, São Paulo, n° 18, p. 9-17. dez. 2006.

BLONDEL, J. “The links between western european parties and their supporters. The role of personalization”. Occasional Papers, n° 16/2005.

BRAGA, S.; CRUZ, L. C.; FRANÇA, A. S. T. “Como os políticos brasileiros estão usando a internet para se comunicar e interagir com o eleitor? Um estudo sobre o uso da internet pelos candidatos às eleições de outubro de 2006 na região sul do Brasil”. Disponível em: <http://www.periodicos.ufsc.br/index.php/politica/article/view/1692/1435>. Politica & Sociedade, vol. 6, p. 219-242, 2007.

BRAGA, S.; NICOLÁS, M. A. “The parliament and the Internet: sociopolitical profile and use of the internet by the parliamentary elites of Argentina, Brazil, Paraguay, Uruguay, Venezuela and Chile”. In: XXI IPSA World Congress of Political Science, 2009, Santiago. Anais do XXI IPSA World Congress of Political Science, 2009.

BRAGA, S.; NICOLÁS, M. A.; FRANÇA, A. S. T. “Uso da internet e oportunidades de participação política virtual nas eleições municipais de outubro de 2008 no Brasil”. Revista Debates, Porto Alegre, vol. 5, p. 117-144, 2011.

BRAGA, S.; BECHER, A. “Personalização da política e novas tecnologias: balanço do debate e evidências sobre o Brasil”. 36° Encontro da Anpocs, Águas de Lindoia, 2012

BRAGA, S.; NICOLÁS, M. A.; BECHER, A. “Clientelismo, internet e voto: a campanha online dos candidatos a vereador no Brasil Meridional no pleito de outubro de 2008”. Revista Compolítica, vol. 2, 2012.

BRANDÃO, F.; BATISTA, C. M. “Palanques virtuais: o uso de sites, e-mails e comunidades eletrônicas nas eleições de 2006. Paper apresentado no 6º encontro da ABCP realizado em Campinas, 2008.

CARVALHO, J. M. “Mandonismo, coronelismo, clientelismo: uma discussão conceitual”. Dados - Revista de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, vol. 40, n° 2, 1997.

DINIZ, E. Voto e máquina política: patronagem e clientelismo no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1982.

FARIAS, F. P. “Clientelismo e democracia capitalista: elementos para uma abordagem alternativa”. Revista de Sociologia e Política, Curitiba, n° 15, p. 49-66, nov. 2000.

FARIAS, F. P. “Clientelismo e democracia capitalista: elementos para uma abordagem alternativa”. Revista de Sociologia

e Política, Curitiba, n° 15, p. 49-66, nov. 2000.

FERNANDEZ, R. G. Campanhas Eleitorais Brasileiras na Internet. Dissertação de Mestrado apresentada ao Departamento de Ciência Política do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Estadual de Campinas. Campinas, 2005.

GOMES, W.; AGGIO, C. “Campanhas on-line: o percurso de formação de questões, problemas e configurações a partir da literatura produzida entre 1992 e 2009”. Curitiba: UPFR. Paper apresentado ao I Congresso de Pós-Graduação em Sociologia da UFPR, 2009.

IASULAITIS, S. “Internet e propaganda política no Brasil: limites e possibilidades”. Estudos de Sociologia, Araraquara,

vol. 12, n° 23, p. 153-172, 2007.

KARLSEN, R. “A platform for individualized campaign? Social media and parliamentary candidates in the 2009 Norwegian Election Campaing”. Policy and Internet, vol. 3, n° 4, 2011.

KARVONEN, L. The personalization of politics: a study of parliamenrary democracies. London: ECPR Press, 2010.

KUSCHNIR, K. et al. “Political clientelism in contemporary democracy: the case of Brasil in comparative and interdisciplinary perspective”. Oxford: Digitado. Workshop held at the Centre for Brazilian Studies at the University of Oxford on the 18th February, 2005.

LILLEKER, D., G., JACKSON, N. A Interacting and Representing: can Web 2.0 enhance the roles of an MP?. Paper apresentado ao ECPR Joint Sessions; April 2009, workshop “Parlaments, parties and politicians in cyberspace”. Lisboa, 2009.

LILLEKER, D. “Microblogging, Constituency Service and Impression Management: UK MPs and the Use of Twitter”, The Journal of Legislative Studies, vol.17, nº1, p.86-105, 2011.

MAINWARING, S, P. “Políticos, partidos e sistemas eleitorais. O Brasil numa perspectiva comparada”. Novos Estudos Cebrap, 29, p. 34-58, 1991.

MCALLISTER, I. The personalization of politics. In: DALTON, R. & KLINGEMANN, H-D. Oxford Handbook of Political Behavior,

MUGHAN, A. Media and the presidentialization of parliamentary elections. London: Palgrave NORTON, 2000.

NICOLÁS, M. A. Internet e política: graus de representação política e uso da internet pelas elites. Curitiba, Dissertação de Mestrado em Sociologia, UFPR, 2009.

NICOLAU, J. M. “Como Controlar o Representante? Considerações sobre as Eleições para a Câmara dos Deputados no Brasil”. Dados, Rio de Janeiro, vol. 45, nº 2, p. 219 a 236, 2002.

NORTON, P. “Four Models of Political Representation: British MPs and the Use of ICT”. The Journal of Legislative Studies, vol. 13, n°3, September, p 354-369, 2007.

NORRIS, P. Digital Divide: Civic Engagement, Information Poverty, and the Internet Worldwide. Cambridge: Cambridge University Press, 2001.

NUNES, E. A gramática política do Brasil: clientelismo e insulamento burocrático. Rio de Janeiro: Zahar, 1997.

OLIVEIRA, C.; TORRES, L. D.; NASCIMENTO, T. P. “Clientelismo, campanhas e facções nas eleições para prefeito no interior baiano nos tempos da internet”. Caxambu/MG: Anpocs. Paper apresentado ao GT11, Democracia, comunicação política e eleições no 32ª Encontro Nacional da Anpocs, 2008.

POGUNTKE, T., & WEBB, P. The presidentialization of politics in democratic societies. Oxford: Oxford University Press, 2005.

SANTOS, F. Teoria das decisões legislativas: microfundamentos do clientelismo político no Brasil. Rio de Janeiro. 138 f. Tese (Doutorado em Ciência Política) - IUPERJ/Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro, 1997.

SWANSON, D.; MANCINI, P. Politics, Media and Modern Democracy: An International Study of Innovations in Electoral Campaingn and Their Consequences. Westport, Connecticut: Praeger, 1996.

VELOSO, G. R. Clientelismo: uma instituição brasileira. Brasília. Dissertação de Mestrado em Ciência Política - Instituto de Ciência Política, UnB/Universidade de Brasília, 2006.

WEFFORT, F. O populismo na política brasileira. São Paulo: Paz e Terra. 3 ed., 1993.

Downloads

Publicado

2015-10-30

Como Citar

BRAGA, S.; NICOLÁS, M. A.; BECHER, A. R. Clientelismo, internet e voto: Personalismo e transferência de recursos nas campanhas online para vereador nas eleições e outubro de 2008 no Brasil. Opinião Pública, Campinas, SP, v. 19, n. 1, p. 168–197, 2015. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/op/article/view/8641444. Acesso em: 28 nov. 2021.

Edição

Seção

Artigos