Banner Portal
Nas brumas do HPGE: a imagem partidária nas campanhas presidenciais brasileiras (1989 a 2010)
PDF

Palavras-chave

Imagem partidária. Campanha eleitoral. Partidos políticos. Eleições presidenciais

Como Citar

DIAS, Marcia Ribeiro. Nas brumas do HPGE: a imagem partidária nas campanhas presidenciais brasileiras (1989 a 2010). Opinião Pública, Campinas, SP, v. 19, n. 1, p. 198–219, 2015. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/op/article/view/8641446. Acesso em: 27 maio. 2024.

Resumo

Este artigo tem como ponto de partida a análise de alguns dados coletados em estudos anteriores acerca da imagem partidária construída pelos partidos políticos brasileiros em campanhas eleitorais, incorporando dados e informações relativos às eleições presidenciais de 2010. Entretanto, não se trata de apenas adicionar novos dados a uma estrutura de análise prévia. O objetivo é construir um diagnóstico da imagem partidária que vem sendo projetada em campanhas presidenciais no Brasil, entre 1989 e 2010. A discussão dos dados quantitativos é seguida por uma análise qualitativa direcionada especificamente à campanha de 2010. O objetivo é analisar os aspectos mais relevantes do papel dos partidos políticos nas campanhas dos dois principais candidatos em disputa: Dilma Rousseff (PT) e José Serra (PSDB). A discussão sobre o papel do PSDB na candidatura de José Serra centrou-se no discurso antipartidário empreendido pela campanha televisiva. A discussão sobre o papel do PT na candidatura de Dilma Rousseff centrou-se na participação do Presidente Lula em sua campanha na televisão, analisando o papel da liderança na dinâmica eleitoral contemporânea.

 

Abstract:

This article has as its starting point the analysis of some data collected in previous studies about the partisan image built by Brazilian political parties in electoral campaigns, adding data and information from the 2010 presidential elections. However, it is not only adding new data to a prior analysis. The goal is to build a diagnosis of partisan image which has been projected in presidential campaigns in Brazil, between 1989 and 2010. The discussion of the quantitative data is followed by a qualitative analysis related specifically to the 2010 campaign. The objective is to analyze the most relevant aspects of the role of political parties in the campaigns of the two leading candidates in contention: Dilma Rousseff (PT) and Jose Serra (PSDB). The discussion on the role of the PSDB in the candidacy of Jose Serra has focused on anti-party discourse undertaken by his television campaign. The discussion on the role of PT in the candidacy of Dilma Rousseff has focused at the President Lula's participation in her campaign on television, analyzing the role of leadership in contemporary electoral dynamics.

Keywords: partisan image; electoral campaign; political parties; presidential elections

PDF

Referências

AARTS, K.; BLAIS, A. Pull or Push? The Relative Impact of Positive and Negative Leader Evaluations on Vote Choice. In: AARTS, K.; BLAIS, A.; SCHIMITT, H. (orgs.). Political Leaders and Democratic Elections. Oxford: Oxford University Press, 2011.

AARDAL, B.; BINDER, T. Leader Effects and Party Characteristics. In: AARTS,K.; BLAIS, A.; SCHIMITT, H. (orgs.). Political Leaders and Democratic Elections. Oxford: Oxford University Press, 2011.

ALBUQUERQUE, A. "Política versus Televisão: O Horário Gratuito na Campanha Presidencial de 1994". Comunicação & Política, vol. 1, nº 3, p. 49-54, 1995.

ALBUQUERQUE, A. Aqui você vê a verdade na tevê – A propaganda política na televisão. Niterói: Publicações do Mestrado em Comunicação, Imagem e Informação – UFF, 1999.

ALBUQUERQUE, A.; DIAS, M. R. “Propaganda Política e Construção da Imagem Partidária no Brasil”. Civitas, vol. 2, nº 2, p.309-326, 2002a.

ALBUQUERQUE, A. “Partidos Políticos em Campanha: Notas para uma metodologia de análise da propaganda política na televisão”. Anais da XVI ANPOCS, Caxambu, MG, 2002b.

ALBUQUERQUE, A.; STEIBEL, F. B.; CARNEIRO, C. M. Z. “A Outra Face do Horário Gratuito: Partidos Políticos e Eleições Proporcionais na Televisão”, Dados, vol. 51, p. 459-487, 2008.

AMES, B.; POWER, T. Parties and Governability in Brazil. In: WEBB, P. & WHITE, S. (orgs.). Party Politics in New Democracies. Oxford: Oxford University Press, 2009.

CERVI, E. U. “O uso do HGPE como recurso partidário em eleições proporcionais no Brasil: um instrumento de análise de conteúdo”. Opinião Pública, Campinas, vol. 17, n° 1, jun. 2011.

CERVI, E. U.; MASSUCHIN, M. G.; TAVARES, C. Q. “Agenda da mídia, dos políticos e do público na campanha eleitoral de 2010”. Revista Debates, Porto Alegre, vol. 6, n° 1, p.237-261, jan.-abr. 2012.

DALTON, R. J.; MCALLISTER, I.; WATTEMBERG, M. P. The Consequences of Partisan Dealignment. In: DALTON, R. J.; WATTENBERG, M. P. (orgs.). Parties without Partisans. Political Change in Advanced Industrial Democracies. Oxford: Oxford University Press, 2009.

DESCHOWER, K. “Political Parties and Democracy: a Mutual Murder?” European Journal of Political Research, vol. 29, p. 263-278, 1996.

DIAS, M. R. “Projeção da imagem partidária nas estratégias de campanha na televisão: uma análise do HGPE 2002”. Dados, Rio de Janeiro, vol. 48, n° 1, p. 147-183, 2005.

DIAS, M. R. “Republicanismo Adjetivado: as dimensões aristocrática e democrática nos discursos da campanha presidencial brasileira de 2006”. Revista Compolítica, vol. 2, n° 1, jan-jun. 2012.

FIGUEIREDO, M.; ALDÉ, A.; DIAS, H. & JORGE, V. L. Estratégias de Persuasão em Eleições Majoritárias: Uma Proposta Metodológica para o Estudo da Propaganda Política. In: FIGUEIREDO, R. (Org.). Marketing Político e Persuasão Eleitoral. São Paulo: Fundação Konrad Adenauer, 2000.

FIGUEIREDO, R.; COUTINHO, C. “A eleição de 2002”. Opinião Pública, Campinas, vol. 9, n° 2, out. 2003.

GIBSON, R.; RÖMMELE, A. “Changing Campaign Communications: a party-centered theory of professionalized campaigning”. Harvard International Journal of Press Politics, vol. 6, nº 4, p. 31-43, 2001.

HOLMBERG, S.; OSCARSSOM, H. Party Leaders Effects on Vote. In: AARTS, K.; BLAIS, A.; SCHIMITT, H. (orgs.). Political Leaders and Democratic Elections. Oxford: Oxford University Press, 2011.

IGNAZI, P. “The Intellectual Basis of Right Wing Anti-Partyism”. European Journal of Political Research, vol. 29, p. 279-296, 1996.

KINGSTONE, P.; POWER, T. Democratic Brazil Revisited. Pittsburgh: University of Pittsburgh Press, 2008.

LOURENÇO, L. C. “HGPE e Intenção de voto: observações sobre as eleições de 1998 ao governo de São Paulo e à Presidência da República”. In: XI Congresso dos Sociólogos do Estado de São Paulo, PUC-SP, 2001.

LOURENÇO, L. C. “Propaganda negativa: ataque versus votos nas eleições presidenciais de 2002”. Opinião Pública, Campinas, vol. 15, n° 1, jun. 2009.

MCCOMBS, M.; SHAW, D. “The agenda-setting function of mass media”. Public Opinion Quaterly, New York, vol. 36, nº 2, p. 176-87, 1972.

MIGUEL, L. F. “Discursos cruzados: telenoticiários, HGPE e a construção da agenda eleitoral”. Porto Alegre: Sociologias, ano 6, nº 11, p. 238-258, jan/jun. 2004.

NEGRINE, R. M.; LILLEKER, D.G. “The Professionalization of Political Communication: continuities and change in media practices”. European Journal of Political Communication, vol. 17, nº 3, p. 305-323, 2002.

NICOLAU, J.; POWER, T. Instituições Representativas no Brasil: Balanço e Reforma. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2007.

PLASSER, F. “Parties’ Diminishing Relevance for Campaing Professionals”. Harvard International Journal of Press Politics, vol. 6, nº 4, p. 44-59, 2001.

POGUNTKE, T. “Anti-Party Sentiment – Conceptual Thoughts and Empirical Evidence: Explorations into a Minefield”. European Journal of Political Research, vol. 29, p. 319-344, 1996.

POGUNTKE, T.; SCARROW, S. E. “The Politics of Anti-Party Sentiment: Introduction”. European Journal of Political Research, vol. 29, p. 257-262, 1996.

RÖMMELE, A. “Political Parties, Party Communication and New Information and Communication Technologies”. Party Politics, vol. 9, nº 1, p. 7-20, 2003.

SAMUELS, D. “Determinantes do voto partidário em sistemas eleitorais centrados no candidato: evidências sobre o Brasil”. Dados, Rio de Janeiro, vol. 40, 1997.

SCHIMITT, R.; CARNEIRO, L. P.; KUSCHNIR, K. “Estratégias de campanha no horário gratuito de propaganda eleitoral em eleições proporcionais”. Dados, Rio de Janeiro, vol. 42, n° 2, 1999.

VEIGA, L. F. Em Busca de Razões para o Voto: o uso que o homem comum faz do Horário Eleitoral. 2001. Rio de Janeiro, 246 f. Tese (Doutorado em Ciência Política), IUPERJ, 2001.

WATTEMBERG, M. P. US Party Leaders: Exploting the Meaning of Candidate-Centered Politics. In: AARTS, K.; BLAIS, A.; SCHIMITT, H. (orgs.). Political Leaders and Democratic Elections. Oxford: Oxford University Press, p. 76-90, 2011.

WEBB, P. D. “A partisanship and anti-party sentiment in the United Kingdom. Correlates and constraints. European Journal of Political Research, vol. 29, issue 3, 1996.

A Opinião Pública utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.