Petismo e lulismo na periferia de São Paulo: uma abordagem qualitativa

Autores

  • Camila Rocha Universidade de São Paulo

Palavras-chave:

Lulismo. Petismo. São Paulo. Cultura política.

Resumo

O objetivo do presente artigo é analisar as percepções políticas e as escolhas eleitorais de eleitores da periferia de São Paulo que ascenderam socialmente durante os governos Lula, tendo em vista o declínio do petismo e o surgimento do lulismo. Eles teriam relacionado sua ascensão social com as políticas governamentais dos governos Lula? Seriam lulistas? Caso fossem, o que isso significaria e qual impacto teria em suas percepções acerca do Partido dos Trabalhadores? De acordo com os dados levantados a partir de uma série de entrevistas em profundidade realizadas junto a moradores do bairro da Brasilândia entre 2011 e 2013, as motivações da preferência pelo PT e/ou por Lula não foram de ordem material, mas sim de ordem simbólica, tendo em vista os benefícios recebidos pela população mais pobre que habita o Nordeste brasileiro. Contudo, a despeito de tal identificação, a adesão ao PT e ao lulismo na periferia possui fragilidades importantes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Camila Rocha, Universidade de São Paulo

Possui graduação em Ciências Sociais pela Universidade de São Paulo (2010) e mestrado em Ciência Política pela Universidade de São Paulo (2013). Atualmente é doutoranda em Ciência Política pela Universidade de São Paulo. Membro do Grupo de Trabalho Derechas contemporáneas: dictaduras y democracias (CLACSO) e do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia para Estudos sobre os Estados Unidos (INCT-INEU), tem experiência na área de Sociologia Política com ênfase em cultura política; comportamento político e sociedade civil.

Referências

BRAGA, R. A política do precariado:do populismo à hegemonia lulista. São Paulo: Boitempo Editorial, 2012.

BRAGA, R. A pulsão plebeia. Trabalho, precariedade e rebeliões sociais. São Paulo: Alameda, 2015.

CABANES, R.,et al. (orgs.). Saídas de emergência. Ganhar/perder a vida na periferia de São Paulo. São Paulo: Boitempo Editorial, 2011.

COHN, A. Cartas ao presidente Lula: Bolsa Família e direitos sociais. São Paulo: Azougue, 2012.

COSTA, H. “Entre o lulismo e o ceticismo: um estudo de caso com prounistas de São Paulo”. Dissertação de Mestrado, FFLCH-USP, São Paulo, 2015.

DINIZ, E.;BOSCHI, R. Empresários, interesses e mercado. Dilemas do desenvolvimento no Brasil. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2004.

FELTRAN, G. S. Desvelar a política na periferia: histórias de movimentos sociais em São Paulo. São Paulo: Humanitas, 2005.

FELTRAN, G. S. Fronteiras de tensão: política e violência nas periferias de São Paulo. São Paulo: EditoraUnesp, 2011.

FRIZZO, D. “Da classe média à periferia? O PT nas eleições municipais paulistanas (1996-2012)”. Dissertação de Mestrado, FFLCH-USP, São Paulo, 2013.

HARVEY, D. Cidades rebeldes. Do direito à cidade à revolução urbana. São Paulo: Martins Fontes, 2014.

HUNTER, W.;POWER, T. “Rewarding Lula: Executive Power, social policy and the Brazilian elections of 2006”. Latin American Politics and Society, vol.49,n° 1, p.1-30, 2007.

KATZ, R.; MAIR, P. “Changing models of party organization and party democracy: the emergence of the cartel party”. PartyPolitics, vol. 1, n° 1, p.5-28, 1995.

KERBAUY, M. T. “Os programas de transferência de renda e o voto regional nas eleições presidenciais de 2010”. Opinião Pública, vol. 17, n° 2, p. 477-492, 2011.

KIRCHHEIMER, O. “The transformation of the Western European party systems”.Political Parties and Political Development, p.177-200, 1966.

KOWARICK, L. Escritosurbanos. São Paulo: Editora 34, 2000.

LAMOUNIER, B.; SOUZA, A. A classe média brasileira: ambições, valores e projetos de sociedade. São Paulo:Elsevier, 2010.

LIMONGI, F.; MESQUITA, L. “Estratégia partidária e preferência dos eleitores: as eleições municipais em São Paulo entre 1985 e 2004”. Novos Estudos Cebrap, nº 81, p. 49-67, 2008.

MACEDO, C. C. Tempo de gênesis: o povo das Comunidades Eclesiais de Base. São Paulo: Brasiliense, 1986.

MAINWARING, S.; MENEGUELLO, R.; POWER, T. Partidos conservadores no Brasil contemporâneo: quais são, o que defendem, quais são suas bases. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2000.

NERI, M. (coord.).A nova classe C. Rio de Janeiro: FGV/Ibre, CPS, 2008.

PANEBIANCO, A. Modelos de partido: organização e poder nos partidos políticos. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

PATTA. C. “Contestando a ordem: um estudo de caso com secundaristas da Zona Leste paulistana”. Dissertação de Mestrado em Ciência Política, FFLCH-USP, São Paulo, 2017.

PAVEZ, T. “Crime, trabalho e política: um estudo de caso entre jovens da periferia de São Paulo”. Tese de Doutorado, FFLCH-USP, São Paulo, 2015.

PEIXOTO, V.; RENNÓ, L. “Mobilidade social ascendente e voto: as eleições presidenciais de 2010 no Brasil”. Opinião Pública, vol. 17, n° 2, p. 304-332, 2011.

POCHMANN, M. Nova classe média? O trabalho na base da pirâmide social brasileira. São Paulo: Boitempo Editorial, 2012.

POWER, T. Political right in postauthoritarianBrazil: elites, institutions, and democratization. University Park: Penn State Press, 1997.

REGO, W.; PINZANI, A. Vozes do Bolsa Família: autonomia, dinheiro e cidadania. São Paulo: Editora Unesp, 2013.

SAMUELS, D. “As bases do petismo”. Opinião Pública, vol. 10, n° 2, p. 221-241, 2004.

SAVAGE, M. Classe e história do trabalho. In:BATALHA, C.; SILVA, F.; FORTES, A. (orgs.).Culturas de classe. Campinas: Editora daUnicamp, 2004.

SECCO, L. História do PT. Cotia: Ateliê Editorial, 2011.

SIMONIJR., S. “Competição eleitoral e política distributiva no Brasil: (re)avaliando o efeito dos programas de transferência de renda”. Anais Eletrônicos do 10º Encontro da ABCP, 2016.

SINGER, A. Esquerda e direita no eleitorado brasileiro: a identificação ideológica nas disputas presidenciais de 1989 e 1994. São Paulo: Edusp, 2000.

SINGER, A. Os sentidos do lulismo. Reforma gradual e pacto conservador. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

SOFIATI, F. M. “Tendências católicas: perspectivas do cristianismo da libertação”. Estudos de Sociologia, vol. 14, n° 26, 2009.

SOUZA, J. Os batalhadores brasileiros: nova classe média ou nova classe trabalhadora?. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010.

STANDING, G. O precariado. A nova classe perigosa. São Paulo: Autêntica Editora, 2013.

TERRON, S.; SOARES, G. “As bases eleitorais de Lula e do PT: do distanciamento ao divórcio”.Opinião Pública, vol. 16, n° 2, p. 310-337, 2010.

VENTURI, G. “PT 30 anos: crescimento e mudanças na preferência partidária”.Perseu, vol. 5, n° 200, p.196-214, 2010.

ZUCCO, C. “When payouts pay off: conditional cash transfers and voting behavior in Brazil 2002-2010”. American Journal of Political Science, vol. 57, n° 4, p. 810-822, 2013.

Downloads

Publicado

2018-04-23

Como Citar

ROCHA, C. Petismo e lulismo na periferia de São Paulo: uma abordagem qualitativa. Opinião Pública, Campinas, SP, v. 24, n. 1, p. 29–52, 2018. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/op/article/view/8652275. Acesso em: 2 dez. 2021.

Edição

Seção

Artigos