Gênero e humor nas redes sociais: a campanha contra Dilma Rousseff no Brasil

Autores

Palavras-chave:

Dilma Rousseff. Gênero. Humor. Redes sociais. Representação política.

Resumo

Este artigo tem como corpus analítico um conjunto de 69 memes contrários a Dilma Rousseff que viralizaram na web brasileira entre junho de 2014 e agosto de 2016 e investiga os conteúdos mobilizados durante a campanha pública em favor do golpe parlamentar ocorrido no Brasil em 2016. A análise dessas produções, enquanto ferramentas nas disputas políticas que culminaram no golpe, é uma forma de interpretar as dinâmicas contemporâneas da política brasileira e o próprio lugar conferido à figura da mulher e do feminino no espaço público. O acervo coletado revela que a comicidade se constrói, em larga medida, sobre as desigualdades de gênero e, ao não problematizar tal enquadramento subjacente, o reforça. Enquanto estratégia analítica, propomos a classificação dos memes em quatro chaves interpretativas inspiradas na teoria política feminista: (1) despersonalização ou invisibilização; (2) humilhação ou ridicularização; (3) objetificação ou sexualização; e (4) agressão ou violência. Ao identificar os dispositivos que sustentam a comicidade a partir de parâmetros discursivos compartilhados, a pesquisa demonstra como a dimensão generificada do humor político mobilizou estereótipos sexistas e misóginos que não apenas atingiram Dilma Rousseff, mas reforçaram o próprio lugar simbólico das mulheres na política nacional.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fagner Carniel, Universidade Estadual de Maringá

Professor adjunto do Departamento de Ciências Humanas, Universidade Estadual de Maringá. Maringá, Paraná, Brasil.

Lennita Ruggi, Universidade Federal do Paraná

Departamento de Educação, Universidade Federal do Paraná. Curitiba, Paraná, Brasil.

Júlia de Oliveira Ruggi, Universidade Federal do Paraná

Departamento de Ciência Política, Universidade Federal do Paraná. Curitiba, Paraná, Brasil.

Referências

ARANTES, P. (dir.). O riso dos outros. Documentário. Prod. e exib. TV Câmara. Brasil, 2012 (52min.).

ARAÚJO, C. “Partidos políticos e gênero: mediações nas rotas de ingresso das mulheres na representação política”. Revista de Sociologia e Política, nº 24, p. 193-215, 2005.

ARAÚJO, C. “Rotas de ingresso, trajetórias e acesso das mulheres ao Legislativo: um estudo comparado entre Brasil e Argentina”. Revista Estudos Feministas, vol. 18, nº 2, p. 567-584, 2010.

ARAUJO, C. M.; COSTA, S. F.; FITTIPALDI, Í. “Boa noite, e boa sorte: determinantes da demissão de ministros envolvidos em escândalos de corrupção no primeiro governo Dilma Rousseff”. Opinião Pública, vol. 22, nº 1, p. 93-117, 2016.

ÅS, B. The five master suppression techniques. In: EVENGÅRD, B. (ed.). Women in white: the European outlook. Stockholm: Stockholm City Council, p. 78-83, 2004.

BAUCKHAGE, C. Insights into internet memes. Proceedings Fifth International Association for the Advancement of Artificial Intelligence: Conference on Weblogs and Social Media. Bonn, 2011. Disponível em: https://www.aaai.org/ocs/index.php/ICWSM/ICWSM11/paper/view/2757/3304. Acesso em: 6 jun. 2017.

BEAUVOIR, S. O segundo sexo: fatos e mitos. São Paulo: Difusão Europeia do Livro, 1960.

BECKER, P. V. Ciberativismo e o “Direito achado na rede”: o ciberespaço como plataforma de inteligência coletiva e enfrentamentos na luta feminista. In: SOUSA JÚNIOR, J. G., et al. (orgs.). Direito achado na rua. Vol. 8: Introdução crítica ao direito à comunicação e à informação. Brasília: FAC-UnB, p. 306-316, 2017.

BERGER, J. Modos de ver. Rocco: Rio de Janeiro, 1999.

BERGER, P. O riso redentor: a dimensão cômica da experiência humana. Petrópolis: Vozes, 2017.

BERGSON, H. O riso: ensaio sobre a significação da comicidade. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

BEZERRA, H. D.; MUNDIM, P. S. “Qual foi o papel das variáveis midiáticas na eleição presidencial de 2010?”. Opinião Pública, vol. 17, nº 2, p. 452-476, 2011.

BORDO, S. Twilight zones. Berkeley/Los Angeles/London: University of California Press, 1999.

BRAGA, M. S. S.; CASALECCHI, G. A. “Vencedores e perdedores nas eleições presidenciais de 2014: o efeito da derrota nas urnas sobre a satisfação e o apoio em relação à democracia no Brasil”. Opinião Pública, vol. 22, nº 3, p. 550-568, 2016.

BRAH, A. “Diferença, diversidade, diferenciação”. Cadernos Pagu, nº 26, p. 329-376, 2006.

BURROUGHS, B. “Obama trolling: memes, salute sandan agonistic politics in the 2012 presidential election”. The Fibre Culture Journal, vol. 22, p. 258-277, 2013.

BUTLER, J. Gender trouble: feminism and the subversion of identity. New York: Routledge, 1999.

CAMPOS, L. A.; MIGUEL, L. F. “O 8 de março no Congresso: representações da condição feminina no discurso parlamentar”. Cadernos Pagu, nº 31, p. 471-508, 2008.

CERTEAU, M. A invenção do cotidiano: artes de fazer. Rio de Janeiro: Vozes, 1996.

CHAGAS, V., et al. “A política dos memes e os memes da política: proposta metodológica de análise de conteúdo de memes dos debates eleitorais de 2014”. Intexto, Porto Alegre, nº 38, p. 173-196, 2017.

FEDERICI, S. Calibã e a bruxa: mulheres, corpo e acumulação primitiva. São Paulo: Tradução Coletivo Sicorax, 2004.

FERREIRA, C. B. C. “Feminismos web: linhas de ação e maneiras de atuação no debate feminista contemporâneo”. Cadernos Pagu, Campinas, nº 44, p. 199-228, 2015.

FINAMORE, C. M.; CARVALHO, J. E. C. “Mulheres candidatas: relações entre gênero, mídia e discurso”. Revista Estudos Feministas, vol. 14, nº 2, p. 347-362, 2006. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ref/v14n2/a02v14n2.pdf. Acesso em: 6 jul. 2017.

FREIRE, F. “Uma breve reflexão sobre memes políticos, humor e conversação cotidiana informal”. Em Debate, Belo Horizonte, vol. 8, nº 6, p. 34-40, 2016.

GADSBY, H. (rot.). Nanette. Espetáculo de stand-up. Dist. Netflix. Austrália, 2017 (69 min.).

HOOKS, B. Talking back: thinking feminist, thinking black. Canada: Between the Lines, 1989.

LOPES, P. C. “‘As expressões nervosas da presidente’: estereótipos de gênero na revista IstoÉ e a repercussão com a hashtag #IstoÉMachismo”. XXXIX Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, 2016. Disponível em: http://portalintercom.org.br/anais/nacional2016/resumos/R11-0893-1.pdf. Acesso em: 8 set. 2018.

MARQUES, F. P. J. A.; AQUINO, J. A.; MIOLA, E. “Parlamentares, representação política e redes sociais digitais: perfis de uso do Twitter na Câmara dos Deputados”. Opinião Pública, vol. 20, nº 2, p. 178203, 2014.

MIGUEL, L. F. “Perspectivas sociais e dominação simbólica: a presença política das mulheres entre Iris Marion Young e Pierre Bourdieu”. Revista de Sociologia e Política, vol. 18, nº 36, p. 25-49, 2010.

MIGUEL, L. F.; BIROLI, F. “Mídia e representação política feminina: hipóteses de pesquisa”. Opinião Pública, vol. 15, nº 1, p. 55-81, 2009.

MIGUEL, L. F.; FEITOSA, F. “O gênero do discurso parlamentar: mulheres e homens na tribuna da Câmara dos Deputados”. Dados, Rio de Janeiro, vol. 52, nº 1, p. 201-221, mar. 2009.

MIGUEL, L. F.; MARQUES, D.; MACHADO, C. “Capital familiar e carreira política no Brasil: gênero, partido e região nas trajetórias para a Câmara dos Deputados”. Dados, vol. 58, nº 3, p. 721-747, 2015.

MISKOLCI, R. “Novas conexões: notas teórico-metodológicas para pesquisas sobre o uso de mídias digitais”. Cronos, vol. 12, nº 2, p. 9-22, 2011.

NICOLAU, J. “Determinantes do voto no primeiro turno das eleições presidenciais brasileiras de 2010: uma análise exploratória”. Opinião Pública, vol. 20, nº 3, p. 311-325, 2014.

PANKE, L. Campanhas eleitorais para mulheres: desafios e tendências. Curitiba: Editora UFPR, 2016.

PANKE, L.; IASULAITIS, S. “Mulheres no poder: aspectos sobre o discurso feminino nas campanhas eleitorais”. Opinião Pública, vol. 22, nº 2, p. 385-417, 2016.

PHILLIPS, A. “O que há de errado com a democracia liberal?”. Revista Brasileira de Ciência Política, Brasília, nº 6, p. 339-363, 2011.

RECUERO, R. “O Twitter como esfera pública: como foram descritos os candidatos durante os debates presidenciais do 2º turno de 2014?”. Revista Brasileira de Linguística Aplicada, vol. 16, nº 1, p. 157180, 2016.

RECUERO, R.; BITTENCOURT, M. C. A.; ZAGO, G. “O discurso de veículos jornalísticos e a repercussão da audiência no Twitter sobre os protestos de 15 de março de 2015 no Brasil”. Intercom: Revista Brasileira de Ciências da Comunicação, vol. 39, nº 3, p. 115-134, 2016.

RENNÓ, L.; AMES, B. “PT no purgatório: ambivalência eleitoral no primeiro turno das eleições presidenciais de 2010”. Opinião Pública, vol. 20, nº 1, p. 1-25, 2014.

RENTSCHLER, C. A.; THRIFT, S. C. “Doing feminism in the network: Networked laughter and the ‘Binders Full of Women’ meme”. Feminist Theory, SAGE Journals On-line, vol. 16, nº 3, p. 329-359, Dec. 2015. Artigo publicado pela primeira vez on-line em: 18 set. 2015.

REZENDE, D. L. “Desafios à representação política de mulheres na Câmara dos Deputados”. Revista Estudos Feministas, vol. 25, nº 3, p. 1.199-1.218, 2017.

ROCHA, N. G.; BAPTISTA DA SILVA, P. V. “Representação do negro na publicidade paranaense – o ‘olhar’ sobre as agências publicitárias”. Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros Neab-UFPR, Curitiba, 2006.

ROSSI, T. C. “Feminilidade e suas imagens em mídias digitais: questões para pensar gênero e visualidade no século XXI”. Tempo Social, vol. 29, nº 1, p. 234-255, 2017.

SACCHET, T. “Capital social, gênero e representação política no Brasil”. Opinião Pública, vol. 15, nº 2, p. 306-332, 2009.

SEGURADO, R. “A agenda da multidão e o webativismo na cidade de São Paulo”. História Ciências Saúde Manguinhos, vol. 22, supl., p. 1.673-1.691, 2015.

SHIFMAN, L. Memes in digital culture. Cambridge: MIT Press, 2014.

TOSOLD, L. Do problema do essencialismo a outra maneira de se fazer política. In: BIROLI, F.; MIGUEL, L. F. (orgs.). Teoria política e feminismo: abordagens brasileiras. Vinhedo: Horizonte, p. 189-209, 2012.

VICENTE, D.; MARIA, L. “Histórias insurgentes: feministas vadias e tecnologias digitais”. Esferas: Revista Interprogramas de Pós-Graduação em Comunicação do Centro-Oeste, ano IV, vol. 4, nº 7, p. 163-172, 2015.

YOUNG, I. M. “Representação política, identidade e minorias”. Lua Nova, nº 67, p. 139-190, 2006.

YOUNG, I. M. “Thinking about women as a social collective”. Signs, vol. 19, nº 3, p. 713-738, [1994] 2012.

YOUNG, I. M. “Desafios ativistas à democracia deliberativa”. Revista Brasileira de Ciência Política, nº 13, p. 187-212, 2014.

Downloads

Publicado

2018-12-17

Como Citar

CARNIEL, F.; RUGGI, L.; RUGGI, J. de O. Gênero e humor nas redes sociais: a campanha contra Dilma Rousseff no Brasil. Opinião Pública, Campinas, SP, v. 24, n. 3, p. 523–546, 2018. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/op/article/view/8654293. Acesso em: 27 nov. 2021.

Edição

Seção

Artigos