Banner Portal
Gênero e humor nas redes sociais: a campanha contra Dilma Rousseff no Brasil
PDF

Palavras-chave

Dilma Rousseff. Gênero. Humor. Redes sociais. Representação política.

Como Citar

CARNIEL, Fagner; RUGGI, Lennita; RUGGI, Júlia de Oliveira. Gênero e humor nas redes sociais: a campanha contra Dilma Rousseff no Brasil. Opinião Pública, Campinas, SP, v. 24, n. 3, p. 523–546, 2018. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/op/article/view/8654293. Acesso em: 24 maio. 2024.

Resumo

Este artigo tem como corpus analítico um conjunto de 69 memes contrários a Dilma Rousseff que viralizaram na web brasileira entre junho de 2014 e agosto de 2016 e investiga os conteúdos mobilizados durante a campanha pública em favor do golpe parlamentar ocorrido no Brasil em 2016. A análise dessas produções, enquanto ferramentas nas disputas políticas que culminaram no golpe, é uma forma de interpretar as dinâmicas contemporâneas da política brasileira e o próprio lugar conferido à figura da mulher e do feminino no espaço público. O acervo coletado revela que a comicidade se constrói, em larga medida, sobre as desigualdades de gênero e, ao não problematizar tal enquadramento subjacente, o reforça. Enquanto estratégia analítica, propomos a classificação dos memes em quatro chaves interpretativas inspiradas na teoria política feminista: (1) despersonalização ou invisibilização; (2) humilhação ou ridicularização; (3) objetificação ou sexualização; e (4) agressão ou violência. Ao identificar os dispositivos que sustentam a comicidade a partir de parâmetros discursivos compartilhados, a pesquisa demonstra como a dimensão generificada do humor político mobilizou estereótipos sexistas e misóginos que não apenas atingiram Dilma Rousseff, mas reforçaram o próprio lugar simbólico das mulheres na política nacional.
PDF

Referências

ARANTES, P. (dir.). O riso dos outros. Documentário. Prod. e exib. TV Câmara. Brasil, 2012 (52min.).

ARAÚJO, C. “Partidos políticos e gênero: mediações nas rotas de ingresso das mulheres na representação política”. Revista de Sociologia e Política, nº 24, p. 193-215, 2005.

ARAÚJO, C. “Rotas de ingresso, trajetórias e acesso das mulheres ao Legislativo: um estudo comparado entre Brasil e Argentina”. Revista Estudos Feministas, vol. 18, nº 2, p. 567-584, 2010.

ARAUJO, C. M.; COSTA, S. F.; FITTIPALDI, Í. “Boa noite, e boa sorte: determinantes da demissão de ministros envolvidos em escândalos de corrupção no primeiro governo Dilma Rousseff”. Opinião Pública, vol. 22, nº 1, p. 93-117, 2016.

ÅS, B. The five master suppression techniques. In: EVENGÅRD, B. (ed.). Women in white: the European outlook. Stockholm: Stockholm City Council, p. 78-83, 2004.

BAUCKHAGE, C. Insights into internet memes. Proceedings Fifth International Association for the Advancement of Artificial Intelligence: Conference on Weblogs and Social Media. Bonn, 2011. Disponível em: https://www.aaai.org/ocs/index.php/ICWSM/ICWSM11/paper/view/2757/3304. Acesso em: 6 jun. 2017.

BEAUVOIR, S. O segundo sexo: fatos e mitos. São Paulo: Difusão Europeia do Livro, 1960.

BECKER, P. V. Ciberativismo e o “Direito achado na rede”: o ciberespaço como plataforma de inteligência coletiva e enfrentamentos na luta feminista. In: SOUSA JÚNIOR, J. G., et al. (orgs.). Direito achado na rua. Vol. 8: Introdução crítica ao direito à comunicação e à informação. Brasília: FAC-UnB, p. 306-316, 2017.

BERGER, J. Modos de ver. Rocco: Rio de Janeiro, 1999.

BERGER, P. O riso redentor: a dimensão cômica da experiência humana. Petrópolis: Vozes, 2017.

BERGSON, H. O riso: ensaio sobre a significação da comicidade. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

BEZERRA, H. D.; MUNDIM, P. S. “Qual foi o papel das variáveis midiáticas na eleição presidencial de 2010?”. Opinião Pública, vol. 17, nº 2, p. 452-476, 2011.

BORDO, S. Twilight zones. Berkeley/Los Angeles/London: University of California Press, 1999.

BRAGA, M. S. S.; CASALECCHI, G. A. “Vencedores e perdedores nas eleições presidenciais de 2014: o efeito da derrota nas urnas sobre a satisfação e o apoio em relação à democracia no Brasil”. Opinião Pública, vol. 22, nº 3, p. 550-568, 2016.

BRAH, A. “Diferença, diversidade, diferenciação”. Cadernos Pagu, nº 26, p. 329-376, 2006.

BURROUGHS, B. “Obama trolling: memes, salute sandan agonistic politics in the 2012 presidential election”. The Fibre Culture Journal, vol. 22, p. 258-277, 2013.

BUTLER, J. Gender trouble: feminism and the subversion of identity. New York: Routledge, 1999.

CAMPOS, L. A.; MIGUEL, L. F. “O 8 de março no Congresso: representações da condição feminina no discurso parlamentar”. Cadernos Pagu, nº 31, p. 471-508, 2008.

CERTEAU, M. A invenção do cotidiano: artes de fazer. Rio de Janeiro: Vozes, 1996.

CHAGAS, V., et al. “A política dos memes e os memes da política: proposta metodológica de análise de conteúdo de memes dos debates eleitorais de 2014”. Intexto, Porto Alegre, nº 38, p. 173-196, 2017.

FEDERICI, S. Calibã e a bruxa: mulheres, corpo e acumulação primitiva. São Paulo: Tradução Coletivo Sicorax, 2004.

FERREIRA, C. B. C. “Feminismos web: linhas de ação e maneiras de atuação no debate feminista contemporâneo”. Cadernos Pagu, Campinas, nº 44, p. 199-228, 2015.

FINAMORE, C. M.; CARVALHO, J. E. C. “Mulheres candidatas: relações entre gênero, mídia e discurso”. Revista Estudos Feministas, vol. 14, nº 2, p. 347-362, 2006. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ref/v14n2/a02v14n2.pdf. Acesso em: 6 jul. 2017.

FREIRE, F. “Uma breve reflexão sobre memes políticos, humor e conversação cotidiana informal”. Em Debate, Belo Horizonte, vol. 8, nº 6, p. 34-40, 2016.

GADSBY, H. (rot.). Nanette. Espetáculo de stand-up. Dist. Netflix. Austrália, 2017 (69 min.).

HOOKS, B. Talking back: thinking feminist, thinking black. Canada: Between the Lines, 1989.

LOPES, P. C. “‘As expressões nervosas da presidente’: estereótipos de gênero na revista IstoÉ e a repercussão com a hashtag #IstoÉMachismo”. XXXIX Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, 2016. Disponível em: http://portalintercom.org.br/anais/nacional2016/resumos/R11-0893-1.pdf. Acesso em: 8 set. 2018.

MARQUES, F. P. J. A.; AQUINO, J. A.; MIOLA, E. “Parlamentares, representação política e redes sociais digitais: perfis de uso do Twitter na Câmara dos Deputados”. Opinião Pública, vol. 20, nº 2, p. 178203, 2014.

MIGUEL, L. F. “Perspectivas sociais e dominação simbólica: a presença política das mulheres entre Iris Marion Young e Pierre Bourdieu”. Revista de Sociologia e Política, vol. 18, nº 36, p. 25-49, 2010.

MIGUEL, L. F.; BIROLI, F. “Mídia e representação política feminina: hipóteses de pesquisa”. Opinião Pública, vol. 15, nº 1, p. 55-81, 2009.

MIGUEL, L. F.; FEITOSA, F. “O gênero do discurso parlamentar: mulheres e homens na tribuna da Câmara dos Deputados”. Dados, Rio de Janeiro, vol. 52, nº 1, p. 201-221, mar. 2009.

MIGUEL, L. F.; MARQUES, D.; MACHADO, C. “Capital familiar e carreira política no Brasil: gênero, partido e região nas trajetórias para a Câmara dos Deputados”. Dados, vol. 58, nº 3, p. 721-747, 2015.

MISKOLCI, R. “Novas conexões: notas teórico-metodológicas para pesquisas sobre o uso de mídias digitais”. Cronos, vol. 12, nº 2, p. 9-22, 2011.

NICOLAU, J. “Determinantes do voto no primeiro turno das eleições presidenciais brasileiras de 2010: uma análise exploratória”. Opinião Pública, vol. 20, nº 3, p. 311-325, 2014.

PANKE, L. Campanhas eleitorais para mulheres: desafios e tendências. Curitiba: Editora UFPR, 2016.

PANKE, L.; IASULAITIS, S. “Mulheres no poder: aspectos sobre o discurso feminino nas campanhas eleitorais”. Opinião Pública, vol. 22, nº 2, p. 385-417, 2016.

PHILLIPS, A. “O que há de errado com a democracia liberal?”. Revista Brasileira de Ciência Política, Brasília, nº 6, p. 339-363, 2011.

RECUERO, R. “O Twitter como esfera pública: como foram descritos os candidatos durante os debates presidenciais do 2º turno de 2014?”. Revista Brasileira de Linguística Aplicada, vol. 16, nº 1, p. 157180, 2016.

RECUERO, R.; BITTENCOURT, M. C. A.; ZAGO, G. “O discurso de veículos jornalísticos e a repercussão da audiência no Twitter sobre os protestos de 15 de março de 2015 no Brasil”. Intercom: Revista Brasileira de Ciências da Comunicação, vol. 39, nº 3, p. 115-134, 2016.

RENNÓ, L.; AMES, B. “PT no purgatório: ambivalência eleitoral no primeiro turno das eleições presidenciais de 2010”. Opinião Pública, vol. 20, nº 1, p. 1-25, 2014.

RENTSCHLER, C. A.; THRIFT, S. C. “Doing feminism in the network: Networked laughter and the ‘Binders Full of Women’ meme”. Feminist Theory, SAGE Journals On-line, vol. 16, nº 3, p. 329-359, Dec. 2015. Artigo publicado pela primeira vez on-line em: 18 set. 2015.

REZENDE, D. L. “Desafios à representação política de mulheres na Câmara dos Deputados”. Revista Estudos Feministas, vol. 25, nº 3, p. 1.199-1.218, 2017.

ROCHA, N. G.; BAPTISTA DA SILVA, P. V. “Representação do negro na publicidade paranaense – o ‘olhar’ sobre as agências publicitárias”. Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros Neab-UFPR, Curitiba, 2006.

ROSSI, T. C. “Feminilidade e suas imagens em mídias digitais: questões para pensar gênero e visualidade no século XXI”. Tempo Social, vol. 29, nº 1, p. 234-255, 2017.

SACCHET, T. “Capital social, gênero e representação política no Brasil”. Opinião Pública, vol. 15, nº 2, p. 306-332, 2009.

SEGURADO, R. “A agenda da multidão e o webativismo na cidade de São Paulo”. História Ciências Saúde Manguinhos, vol. 22, supl., p. 1.673-1.691, 2015.

SHIFMAN, L. Memes in digital culture. Cambridge: MIT Press, 2014.

TOSOLD, L. Do problema do essencialismo a outra maneira de se fazer política. In: BIROLI, F.; MIGUEL, L. F. (orgs.). Teoria política e feminismo: abordagens brasileiras. Vinhedo: Horizonte, p. 189-209, 2012.

VICENTE, D.; MARIA, L. “Histórias insurgentes: feministas vadias e tecnologias digitais”. Esferas: Revista Interprogramas de Pós-Graduação em Comunicação do Centro-Oeste, ano IV, vol. 4, nº 7, p. 163-172, 2015.

YOUNG, I. M. “Representação política, identidade e minorias”. Lua Nova, nº 67, p. 139-190, 2006.

YOUNG, I. M. “Thinking about women as a social collective”. Signs, vol. 19, nº 3, p. 713-738, [1994] 2012.

YOUNG, I. M. “Desafios ativistas à democracia deliberativa”. Revista Brasileira de Ciência Política, nº 13, p. 187-212, 2014.

A Opinião Pública utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.