O publicismo e a política conservadora do Brasil no século XIX

Autores

Palavras-chave:

Política, Juristas, Publicismo, Brasil.

Resumo

Este artigo enfoca os usos políticos do direito, mais especificamente os discursos mobilizados por frações da elite política imperial brasileira no formato de publicismo. O objetivo dessa abordagem é discutir a mobilização do conhecimento jurídico no âmbito das lutas desencadeadas no século XIX sobre a definição do modelo de Estado no Brasil, através da metodologia sócio-histórica. A pesquisa mostra os usos do publicismo e a invenção do constitucionalismo como armas do jogo político, que correspondem à concorrência intraelites no processo de construção e legitimação de um regime político de feição monárquica e centralizada.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luciana Rodrigues Penna, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Doutorado e Pós-Doutorado em Ciência Política pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. 

Referências

ADORNO, S. Os aprendizes do poder: o bacharelismo liberal na política brasileira. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1988.

AGRIKOLIANSKY, E. Les usages protestataires du droit. In: FILLIEULE, O.; AGRIKOLIANSKY, E.; SOMMIER, I. (Dirs.). Penser les mouvements sociaux. Paris: La Découvert, p. 225-243, 2010.

ALECRIM, O. Ideias políticas no Império: influências francesas. Brasília: Senado Federal, Conselho Editorial, 2011.

ALMEIDA, C. B. A prosopografia ou biografia coletiva: limites, desafios e possibilidades. In: Anais do XXVI Simpósio Nacional de História (ANPUH). São Paulo, p. 1-9, 2011.

ALMEIDA, F. N. R. A nobreza togada: as elites jurídicas e a política da justiça no Brasil. Tese de Doutorado em Ciência Política. São Paulo: Universidade de São Paulo, 2010.

ALONSO, A. Ideias em movimento: a geração 1870 na crise do Brasil Império. São Paulo: Paz e Terra, 2002.

AMBROSINI, D. R.; FERREIRA, G. N. Primeira Seção Império: 1850-1889. In: MOTA, C. G.; FERREIRA, G. N. (Coords.). Os juristas na formação do Estado-Nação brasileiro. São Paulo: Saraiva, 2010.

ARANTES, R. Ministério Público e Política no Brasil. São Paulo: Educ, 2002.

BARMAN, R.; BARMAN, J. The role of the law graduate in the political elite of the Imperial Brazil. Journal of Interamerican Studies and World Affairs, vol. 18, nº 4, 1976.

BARRETO, V.; PAIM, A. Evolução do pensamento político brasileiro. Belo Horizonte: Itatiaia; São Paulo: Edusp, 1989.

BLAKE, A. V. A. S. Diccionario bibliographico brazileiro. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, vol n°5, 1899.

BLANQUER, M.; MILLET, M. L’intervencion de l’État. Léon Duguit, Maurice Hariou et la naissance du droit public moderne. Paris: Odile Jacob, 2015.

BONELLI, M. G. Profissionalismo e política no mundo do direito. São Paulo: Edufscar, 2002.

BOTELHO, A.; FERREIRA, G. N. (Orgs.). Revisão do pensamento conservador: ideias e política no Brasil. São Paulo: Hucitec, 2010.

BOURDIEU, P. Décrire et prescrise: note sur les conditions de possibilite et les limites de l’eficacité politique. Actes de la Recherche en Sciences Sociales, vol. 38, p. 69-73, maio 1981.

BOURDIEU, P. La nobleza de Estado. Educación de elite y espíritu de cuerpo. Buenos Aires: Siglo Veintiuno Editores, 2013.

BOURDIEU, P. Sobre o Estado: cursos no Collège de France (1989-1992). São Paulo: Companhia das Letras, 2014.

BOURDIEU, P. La force du droit. Eléments pour une sociologie du champ juridique. Actes de la Recherche em Sciences Sociales, vol. 64, p. 3-19, 1986.

BRASILIENSE, A. Os programas dos partidos e o Segundo Império. Brasília: Senado Federal; Rio de Janeiro: Fundação Casa de Rui Barbosa, 1979.

BURGOS, M. B.; VIANNA, L. W. A judicialização da política e das relações sociais no Brasil. Rio de Janeiro: Revan, 1999.

BUTON, F.; MARIOT, N. (Orgs.). Pratiques et méthodes de la socio-histoire. Paris: Presses Universitaires de France, 2009.

CARVALHO, J. M. A construção da ordem: a elite imperial. O teatro das sombras: a política imperial. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2006.

CARVALHO, J. M. (Org.). Paulino José Soares de Sousa, Visconde do Uruguai. São Paulo: Editora 34, 2002.

CARVALHO, J. M.; NEVES, L. M. B. P. (Org.). Repensando o Brasil do oitocentos: cidadania, política e liberdade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2009.

CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO DO PENSAMENTO BRASILEIRO (CDPB). Sítio do Centro de Documentação do Pensamento Brasileiro. Disponível em: www.cdpb.org.br. Salvador, 2008. Acesso em: 27 ago. 2013.

CHARLE, C. La bourgeoisie de robe en France au XIX siècle. Le Mouvement Social, nº 181, out.-dez., p. 55-72, 1997.

CHEVALLIER, J. Les interprètes du droit. In: POIRMEUR, Y.; BERNARD, A. (Org.). La doctrine juridique. Paris: Presses Universitaires de France, p. 259-280, 1993.

CHEVALLIER, J.; LOCHAK, D. Les juristes dans l’espace public. Droit et Société, vol. 93, nº 2, p. 359374, 2016.

COMMAILLE, J.; DUMOULIN, L.; ROBERT, C. (Org.). La juridicisation du politique. Paris: LGDJ, 2010.

CORADINI, O. L. (Org.). Estudos de grupos dirigentes no Rio Grande do Sul. Algumas contribuições recentes. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2008.

COSTA, E. V. Da monarquia à república: momentos decisivos. São Paulo: Unesp, 2007.

DÉLOYE, Y. Sociologie historique du politique. Paris: La Découvert, 2007.

DEZALAY, Y. La production doctrinale comme objet en terrain de lutes politiques et professionnelles. In: BERNARD, A.; POIRMEUR, Y. (Org.). La doctrine juridique. Paris: Presses Universitaires de France, p. 240-258, 1993.

DEZALAY, Y.; GARTH, B. A construção jurídica de uma política de notáveis: o jogo duplo da elite do Judiciário indiano no mercado da virtude cívica. Revista Pós Ciências Sociais (Repocs). Dossiê Profissões e Espaços da Política, São Luís do Maranhão, vol. 12, nº 23, p. 37-60, jan. jun. 2015.

DUTRA, P. Literatura jurídica no Império. Rio de Janeiro: Padma, 2004.

E-BIOGRAFIA. José de Alencar. [S.l.], 2014. Disponível em: http://www.ebiografias.net/jose_alencar/. Acesso em: 1 nov. 2016.

ENGELMANN, F. Sociologia do campo jurídico: juristas e usos do direito. Porto Alegre: Safe, 2006.

ENGELMANN, F.; PENNA, L. R. Constitucionalismo e batalhas políticas na Argentina: elementos para uma história social. Revista Estudos Históricos. Rio de Janeiro, vol. 29, nº 58, p. 505-524, 2016.

FAORO, R. Os donos do poder: formação do patronato político brasileiro. 15ª ed, vols. 1 e 2. São Paulo: Globo, 2000.

FAUSTO, B. História concisa do Brasil. São Paulo: Edusp, 2006.

FERREIRA, G. N.; BOTELHO, A. (Org.). Revisão do pensamento conservador. São Paulo: Hucitec; Fapesp, 2010.

FRANÇOIS, B. Naissance d’une Constitution: la Cinquieme République: 1958-1962. Paris: Presses de Sciences Po, 1996.

FRANÇOIS, B. Le droit saisi par la politique. In: LAGROYE, J. (Org.). La politisation. Paris: Belin, p. 373385, 2003.

GENEALOGY Sérgio R Porto. [S.l.], 2013. Disponível em: http://familytreemaker.genealogy.com/users/p/o/Sergio-R-Porto-Rio-deJaneiro/FILE/0004text.txt. Acesso em: 29 out. 2013.

GRIJÓ, L. A. Ensino jurídico e política partidária no Brasil: a Faculdade de Direito de Porto Alegre (1900-1937). Tese de Doutorado em História Social. Niterói: Universidade Federal Fluminense, 2005.

GRIJÓ, L. A. A elite do Partido Republicano se apropria da ‘Revolução’. Revista História Unisinos, vol. 14, nº 1, p. 29-37, jan-abr. 2010.

GUEDES, R. M. Os meandros da tradução jurídica. Dissertação de Mestrado. Programa de PósGraduação em Letras Neolatinas. Rio de Janeiro: UFRJ-Faculdade de Letras, 2011.

HALLEWELL, L. O livro no Brasil. São Paulo: Edusp, 2012.

HOLANDA, S. B. (dir.). História geral da civilização brasileira. Tomo II - O Brasil monárquico. Vol. 5: Reações e transações. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2004.

JUNQUEIRA, J. R. Permeando a curva da trajetória de José Carlos Rodrigues (1867-1923): breves apontamentos teórico-metodológicos. In: Anais do Simpósio Nacional De História, São Paulo, 2011.

KOERNER, A. Judiciário e cidadania na Constituição da República brasileira (1841-1920). Curitiba: Juruá, 2010.

KUGELMAS, E. (Org.). José Antônio Pimenta Bueno, Marquês de São Vicente. São Paulo: Editora 34, 2002.

LACROIX, B.; LAGROYE, J. (Org.). Le président de la République: usages et genèses d’une institution. Paris: Presses de la Fondation Nationale des Sciences Politiques, 1992.

LYNCH, C. E. C. Quando o regresso é progresso: a formação do pensamento conservador saquarema e de seu modelo político (1834-1851). In: BOTELHO, A.; FERREIRA, G. N. (Org.). Revisão do pensamento conservador: ideias e política no Brasil. São Paulo: Hucitec, 2010.

MATTOS, I. R. O tempo saquarema. São Paulo: Hucitec; Brasília: INL, 1987.

MERCADANTE, P. A consciência conservadora no Brasil. Contribuição ao estudo da formação brasileira. Rio de Janeiro: Topbooks, 2003.

MOTA, C. G.; FERREIRA, G. N. (coords.). Os juristas na formação do Estado-Nação brasileiro. São Paulo: Saraiva, 2010.

NEVES, L. M. B. P. Corcundas e constitucionais: a cultura política da Independência (1820-1822). Rio de Janeiro: Revan; Faperj, 2003.

NOGUEIRA, O.; FIRMO, J. S. Parlamentares do Império. Brasília: Centro Gráfico do Senado Federal, 1973.

OLIVEIRA, C. H. S. (org.). Zacarias de Góis e Vasconcelos. São Paulo: Editora 34, 2002.

PARANHOS, A. R. Ideias jurídico-políticas de José de Alencar: 1855-1877. Dissertação de Mestrado em História. Niterói: Universidade Federal Fluminense, 2013.

POIRMEUR, Y. Thèmes et dèbats autour du constitutionnalisme. In: CHEVALLIER, J. (Org.). Droit et politique. Paris: Presses Universitaires de France Paris, p. 13-39, 1993.

POIRMEUR, Y.; BERNARD, A. La doctrine comme objet. In: POIRMEUR, Y.; BERNARD, A. (Org.). La doctrine juridique. Paris: Presses Universitaires de France, p. 5-12, 1993.

POIRMEUR, Y.; ROSENBERG, D. La doctrine constitutionnelle et le constitutionnalisme français. In: LOCHAK, D. (Org.). Les usages sociaux du droit. Paris: Presses Universitaires de France, p. 230-251, 1989.

PRADO, M. E. (Org.). Dicionário do pensamento brasileiro: obras políticas do Brasil Imperial. Rio de Janeiro: Revan, 2012.

PRADO, M. E. (Org.). O Estado como vocação: ideias e práticas políticas no Brasil Oitocentista. Rio de Janeiro: Access Editora, 1999.

RIBEIRO, G. S.; FERREIRA, T. M. T. B. C. (Org.). Linguagens e práticas da cidadania no século XIX. São Paulo: Alameda, 2010.

RODRIGUES, J. H. Teoria da história do Brasil: introdução metodológica. 4ª ed. São Paulo: Editora Nacional; Brasília: INL, 1978.

RODRIGUES, A. M. M. Visconde do Uruguai e a ética do estadista. Revista Estudos Filosóficos, nº 7, p. 139-152, 2011.

RODRIGUES, J. H. A Assembleia Constituinte de 1823. Petrópolis: Vozes, 1974.

RODRIGUES, J. H. Independência: revolução e contra-revolução. Rio de Janeiro: Livraria Francisco Alves Editora, 1975.

SACRISTE, G. La Republique des Constitutionnalistes: professeurs de droit et légitimation de l’État en France (1870-1914). Paris: Presses de Sciences Po, 2011.

SALDANHA, N. N. História das ideias políticas no Brasil. Brasília: Senado Federal/Conselho Editorial, 2001.

SILVA, F. T. História e ciências sociais: zonas de fronteira. Revista História, São Paulo, vol. 24, nº 1, p. 127-166, 2005.

SIMÕES, F. T. Os bacharéis na política, a política dos bacharéis. Tese de doutorado em ciência política. São Paulo: Universidade de São Paulo, 1983.

SODRÉ, N. W. Panorama do Segundo Império. Rio de Janeiro: Graphia, 2004.

STONE, L. Prosopografia. Revista de Sociologia e Política, Curitiba, vol. 19, nº 39, p. 115-137, 2011.

STF – SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL. Sítio do Portal do Supremo Tribunal Federal. Disponível em: www.stfjus.br. Brasília, 2013. Acesso em: 27 ago. 2013.

VECCHIOLI, V. Uma história social da expertise em direitos humanos: trajetórias transnacionais dos profissionais do direito na Argentina. Estudos Ibero-Americanos, Porto Alegre, vol. 45, nº 1, p. 1728, jan./abr. 2019.

VENÂNCIO FILHO, A. Das arcadas ao bacharelismo: 150 anos de ensino jurídico no Brasil. São Paulo: Perspectiva, 2005.

VIANNA, L. W. Os intelectuais da tradição e a modernidade: o caso dos juristas-políticos da OAB. In: SOARES, M. S. (Org.). Os intelectuais nos processos políticos da América Latina. Porto Alegre: Editora da UFRGS, p. 191-224, 1985.

Downloads

Publicado

2019-09-12

Como Citar

Penna, L. R. (2019). O publicismo e a política conservadora do Brasil no século XIX . Opinião Pública, 25(2), 343–376. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/op/article/view/8656620

Edição

Seção

Artigos