Banner Portal
Contexto e voto
PDF

Palavras-chave

Ideologia
Comportamento eleitoral
Eleições 2018

Como Citar

FUKS, Mario; MARQUES, Pedro Henrique. Contexto e voto: o impacto da reorganização da direita sobre a consistência ideológica do voto nas eleições de 2018. Opinião Pública, Campinas, SP, v. 26, n. 3, p. 401–430, 2021. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/op/article/view/8663852. Acesso em: 24 maio. 2024.

Resumo

Este artigo tem como objetivo avaliar o efeito da ideologia sobre o voto em Bolsonaro na eleição presidencial de 2018. Nosso argumento é que, após um longo período de ação discreta sobre o comportamento político dos brasileiros, os fatores ideológicos voltaram a ter relevância. A partir de uma perspectiva contextualista, apresentamos indícios de que a reorganização da direita no parlamento, nas ruas e nos meios de comunicação e a oferta de uma candidatura de extrema direita na competição eleitoral criaram condições favoráveis para o alinhamento, no eleitorado, entre a ideologia e a escolha eleitoral em 2018. Os dados revelam que o brasileiro está mais ideologicamente orientado e confirmam o impacto da ideologia sobre o voto.

PDF

Referências

ABRAMOWITZ, A. I. The disappearing center: engaged citizens, polarization, and American democracy. New Haven, London: Yale University Press, 2010.

ALMEIDA, A. C. A cabeça do brasileiro. São Paulo: Record, 2007.

ALONSO, A. “A política das ruas: protestos em São Paulo de Dilma a Temer”. Novos EstudosCebrap, São Paulo, vol. 37, nº1, p. 49-58, jun. 2017.

AVRITZER, L. “Participation in democratic Brazil: from popular hegemony and innovation to middle-class protest”. Opinião Pública, Campinas, vol. 23, nº 1, p. 43-59, abr. 2017.

BAFUMI, J.;SHAPIRO, R. Y. “New partisan voter”.The Journal of Politics, vol. 71, nº 1, p. 1-24, 2009.

BONIFÁCIO, R.;CASALECCHI, G.;SANDES-FREITAS, V. Ideologia e voto nas eleições presidenciais brasileiras. In: BONIFÁCIO, R.;CASALECCHI, G.;DEUS, C. (Orgs.). O voto para presidente no Brasil: condicionantes e fatores explicativos (1989-2010). Curitiba: Editora Íthala, p. 285-316, 2014.

BORGES, A.;VIDIGAL, R. “Do lulismo ao antipetismo? Polarização, partidarismo e voto nas eleições presidenciais brasileiras”. Opinião Pública, Campinas, vol. 24, nº 1, p. 53-89, jan.-abr. 2018.

BUSTIKOVA, L.;ZECHMEISTER, E. J. Voting in new(er) democracies. In:ARZHEIMER, K.;EVANS, J.; LEWIS-BECK, M. S. (Orgs.). The Sagehandbook of electoral behaviour. Londres:Sage Publications, p. 92-134, 2017.

CAMPBELL, A.,et al. The American voter. New York: John Wiley, 1960.

CARMINES, G. E.; ENSLEY, M. J.; WAGNER, M. W. “Who fits the left-right divide? Partisan polarization in the American”. American Behavioral Scientist, Madison, vol. 56, nº 12, p. 1.631-1.653, out. 2012a.

________. “Political ideology in American politics: one, two or none?”. The Forum, vol. 10, nº 3, p. 1-18, out. 2012b.

CARREIRÃO, Y. S. “A decisão do voto nas eleições presidenciais do Brasil (1989 a 1998): a importância do voto por avaliação de desempenho”. Tese de Doutorado em Ciência Política. USP, São Paulo, 2000.

________. “Identificação ideológica e voto para presidente”.Opinião Pública, Campinas, vol. 8, nº 1, p.54-79, 2002.

________. “Identificação ideológica, partidos e voto na eleição presidencial de 2006”. Opinião Pública, Campinas, vol. 13, nº 2, p. 307-339, nov. 2007.

________. “Opiniões políticas e sentimentos partidários dos eleitores brasileiros”. Opinião Pública, Campinas, vol. 14, nº 2, nov. 2008.

CARREIRÃO, Y. S.;KINZO, M. D., “Partidos políticos, preferência partidária e decisão eleitoral no Brasil (1989-2002)”. Dados, Rio de Janeiro, vol. 47, nº 1, p. 131-168, 2004.

CASTRO, M. M. M. "O comportamento eleitoral no Brasil: diagnóstico e interpretações". Teoria e Sociedade, Belo Horizonte, vol. 1, nº 1, p.126-168, 1997.

CHALOUB, J. G. S.; PERLATTO, F. “Intelectuais da ‘nova direita’ brasileira: ideias, retórica e prática política”. Insight Inteligência, Rio de Janeiro, vol. 1, nº 72, p. 25-42, 2016.

CINTRA. A. O. “Partidos políticos em Belo Horizonte: um estudo do eleitorado”. Dados, nº 5, p. 82-112, 1968.

CONVERSE, P. “The nature of belief systems in mass publics”. Critical Review, London, vol. 18, nº 1-3, p. 1-74, [1964] 2006a.

________. “Democratic theory and electoral reality”.Critical Review, London, vol. 18, nº 1-3, p. 297-329, 2006b.

DALTON, R. J. Left-right orientations, context, and voting choices. In: DALTON, R. J.;ANDERSON, C. J. (Eds.).Citizens, context, and choice: how context shapes citizens’electoral choices.New York: Oxford University Press, p. 103-125, 2011.

DATAFOLHA/BRASIL-1989/SET- 00186. INTENÇÃO DE VOTO PRESIDENTE VI - CULTURA POLÍTICA I- CEDEC. In: Banco de Dados do Cesop/Unicamp. Disponível em: https://www.cesop.unicamp.br/por/banco_de_dados/v/421. Acesso em: 15 fev. 2020.

DATAFOLHA/BRASIL-1993/FEV- 00318. PENA DE MORTE/PLEBISCITO. In: Banco de Dados do Cesop/Unicamp. Disponível em: https://www.cesop.unicamp.br/por/banco_de_dados/v/1380. Acesso em: 15 fev. 2020.

DATAFOLHA/BRASIL-1999/JUN- 01045. AVALIAÇÃO PRESIDENTE FERNANDO HENRIQUE CARDOSO /INTENÇÃO DE VOTAR PARA PRESIDENTE/AVALIAÇÃO PLANO REAL/AVALIAÇÃO CONGRESSO NACIONAL. In: Banco de Dados do Cesop/Unicamp. Disponível em: https://www.cesop.unicamp.br/por/banco_de_dados/v/174. Acesso em: 15 fev. 2020.

DATAFOLHA 2000 e 2003. Disponível em: https://www.cesop.unicamp.br/por/banco_de_dados/v/174. Acesso em: 21 fev. 2020.

ELLIS, C.; STIMSON, J. A. Ideology in America. New York: Cambridge University Press, 2012.

ESEB-2002-ESTUDO ELEITORAL BRASILEIRO - CESOP-FGV/BRASIL-2002/NOV-01838. In: Banco de Dados do Cesop/Unicamp. Disponível em: https://www.cesop.unicamp.br/por/eseb/ondas/5. Acesso em: 21 out. 2019.

ESEB-2014-ESTUDO ELEITORAL BRASILEIRO - CESOP-IBOPE/BRASIL-2014/NOV-03928. In: Banco de Dados do Cesop/Unicamp. Disponível em: https://www.cesop.unicamp.br/por/eseb/ondas/8. Acesso em: 21 out. 2019.

ESEB-2018-ESTUDO ELEITORAL BRASILEIRO - CESOP-IBOPE/BRASIL-2018/NOV- 04622. In: Banco de Dados do Cesop/Unicamp. Disponível em: https://www.cesop.unicamp.br/por/eseb/ondas/11. Acesso em: 21 out. 2019.

FAGANELLO, M. A. Bancada da bala: uma onda na maré conservadora. In: CRUZ, S. V.; KAYSEL, A.; CODAS, G. (orgs.). Direita, volver!: o retorno da direita e o ciclo político brasileiro. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, p. 145-162, 2015.

FERNANDES, D. C.; VIEIRA, A. M. “A direita mora do mesmo lado da cidade: especialistas, polemistas e jornalistas”. Novos Estudos Cebrap, São Paulo, vol. 38, nº 1, p. 157-182, jan.-abr. 2019.

FIORINA, M. P.; ABRAMS, S. J. “Political polarization in the American public”. Annual Review of Political Science, Palo Alto, vol. 11, nº 1, p. 563-588, jun. 2008.

FIORINA, M. P.; ABRAMS, S. J.; POPE, J. C. Culture war? The myth of a polarized America. New York: Pearson Education, 2006.

FUKS, M.; RIBEIRO, E.; BORBA, J. “From antipetismo to generalized antipartisanship: the impact of rejection of political parties on the 2018 vote for Bolsonaro. Brazilian Political Science Review, vol. 15, nº 1, nov. 2020.

HETHERINGTON, M. J. “Resurgent mass partisanship: the role of elite polarization article”. American Political Science Review, Cambridge, vol. 95, nº 3, p.619-631, set. 2001.

KINDER, D. “Belief systems today”. Critical Review, Cambridge, vol. 18, nº 1-3, p.197-216, jan. 2006.

KINDER, D.; KALMOE, N. Neither liberal nor conservative: ideological innocence in the American public. Chicago: University of Chicago Press, 2017.

LACHAT, R. “The impact of party polarization on ideological voting”. Electoral Studies, Londres, vol. 27, nº 4, p. 687-698, 2008.

LAMOUNIER, B. O voto em SP: 1970-1978. In: LAMOUNIER, B. (Org.). Voto de desconfiança:eleições e mudança política no Brasil: 1970-1979. Petrópolis: Vozes, p. 15-80, 1980.

LAPOP-2007/BRASIL-2007/MAR-ABR 2007. In: Banco de Dados do Lapop/Wanderbilt. Disponível em: https://www.vanderbilt.edu/lapop/. Acesso em: 21 out. 2019.

LAPOP-2008/BRASIL-2008/MAR-ABR 2008. In: Banco de Dados do Lapop/Wanderbilt. Disponível em: https://www.vanderbilt.edu/lapop/. Acesso em: 21 out. 2019.

LAPOP-2010/BRASIL-2010/MAR-ABR 2010. In: Banco de Dados do Lapop/Wanderbilt. Disponível em: https://www.vanderbilt.edu/lapop/. Acesso em: 21 out. 2019.

LAPOP-2012/BRASIL-2012/MAR-ABR 2012. In: Banco de Dados do Lapop/Wanderbilt. Disponível em: https://www.vanderbilt.edu/lapop/. Acesso em: 21 out. 2019.

LAPOP-2014/BRASIL-2014/MAR-ABR 2014. In: Banco de Dados do Lapop/Wanderbilt. Disponível em: https://www.vanderbilt.edu/lapop/. Acesso em: 21 out. 2019.

LAPOP-2017/BRASIL-2017/ABR-MAI 2017. In: Banco de Dados do Lapop/Wanderbilt. Disponível em: https://www.vanderbilt.edu/lapop/. Acesso em: 21 out. 2019.

LAPOP-2019/BRASIL-2019/JAN-MAR 2019. In: Banco de Dados do Lapop/Wanderbilt. Disponível em: https://www.vanderbilt.edu/lapop/. Acesso em: 21 out. 2019.

LAYMAN, G. C.; CARSEY, T. M. “Party polarization and party structuring of policy attitudes: a comparison of three NES panel studies”. Political Behavior, Berlin, vol. 24, p. 199-236, set. 2002.

LEVENDUSKY, M. S. “Clearer cues, more consistent voters: abenefit of elite polarization”.Political Behavior, Berlin, vol. 32, nº 1, p. 111-131, mar. 2010.

LICIO, E. C.; RENNÓ, L.; CASTRO, H. C. O. "Bolsa Família e voto na eleição presidencial de 2006: em busca do elo perdido". Opinião Pública, Campinas, vol. 15, nº 1, p. 31-54, 2009.

MASON, L. Uncivil agreement: how politics became our identity. Chicago: University of Chicago Press, 2018.

MELO, C. R.; CÂMARA, R.; SANTOS, M. What can ideology tell us? An analysis of deputies and parties in the Brazilian, Chilean and Uruguayan legislatives. In: ALCÁNTARA SÁEZ, M.; GARCÍA MONTERO, M.; RIVAS PÉREZ, C. (Eds.). Politics and political elites in Latin America. Boulder: Springer International Publishing, 2020.

MESSENBERG, D. “A direita que saiu do armário: a cosmovisão dos formadores de opinião dos manifestantes de direita brasileiros”. Revista Sociedade e Estado, Brasília, vol. 32, nº 3, p. 621-648, set.-dez. 2017.

NICOLAU, J. “Determinantes do voto no primeiro turno das eleições presidenciais brasileiras de 2010: uma análise exploratória”. Opinião Pública, Campinas, vol. 20, nº 3, p. 311-325, dez. 2014.

NIE, N. H.; ANDERSEN, K. “Mass belief systems revisited: political change and attitude structure”.The Journal of Politics, Atlanta, vol. 36, nº 3, p. 540-591, ago. 1974.

NIE, N. H.; RABJOHN, J. A. “Revisiting mass belief systems revisited: or, doing research is like watching a tennis match”.American Journal of Political Science, Bloomington, vol. 23, nº 1, p. 139-175, fev. 1979.

OLIVEIRA, C.; TURGEON, M. “Ideologia e comportamento político no eleitorado brasileiro”. Opinião Pública, Campinas, vol. 21, nº 3, p. 574-600, dez. 2015.

PENTEADO, C., LERNER, C. “A direita na rede: mobilização online no impeachment de Dilma Rousseff”. Em Debate, Belo Horizonte, vol. 10, nº 1, p. 12-24, abr. 2018.

PIERUCCI, A. F. O. “As bases da nova direita”. Novos Estudos Cebrap,São Paulo, nº 19, p. 26-45, dez. 1987.

________. Ciladas da diferença. São Paulo: Editora 34, 1999.

POWER, T.; ZUCCOJÚNIOR, C. “Estimating ideology of Brazilian legislative parties, 1990-2005: a research communication”. Latin American Research Review, Pittsburgh, vol. 44, nº 1, p. 218-246, 2009.

QUADROS, M. P. R; MADEIRA, R. M. “Fim da direita envergonhada? Atuação da bancada evangélica e da bancada da bala e os caminhos da representação do conservadorismo no Brasil”. Opinião Pública, Campinas, vol. 24, nº 3, set.-dez. 2018.

REIS, F. W. Classe social e opção partidária: as eleições de 1976 em Juiz de Fora. In:REIS, F. W. (Org.).Os partidos e o regime: a lógica do processo eleitoral brasileiro. São Paulo: Símbolo, p. 218-287, 1978.

________. "Identidade, política e a teoria da escolha racional". Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, vol. 3, nº 6, fev. 1988.

ROCHA, C. “‘Menos Marx, mais Mises’: uma gênese da nova direita brasileira (2006-2018)”. Tese de Doutorado em Ciência Política.USP, São Paulo, 2018.

RODRIGUES, L. M. Quem é quem na Constituinte: uma análise sociopolítica dos partidos e deputados. São Paulo: OESP-Maltese, 1987.

SAAD-FILHO, A.; BOITO, A. “Brazil: the failure of the PT and the rise of the ‘new right’”. Socialist Register, Londres, vol. 52, p. 213-230, 2016.

SAMUELS, D. “A evolução do petismo (2002-2008)”. Opinião Pública, Campinas, vol. 14, nº 2, p.302-318, nov. 2008.

SAMUELS, D. J.; ZUCCO JÚNIOR, C. Partisans, antipartisans, and nonpartisans: voting behavior in Brazil. New York: Cambridge University Press, 2018.

SCHATTSCHNEIDER, E. E. The semi-sovereign people: arealist’s view of democracy in America. New York: Holt, Rinehart and Winston, 1960.

SILVA, T. M. “Para além de esquerda e direita: a multidimensionalidade das crenças no Brasil contemporâneo (1989-2014)”. Tese de Doutorado em Ciência Política.UnB, Brasília, 2017.

SINGER. A. Esquerda e direita no eleitorado brasileiro:a identificação ideológica nas disputas presidenciais de 1989 e 1994. São Paulo: Edusp, 2000.

SINGER, M. “Elite polarization and the electoral impact of left-right placements: evidence from Latin America, 1995-2009”.Latin American Research Review, Pittsburgh, vol. 51, nº 2, p. 174-194, 2016.

STIMSON, J. “Belief systems: constraint, complexity, and the 1972 election”. American Journal of Political Science, Bloomington, vol. 19, nº 3, p. 394-417, 1975.

TAROUCO, G. S.; MADEIRA, R. M. "Os partidos brasileiros segundo seus estudiosos: análise de um expert survey". Civitas - Revista Ciênciais Sociais, vol. 15, nº 1, p. 24-39, 2015.

VEIGA, L. F. "Os partidos brasileiros na perspectiva dos eleitores: mudanças e continuidades na identificação partidária e na avaliação das principais legendas após 2002". Opinião Pública, Campinas, vol. 13, nº 2, p. 340-365, nov. 2007.

VISCONTI, G. “Policy preferences after crime victimization: panel and survey evidence from Latin America”.British Journal of Political Science, Cambridge University Press, vol. 50, nº 4, p. 1.481-1495,out., 2020.

WIESEHOMEIER, N.; BENOIT, K. Parties and presidents in Latin America: data from expert surveys in 18 Latin American countries, 2006-2007. [Data set]. University of Konstanz e Trinity College Dublin, 2007.

ZALLER, J. The nature and origins of mass opinion. New York: Cambridge University Press, 1992.

ZECHMEISTER, E.; CORRAL,M. “Individual and contextual constraints on ideological labels in Latin America”.Comparative Political Studies, vol. 46, nº 6, p. 675-701, 2013.

ZUCCO JÚNIOR, C. Esquerda, direita e governo. A ideologia dos partidos políticos brasileiros. In: POWER, T.;ZUCCO JÚNIOR, C. (orgs.). O Congresso por ele mesmo: autopercepções da classe política brasileira. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2011.

ZUCCO JÚNIOR, C. "When payouts pay off: conditional cashtransfersand voting behavior in Brazil 2002-10".American Journal of Political Science, Bloomington, vol. 57, nº 4, p. 810-822, abr. 2013.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2020 Oplinião Pública

Downloads

Não há dados estatísticos.