Filiação partidária

uma importante variável esquecida no Brasil

Autores

Palavras-chave:

Filiação partidária, Distribuição geográfica, Brasil

Resumo

Se considerarmos apenas os filiados recentes a partidos políticos no Brasil, eles equivalem ao triplo dos votos recebidos por Jânio Quadros na eleição presidencial de 1960. Segundo a base de dados da justiça eleitoral brasileira, cerca de 16,8 milhões
de eleitores estavam filiados a partidos políticos no final de 2018, o equivalente a 11,4% do eleitorado. Como os filiados se distribuem no Brasil? Que variáveis explicam as diferenças geográficas da filiação? Nossos objetivos são: 1) constatar o crescimento da filiação partidária nos municípios brasileiros nos anos eleitorais de 2014, 2016 e 2018; 2) analisar as variações entre eles, desde uma perspectiva socioespacial. É um estudo exploratório. Utilizamos métodos estatístico-espaciais e cartográficos para analisar a base de dados de filiação partidária. Constatamos uma teia de associações com indicadores sociodemográficos, econômicos e eleitorais. Queríamos saber o que mudou, quando mudou, onde mudou. Identificamos padrões de associações que apresentamos no artigo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Emerson Urizzi Cervi, Universidade Federal do Paraná

Professor associado do Departamento de Ciência Política e Sociologia pela Universidade Federal do Paraná.

Sonia Terron, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

Doutora em Ciência Política pelo Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro. Membro do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística.

Glaucio Ary Dillon Soares, Universidade Estadual do Rio de Janeiro

Pesquisador Associado da Universidade Estadual do Rio de Janeiro. Instituto de Estudos Sociais e Políticos.

Referências

ANATEL. Indicadores de qualidade. Disponível em: https://www.anatel.gov.br/dados/controle-de-qualidade. Acesso em: out. 2019.

ANSELIN, L. Exploring spatial data with GeoDaTM: a workbook. 2005. Disponível em: http://geodacenter.asu.edu/system/files/geodaworkbook.pdf . Acesso em: out. 2019.

ANSELIN, L.; REYS, S. J. Modern spatial econometrics in practice: a guide to GeoDa, GeoDaSpace and PySAL. Chicago: GeoDa Press LLC, 2014.

CARREIRÃO, Y. S. “Identificação ideológica e voto para presidente”. Opinião Pública, vol. 8, nº 1, p. 54- 79, 2002.

DATAFOLHA. Intenção de Voto para Presidente. Setembro de 2018, nº 04573. In: Banco de Dados do Centro de Estudos de Opinião Pública. Unicamp, Campinas, 2018. Disponível em: https://www.cesop.unicamp.br/por/banco_de_dados/v/4383. Acesso em: out. 2020.

ESEB 2014. CESOP-IBOPE/BRASIL-2014/NOV-03928. In: Banco de Dados do Centro de Estudos de Opinião Pública, Unicamp, Campinas, 2014. Disponível em: https://www.cesop.unicamp.br/por/banco_de_dados/v/3716. Acesso em: out. 2020.

GEODA DOCUMENTATION. 2019. Disponível em: http://geodacenter.github.io/documentation.html. Acesso em: out. 2019.

IBGE. Produto Interno Bruto dos Municípios. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/estatisticas/economicas/contas-nacionais/9088-produto-interno-bruto-dos-municipios.html?=&t=o-que-e. Acesso em: out. 2019.

KINZO, M. D. “Os partidos no eleitorado: percepções públicas e laços partidários no Brasil”. Revista Brasileira de Ciências Sociais (RBCS), vol. 20, n° 57, p. 65-81, 2005.

LAZZARI, E. A. “Explicações assimétricas para a desconfiança em partidos políticos no Brasil”. Opinião Pública, vol. 23, nº 2, p. 334-360, 2017.

MONMONIER, M. How to lie with maps. 3ª ed. Chicago: University of Chicago Press, 2018. OLIVEIRA, C.; TURGEON, M. “Ideologia e comportamento político no eleitorado brasileiro”. Opinião Pública, vol. 21, nº 3, p. 574-600, 2015.

SMITH, M. J., GOODCHILD, M. F.; LONGLEY, P. A. Geospatial analysis: a comprehensive guide to principles, techniques and software tools. 6ª ed. Winchelsea: The Winchelsea Press, 2018. Disponível em: http://www.spatialanalysisonline.com/. Acesso em: mar. 2020.

SPECK, B. W. “Nem ideológica, nem oportunista: a filiação partidária no contexto pré-eleitoral no Brasil”. Cadernos Adenauer, vol. 14, nº 2, p. 37-60, 2013.

SPECK, B. W; BRAGA, M. S. S; COSTA, V. “Estudo exploratório sobre filiação e identificação partidária no Brasil”. Revista de Sociologia e Política, Curitiba, vol. 23, nº 56, p. 125-148, dez. 2015

Downloads

Publicado

2021-01-08

Como Citar

CERVI, E. U. .; TERRON, S. .; SOARES, G. A. D. Filiação partidária: uma importante variável esquecida no Brasil. Opinião Pública, Campinas, SP, v. 26, n. 3, p. 494–521, 2021. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/op/article/view/8663870. Acesso em: 5 dez. 2021.

Edição

Seção

Artigos