A influência de fatores demográficos e estruturais nos significados do trabalho entre brasileiros:

evidências do world values survey

Autores

Palavras-chave:

Significados do trabalho, Brasileiros, Fatores de influência, World Values Survey

Resumo

O trabalho passou por transformações que modificaram os valores e determinantes de seus significados, colocando em xeque sua centralidade. Este artigo investiga os significados do trabalho entre brasileiros, bem como a influência de elementos demográficos e estruturais nessa atribuição. Os significados do trabalho referem-se à interpretação individual, influenciada pelo contexto social, do trabalho e do que ele representa. Utilizou-se a amostra brasileira do World Values Survey. A influência de características socioeconômicas e estruturais foi analisada via modelagens de equações estruturais (MEE). O modelo foi bem ajustado, tendo um coeficiente de determinação de 0,951. Os resultados descritivos indicaram alta valorização do trabalho e forte percepção deste como obrigação social. Os resultados da MEE indicaram que homens atribuem maior significado ao trabalho em comparação com mulheres e que o aumento da idade influencia a atribuição de significados do trabalho. A criatividade, a intelectualidade e a independência nas atividades executadas têm influência indireta (via nível socioeconômico - NSE) e negativa na percepção de significados do trabalho. As análises priorizaram a articulação entre aspectos sociais e econômicos com o processo de significação do trabalho, perspectiva pouco explorada na produção científica brasileira, mas fundamental para que o fenômeno seja compreendido de maneira mais ampla, especialmente em sociedades estratificadas, como o Brasil.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cibele Satuf, Universidade Federal de Minas Gerais

Doutorado em andamentp pela Universidade Federal de Minas Gerais.

Jorge Alexandre Barbosa Neves, Universidade Federal de Minas Gerais

Doutor em Sociologia pela Universidade de Wisconsin Madison. Professor da Universidade Federal de Minas Gerais.

Referências

ALI, A. J.; FALCONE, T.; AZIM, A. A. “Work ethic in the USA and Canada”. Journal of Management Development, vol. 14, nº 6, p. 26-34, ago. 1995.

ALLAN, B. A.; AUTIN, K. L.; DUFFY, R. D. “Examining social class and work meaning within the psychology of working framework”. Journal of Career Assessment, vol. 22, nº 4, p. 543-561, 11 nov. 2014.

ALONSO, F. S. A., et al. “Trabalho e aprendizagem: as perspectivas de futuro profissional de jovens aprendizes na cidade de Três Rios, RJ”. Revista de Administração do Unifatea – RAF, vol. 13, nº 13, p. 64-84, 2016.

ANTUNES, R. Os sentidos do trabalho: ensaios sobre a afirmação e a negação do trabalho. 2ª ed. São Paulo: Boitempo Editorial, 2009.

ARAÚJO, R. R.; SACHUK, M. I. “Os sentidos do trabalho e suas implicações na formação dos indivíduos inseridos nas organizações contemporâneas”. Revista de Gestão USP, vol. 14, nº 1, p. 53-66, 2007.

ARDICHVILI, A.; KUCHINKE, K. P. “International perspectives on the meanings of work and working: current research and theory”. Advances in Developing Human Resources, vol. 11, nº 2, p. 155-167, 24 abr. 2009.

ARSLAN, M. “The work ethic values of protestant British, catholic Irish and Muslim Turkish managers”. Journal of Business Ethics, vol. 31, nº 4, p. 321-339, 2001.

BASTOS, A. V. B.; PINHO, A. P. M.; COSTA, C. A. “Significado do trabalho: um estudo entre trabalhadores inseridos em organizações formais”. RAE – Revista de Administração de Empresas, vol. 35, nº 6, p. 20-29, 1995.

BENDASSOLLI, P. F. Trabalho e identidade em tempos sombrios: insegurança ontológica na experiência atual com o trabalho. Aparecida, São Paulo: Ideias e Letras, 2007.

BENDASSOLLI, P. F.; BORGES-ANDRADE, J. E. “Significado do trabalho nas indústrias criativas”. RAE, vol. 51, nº 2, p. 143-159, 2011.

BITENCOURT, B. M., et al. “Sentidos do trabalho para jovens de um empreendimento solidário e para trainees”. Gerais: Revista Interinstitucional de Psicologia, vol. 7, nº 2, p. 142-155, 2014.

BIZERRA, F. A.; SOUZA, R. M. “A ‘sociedade de informação’ e a centralidade do trabalho: uma relação polêmica”. Argumentum, vol. 6, nº 1, p. 253-270, 2014.

BLAU, P.; DUNCAN, O. The American occupational structure. New York: The Free Press, 1967.

BLUSTEIN, D. L., et al. “Voices of the forgotten half: the role of social class in the school-to-work transition”. Journal of Counseling Psychology, vol. 49, nº 3, p. 311-323, 2002.

BORGES, L. D. O. “A estrutura fatorial dos atributos valorativos e descritivos do trabalho: um estudo empírico de aperfeiçoamento e validação de um questionário”. Estudos de Psicologia, vol. 4, nº 1, p. 107-139, 1999.

BORGES, L. D. O.; BARROS, S. C. Inventário de significado do trabalho para trabalhadores de baixa instrução. In: PUENTE-PALÁCIOS, K.; PEIXOTO, A. L. A. (Eds.). Ferramentas de diagnóstico para organizações e trabalho: um olhar a partir da psicologia. Porto Alegre: Artmed, p. 232-253, 2015.

CARDOSO, L. A. “A centralidade da categoria trabalho: uma análise crítica do debate sociológico contemporâneo”. Confluências – Revista Interdisciplinar de Sociologia e Direito, vol. 10, nº 1, p. 1141, 2008.

CARDOSO, A. A., et al. “Protestantismo, motivação e mobilidade: dois estudos sobre religião e comportamento econômico”. Teoria & Sociedade, vol. 17, nº 2, p. 216-239, 2009.

CARTWRIGHT, S.; HOLMES, N. “The meaning of work: the challenge of regaining employee engagement and reducing cynicism”. Human Resource Management Review, vol. 16, nº 2, p. 199-208, 2006.

CASTEL, R. Las metamorfosis de la cuestión social: una crónica del salariado. Buenos Aires: Editorial Paidós, 1997.

CASTELLS, M. A sociedade em rede. 6ª ed., vol. 1. São Paulo: Paz e Terra, 2011.

CASTRO, H. C. O.; RANINCHESKI, S.; CAPISTRANO, D. “O conteúdo da globalização para os latinoamericanos: uma análise a partir da Pesquisa Mundial de Valores – WVS”. Temas y Debates, vol. 19, nº 29, p. 53-76, 2015.

CODA, R.; FONSECA, G. F. “Em busca do significado do trabalho: relato de um estudo qualitativo entre executivos”. Revista Brasileira de Gestão de Negócios, vol. 6, nº 14, p. 7-18, 2004.

DAHRENDORF, R. “Is the work society running out of work?”. Omega, vol. 8, nº 3, p. 281-285, jan. 1980.

DAVIDSON, J. C.; CADDELL, D. P. “Religion and the meaning of work”. Journal for the Scientific Study of Religion, vol. 33, nº 2, p. 135, 1994.

DE LA GARZA, E.; HERNÁNDEZ, J. M. Fin del trabajo o trabajo sin fin. In: DE LA GARZA TOLEDO, E. (Coord.). Tratado latinoamericano de sociología del trabajo. Ciudad de México: Fondo de Cultura Econômica, p. 755-774, 2000.

DEN DULK, L., et al. “National context in work-life research: a multi-level cross-national analysis of the adoption of workplace work-life arrangements in Europe”. European Management Journal, vol. 31, nº 5, p. 478-494, out. 2013.

DUBIN, R. “Industrial workers’ worlds: a study of the ‘central life interests’ of industrial workers”. Social Problems, vol. 3, nº 3, p. 131-142, 1956.

DUFFY, R. D., et al. “Calling and life satisfaction: it’s not about having it, it’s about living it”. Journal of Counseling Psychology, vol. 60, nº 1, p. 42-52, 2013.

ELIAS, N. A sociedade dos indivíduos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1994.

GEORGES, I. Entre discriminação e reconhecimento: as trabalhadoras domésticas de São Paulo. In: CABANES, R.; GEORGES, I.; RIZEK, C. S. (Eds.). Saídas de emergência. São Paulo: Boitempo, 2011.

GESER, H. “Work values and Christian religiosity. An ambiguous multidimensional relationship”. Journal of Religion & Society, vol. 11, p. 1-36, 2009.

GORZ, A. Farewell to the working class: an essay on post-industrial socialism. London: Pluto Press, 1982.

GOULART, P. M. “O significado do trabalho: delimitações teóricas (1955-2006)”. Cadernos de Psicologia Social e do Trabalho, vol. 12, nº 1, p. 47-55, 2009.

HAIR, J. F. J., et al. Análise multivariada de dados. 6ª ed. Porto Alegre: Bookman, 2009.

HAJDU, G.; SIK, E. “Age, period, and cohort differences in work centrality and work values”. Societies, vol. 8, nº 1, p. 11, 12 fev. 2018.

HARPAZ, I. “Cross-national comparison of religious conviction and the meaning of work”. CrossCultural Research, vol. 32, nº 2, p. 143-170, 1998.

HARPAZ, I.; FU, X. “The structure of the meaning of work: a relative stability amidst change”. Human Relations, vol. 55, p. 639-668, 2002.

HARPAZ, I.; MESHOULAM, I. “Differences in the meaning of work in Israel: workers in high-tech versus traditional work industries”. The Journal of High Technology Management Research, vol. 15, nº 2, p. 163-182, ago. 2004.

HIRATA, H. “Gênero, patriarcado, trabalho e classe”. Trabalho Necessário, vol. 16, nº 29, p. 14-27, 2018.

HIRSCHFELD, R. R.; FEILD, H. S. “Work centrality and work alienation: distinct aspects of a general commitment to work”. Journal of Organizational Behavior, vol. 21, p. 789-800, 2000.

HIRVILAMMI, T., et al. “Reflecting on work values with young unemployed adults in Finland”. Nordic Journal of Working Life Studies, vol. 9, nº 2, p. 87-104, 2019.

INGLEHART, R. “Changing values among Western publics from 1970 to 2006”. West European Politics, vol. 31, nº 1-2, p. 130-146, 2008.

INGLEHART, R. Cultural evolution: people’s motivations are changing, and reshaping the world. New York: Cambridge University Press, 2018.

INGLEHART, R.; WELZEL, C. Modernization, culture change, and democracy: the human development sequence. New York: Cambridge University Press, 2005.

INGLEHART, R., et al. World values surveys and European values surveys, 1981-1984, 1990-1993, and 1995-1997. Ann Arbor, Michigan: ICPSR Inter-University Consortium for Political and Social Research, 2000.

INGLEHART, R., et al. World values survey: Round five – Country-pooled datafile. Madrid, Spain; Vienna, Austria: JD Systems Institute & WVSA Secretariat, 2018.

KAPLAN, H. R.; TAUSKY, C. “The meaning of work among the hard-core unemployed”. The Pacific Sociological Review, vol. 17, nº 2, p. 185-198, 1974.

KLONOSKI, R. “Assessing lower and higher order needs: a cross-cultural comparative study”. British Journal of Economics, Management & Trade, vol. 4, nº 2, p. 173-182, 10 jan. 2014.

KOVÁCS, I. “Novas formas de organização do trabalho e autonomia no trabalho”. Sociologia, Problemas e Práticas, vol. 52, p. 41-65, 2006.

KUBO, S. H.; GOUVÊA, M. A. “Análise de fatores associados ao significado do trabalho”. Revista de Administração, vol. 47, nº 4, p. 540-554, 2012.

KUBO, S. H.; GOUVÊA, M. A.; MANTOVANI, D. M. N. “Dimensões do significado do trabalho e suas relações”. Pretexto, vol. 14, nº 3, p. 28-49, 2013.

LU, Q.; HUANG, X.; BOND, M. H. “Culture and the working life”. Journal of Cross-Cultural Psychology, vol. 47, nº 2, p. 277-293, 20 fev. 2016.

MADALOZZO, R.; MARTINS, S. R.; SHIRATORI, L. “Participação no mercado de trabalho e no trabalho doméstico: homens e mulheres têm condições iguais?”. Estudos Feministas, vol. 18, nº 2, p. 547566, 2010.

MARÔCO, J. Análise de equações estruturais: fundamentos teóricos, software & aplicações. 2ª ed. Pêro Pinheiro: ReportNumber, Lda, 2014.

MATTOS, E. D.; CHAVES, A. M. “As representações sociais do trabalho entre adolescentes aprendizes: um estudo piloto”. Revista Brasileira de Crescimento e Desenvolvimento Humano, vol. 16, nº 3, p. 66-75, 2006.

MÉDA, D. Le travail: une valeur en voie de disparition? Paris: Flammarion, 2010.

MÉDA, D.; VENDRAMIN, P. Reinventing work in Europe. France: Palgrave Macmilan, 2013.

MEJÍA REYES, C. “La centralidad del trabajo y su relación con variables macroeconómicas. Una lectura del caso mexicano en comparativa”. Investigación y Ciencia, nº 71, p. 68-76, 2017.

MEJÍA REYES, C.; MARTÍN ARTILES, A. “La centralidad del trabajo en Estados Unidos de América. Una exploración transversal: 1995-2014”. Sociedad y Economía, vol. 34, p. 185-209, 2018.

MORIN, E.; TONELLI, M. J.; PLIOPAS, A. L. V. “O trabalho e seus sentidos”. Psicologia & Sociedade, vol. 19, nº 1, p. 47-56, 2007.

MORSE, N. C.; WEISS, R. S. “The function and meaning of work and the job”. American Sociological Review, vol. 20, nº 2, p. 191-198, 1955.

MOW, International Research Center Team. The meaning of working. London: Academic Press, 1987.

NAVARRO, V. L.; PADILHA, V. “Dilemas do trabalho no capitalismo contemporâneo”. Psicologia & Sociedade, vol. 19, nº 1, p. 14-20, 2007.

NEVES, J. A. B. Modelo de equações estruturais: uma introdução aplicada. Brasília: Enap, 2018.

OFFE, C. “Trabalho: a categoria-chave da sociologia?”. RBCS, vol. 4, nº 10, p. 1-34, 1989.

OGUEGBE, T. M., et al. “Role of self-efficacy and sex on work centrality among workers”. International Journal of Humanities and Social Science, vol. 4, nº 5, p. 297-302, 2014.

OLIVEIRA, S. R. D.; PICCININI, V. C. A constituição do trabalho na sociedade moderna. In: PICCININI, V. C.; ALMEIDA, M. L. D.; OLIVEIRA, S. R. D. (Eds.). Sociologia e administração: relações sociais nas organizações. p. 203-217. [s.l.] Elsevier, 2011.

PARBOTEEAH, K. P.; CULLEN, J. B. “Social institutions and work centrality: explorations beyond national culture”. Organization Science, vol. 14, nº 2, p. 137-148, 2003.

PARBOTEEAH, K. P.; HOEGL, M.; CULLEN, J. “Religious dimensions and work obligation: a country institutional profile model”. Human Relations, vol. 62, nº 1, p. 119-148, jan. 2009.

PÉREZGONZÁLEZ, J. D.; VILELA, L. D. La centralidad del trabajo. Dublin: Lulu Inc, 2005.

PYÖRIÄ, P., et al. “The millennial generation: a new breed of labour?”. SAGE Open, p. 1-14, 2017.

QUEIROZ, V. D. S.; ARAGÓN, J. A. O. “Alocação de tempo em trabalho pelas mulheres brasileiras”. Estudos Econômicos, São Paulo, vol. 45, nº 4, p. 787-819, 2015.

RODRIGUES, A. L.; BARRICHELLO, A.; MORIN, E. M. “Os sentidos do trabalho para profissionais de enfermagem: um estudo multimétodos”. RAE, vol. 56, nº 2, p. 192-208, abr. 2016.

RODRIGUES, A. L., et al. “Meaning of work: challenges for the XXI century”. RAM, vol. 19, p. 2-8, 2018.

ROSSO, B. D.; DEKAS, K. H.; WRZESNIEWSKI, A. “On the meaning of work: a theoretical integration and review”. Research in Organizational Behavior, vol. 30, p. 91-127, jan. 2010.

RUIZ-QUINTANILLA, S. A. “Introduction: the meaning of work”. European Work and Organizational Psychologist, vol. 1, nº 2-3, p. 81-89, abr. 1991.

RUIZ-QUINTANILLA, S. A.; CLAES, R. Mow research programs. In: KATZ, J. A. (Ed.). Databases for the study of entrepreneurship. New York: Elsevier Science, p. 335-391, 2000.

RUIZ-QUINTANILLA, S. A.; WILPERT, B. “Are work meanings changing?”. European Work and Organizational Psychologist, vol. 1, nº 2-3, p. 91-109, 1991.

SABOYA, M. C. L. “Socialização e qualificação para o trabalho: construção de identidades”. Educação, Gestão e Sociedade, Revista da Faculdade Eça de Queirós, vol. 4, nº 18, p. 1-16, 2015.

SALINAS-JIMÉNEZ, M., et al. “Income, motivation, and satisfaction with life: an empirical analysis”. Journal of Happiness Studies, vol. 11, nº 6, p. 779-793, 9 dez. 2010.

SANTOS, T. A. “Os sentidos do trabalho para os agentes penitenciários: uma análise na cadeia pública de Salvador”. Revista Formadores: Vivências e Estudos, vol. 7, nº 2, p. 19-34, 2014.

STEENKAMP, P. L. “Protestant ethic: contributing towards a meaningful workplace”. HTS Teologiese Studies/Theological Studies, vol. 69, nº 1, p. 1-11, 14 jan. 2013.

STEYN, C.; KOTZÉ, H. “Work values and transformation: the South African case, 1990-2001”. Society in Transition, vol. 35, nº 1, p. 145-164, jan. 2004.

TOLFO, S. D. R.; PICCININI, V. C. “Sentidos e significados do trabalho: explorando conceitos, variáveis e estudos empíricos brasileiros”. Psicologia & Sociedade, vol. 19, p. 38-46, 2007.

TOLFO, S. D. R., et al. “Sentidos y significados del trabajo: un análisis con base en diferentes perspectivas teóricas y epistemológicas en psicologia”. Universitas Psychologica, vol. 10, nº 1, p. 175-188, 2011.

TORGLER, B. “Work values in western and eastern Europe: paper 645”. Fondazione Eni Enrico Mattei. Working Papers, [s.n.], 2012.

VECCHIO, R. P. “The function and meaning of work and the job: Morse and Weiss (1955) revisited”. Academy of Management Journal, vol. 23, nº 2, p. 361-367, 1980.

VILAS BOAS, A. A.; MORIN, E. M. “Sentido do trabalho e fatores de qualidade de vida no trabalho para professores de universidades públicas do Brasil e do Canadá”. In: XXXVIII Encontro da ANPAD - EnANPAD, Rio de Janeiro, Brasil, 2014.

VILAS BOAS, A. A.; MORIN, E. M. “Sentido do trabalho e orientação para o trabalho: um estudo em universidades públicas de Minas Gerais e do Quebec”. Gestão Universitária na América Latina – GUAL, vol. 8, nº 4, p. 117, 2015.

WARR, P. “Work values: some demographic and cultural correlates”. Journal of Occupational and Organizational Psychology, vol. 81, nº 4, p. 751-775, dez. 2008.

WEBER, M. A ética protestante e o “espírito” do capitalismo. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.

YEGANEH, H. “Cultural modernization and work-related values and attitudes: an application of Inglehart’s theory”. International Journal of Development Issues, vol. 16, nº 2, p. 130-146, 2017.

ZUBIETA, E. La socialización para el trabajo. In: GUZMÁN, M. L. J.; BOSO, R. (Eds.). Juventud precarizada: de la formación al trabajo, una transición riesgosa. Cuernavaca: UAM, Centro Regional de Investigaciones Multidisciplinarias, p. 265-293, 2012.

ZUBIETA, E., et al. “Concepciones y creencias sobre el trabajo. Estudio descriptivo de algunas fuentes de variación en una muestra laboralmente activa”. Anuario de investigaciones, vol. XV, p. 35-50, 2008.

Downloads

Publicado

2021-09-08

Como Citar

SATUF, C. .; NEVES, J. A. B. . A influência de fatores demográficos e estruturais nos significados do trabalho entre brasileiros: : evidências do world values survey. Opinião Pública, Campinas, SP, v. 27, n. 2, p. 476–508, 2021. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/op/article/view/8666896. Acesso em: 24 out. 2021.

Edição

Seção

Artigos