Banner Portal
Transformações no debate público sobre a política de drogas (2003-2016)
PDF

Palavras-chave

Política de drogas
Mídia
Debate público
Antiproibicionismo
Proibicionismo

Como Citar

SILVA, Marcelo Kunrath; FERREIRA, Cristiano Nicola. Transformações no debate público sobre a política de drogas (2003-2016) : uma análise a partir das publicações do jornal Zero Hora. Opinião Pública, Campinas, SP, v. 29, n. 2, p. p. 363–395, 2023. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/op/article/view/8674558. Acesso em: 24 jul. 2024.

Resumo

O objetivo deste artigo é analisar como se estrutura e se transforma o debate público sobre a política de drogas no Brasil entre os anos de 2003 e 2016. Para responder a essa problematização, foram analisados 306 materiais publicados no jornal Zero Hora. A análise demonstra que houve mudanças significativas na configuração do debate público sobre o “problema das drogas” no país na última década. Mais especificamente, é demonstrado que o debate público tende a ser mais heterogêneo, em termos de agentes e de enquadramentos, do que aquilo que se expressa na política de drogas vigente. Identificar e analisar essa heterogeneidade é importante para a compreensão das controvérsias e das posições em disputa sobre a política de drogas. 

PDF

Referências

ABRAMOVAY, P. “Branco é usuário, negro é traficante”. Piseagrama, n° 11, p. 46-51, 2017. Disponível em: <https://piseagrama.org/artigos/branco-e-usuario-negro-e-traficante/>. Acesso em: 8 maio 2023.

AGÊNCIA DE NOTÍCIAS DOS DIREITOS DA INFÂNCIA (ANDI); PROGRAMA NACIONAL DE DST/AIDS – MINISTÉRIO DA SAÚDE. Mídia & Drogas: o perfil do uso e do usuário na imprensa brasileira. Brasília: ANDI, 2004.

BENFORD, R. D.; SNOW, D. A. “Framing processes and social movements: an overview and assessment”. Annual Review of Sociology, nº 26, p. 611-39, 2000. Disponível em: <https://www.jstor.org/stable/223459>. Acesso em: 8 maio 2023.

BOKANY, V. (org.). Drogas no Brasil: entre a saúde e a justiça: proximidades e opiniões. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 2015. Disponível em: <https://fpabramo.org.br/publicacoes/estante/drogas-no-brasil/>. Acesso em: 8 maio 2023.

BORGES, J. Encarceramento em massa. São Paulo: Pólen, 2019.

BOURDIEU, P. Esboço de uma teoria da prática. In: ORTIZ, R. (org.). Pierre Bourdieu: sociologia, p. 46-81. São Paulo: Ática, 1983.

CAMPOS, L. A.; FERES JR., J.; DAFLON, V. T. “Administrando o debate público: O Globo e a controvérsia em torno das cotas raciais”. Revista Brasileira de Ciência Política, nº 11, p. 7-31, 2013. Disponível em: <https://doi.org/10.1590/S0103-33522013000200001>. Acesso em: 8 maio 2023.

CAMPOS, M. S. “O novo nem sempre vem: lei de drogas e encarceramento no Brasil”. Boletim de análise político-institucional, vol. 18, p. 31-37, 2018.

CAMPOS, M. S. Pela metade: a Lei de Drogas no Brasil. São Paulo: Annablume, 2019.

CAMPOS, M. S.; AZEVEDO, R. G. “A ambiguidade das escolhas: política criminal no Brasil de 1989 a 2016”. Revista de Sociologia e Política, vol. 28, nº 73, p. 1-19, 2020. Disponível em: <https://doi.org/10.1590/1678-987320287302>. Acesso em: 8 maio 2023.

CAMPOS, M. S.; POLICARPO, F. “Para além da descriminalização: reflexões sobre a política de drogas”. Teoria e Cultura, vol. 15, nº 2, p. 14-27, 2020. Disponível em: <https://doi.org/10.34019/2318-101X.2020.v15.32746>. Acesso em: 8 maio 2023.

CARVALHO, S. “Política de Drogas: mudanças e paradigmas (nas trincheiras de uma política criminal com derramamento de sangue: depoimento sobre os danos diretos e colaterais provocados pela guerra às drogas)”. Revista da EMERJ, vol. 16, n° 63 (Edição Especial - Drogas: Dos Perigos da Proibição à Necessidade da Legalização), p. 46-61, out. - dez. 2013.

CEFAÏ, D. “Públicos, problemas públicos, arenas públicas... O que nos ensina o pragmatismo (Parte 2)”. Novos Estudos, vol. 36, n° 2, p. 129-142, 2017. Disponível em: <https://doi.org/10.25091/S0101-3300201700020007>. Acesso em: 8 maio 2023.

CHONG, D.; DRUCKMAN, J. N. “A theory of framing and opinion formation in competitive elite environments”. Journal of Communication, nº 57, p. 99-118, 2007. Disponível em: <https://doi.org/10.1111/j.1460-2466.2006.00331.x>. Acesso em: 8 maio 2023.

COLLING, L. “Agenda-setting e framing: reafirmando os efeitos limitados”. Revista FAMECOS, nº 14, p. 88-101, 2001. Disponível em: <https://doi.org/10.15448/1980-3729.2002.17.3154>. Acesso em: 8 maio 2023.

ENTMAN, R. M. “Framing: toward clarification of a fractured paradigm”. Journal of Communication, vol. 43, nº 4, p. 51-58, 1993. Disponível em: <https://doi.org/10.1111/j.1460-2466.1993.tb01304.x>. Acesso em: 8 maio 2023.

FERES JR., J. “Em defesa das valências: uma réplica”. Revista Brasileira de Ciência Política, nº 19, p. 277-298, jan.-abr., 2016. Disponível em: <https://doi.org/10.1590/0103-335220161911>. Acesso em: 8 maio 2023.

FERNANDES, E. G. “Campos de batalha jornalística: os enquadramentos construídos por Zero Hora, Diário Gaúcho e Sul21 na luta pela (i)legitimidade do ciclo de manifestações de 2013, em Porto Alegre/RS”. Dissertação de Mestrado em Sociologia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS, Porto Alegre, 2016. Disponível em: <https://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/142444>. Acesso em: 8 maio 2023.

FERNANDES, L. “A problemática da droga no telejornalismo brasileiro – uma análise da série de reportagens 'O avanço da maconha' do Jornal da Band”. In: Anais do XXXVIII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, 2015.

FIORE, M. “O lugar do Estado na questão das drogas: o paradigma proibicionista e as alternativas”. Novos Estudos - CEBRAP, nº 92, p. 9-21, 2012. Disponível em: <https://doi.org/10.1590/S0101-33002012000100002>. Acesso em: 8 maio 2023.

FLIGSTEIN, N.; MCADAM, D. “Toward a general theory of strategic action fields”. Sociological Theory, vol. 29, nº 1, p. 2-26, 2011. Disponível em: <https://www.jstor.org/stable/41057693>. Acesso em: 8 maio 2023.

FLIGSTEIN, N.; MCADAM, D. A theory of fields. Oxford: Oxford University Press, 2012.

GOFFMAN, E. Os quadros da experiência social: uma perspectiva de análise. Petrópolis: Vozes, 2012.

GOLDSTONE, J.; USEEM, B. “Putting values and institutions back into the theory of strategic action fields”. Sociological Theory, vol. 30, nº 1, p. 37-47, 2012. Disponível em: <https://doi.org/10.1177/0735275112437161>. Acesso em: 8 maio 2023.

GOULART, S. L. O tema das drogas e o grupo folha: a Folha de São Paulo e o Agora São Paulo. Texto apresentado ao Núcleo de Estudos Interdisciplinares sobre psicoativos (NEIP), 2011.

GUTMANN, J. F. “Quadros narrativos pautados pela mídia: framing como segundo nível do agenda-setting?”. Contemporânea, vol. 4, nº 1, p. 25-50, jun. 2006.

HYPOLITO, L. G.; AZEVEDO, R. G. O mercado formal da cannabis: Holanda, Uruguai e Canadá. In: AZEVEDO, D. G. (org.). Estudo transdisciplinar das relações de consumo. Jundiaí: Paco, p. 115-132, 2019.

KIEPPER, A. As novíssimas iniciativas sobre drogas no Brasil. In: BOKANY, V. (org.). Drogas no Brasil: entre a saúde e a justiça: proximidades e opiniões. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, p. 47-53, 2015.

KIEPPER, A.; ESHER, Â. “A regulação da maconha no Senado Federal: uma pauta da Saúde Pública no Brasil”. Cadernos de Saúde Pública, vol. 30, n° 8, 2014.

LORENC VALCARCE, F. “La sociología de los problemas públicos – una perspectiva crítica para el estudio de las relaciones entre la sociedad y la política”. Nómadas. Critical Journal of Social and Juridical Sciences, vol. 12, nº 02, 2005.

MAIA, R. “Debates públicos na mídia: enquadramentos e troca pública de razões”. Revista Brasileira de Ciência Política, nº 2, p. 303-340, jul.-dez. 2009.

MAYER, A. B.; SANTOS, C.; CHAGAS, A. T. “Os discursos controversos sobre a legalização da maconha”. Psicologia.pt, 2016.

MIGUEL, L. F. “Quanto vale uma valência?”. Revista Brasileira de Ciência Política, nº 17, p. 165-78, 2015.

MIRAGLIA, P. Drugs and drug trafficking in Brazil: trends and policies. Foreign Policy at Brookings. Center for 21st Century Security and Intelligence - Latin America Initiative, 2016.

PRANDI, R.; SANTOS, R. W. “Quem tem medo da bancada evangélica? Posições sobre moralidade e política no eleitorado brasileiro, no Congresso Nacional e na Frente Parlamentar Evangélica”. Tempo Social, vol. 29, nº 2, p. 187-213, 2017.

PETUCO, D. R. S. “Entre imagens e a palavra: o discurso de uma campanha de prevenção ao crack”. Dissertação de Mestrado em Educação, Universidade Federal da Paraíba – UFP, João Pessoa, 2011. Disponível em: <https://repositorio.ufpb.br/jspui/handle/tede/4621>. Acesso em: 8 maio 2023.

ROCHA, L. M. S. “Jornalismo e Razão Comunicativa: uma análise do método jornalístico em reportagens sobre a maconha nas revistas Veja e Superinteressante”. Anais do XXXIX Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, São Paulo, 2016.

RODRIGUES, L. B. F. “Controle penal sobre as drogas ilícitas: o impacto do proibicionismo no sistema penal e na sociedade”. Tese de Doutorado em Direito, Universidade de São Paulo - USP, São Paulo, 2006.

RODRIGUES, T. M. S. “A infindável guerra americana: Brasil, EUA e o narcotráfico no continente”. São Paulo em Perspectiva, vol. 16, nº 2, p. 102-111, 2002.

ROSSETTO, G. P. N.; SILVA, A. M. “Agenda-setting e Framing: detalhes de uma mesma teoria?”. Intexto, nº 26, p. 98-114, jul. 2012.

SCHEUFELE, D. A. “Framing as a theory of media effects”. Journal of Communication, vol. 49, nº 1, p. 103-122, 1999.

SCHEUFELE, D. A.; TEWKSBURY, D. “Framing, agenda setting, and priming: the evolution of three media effects models”. Journal of Communication, vol. 57, nº 1, p. 9-20, mar. 2007.

SCHILLAGI, C. “Problemas públicos, casos resonantes y escándalos”. Polis, vol. 10, nº 30, p. 245-266, 2011. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.4067/S0718-65682011000300012>. Acesso em: 8 maio 2023.

SILVA, C. G. “O conflito ideológico no discurso sobre a maconha: uma abordagem dialógica de matérias impressas veiculadas na mídia brasileira”. Trabalho de Conclusão de Curso de Graduação em Letras, Universidade Estadual Paulista, Araraquara, 2013.

SILVA, M. B.; DELDUQUE, M. C. “Patologização e penalização do uso de drogas: uma análise socioantropológica de proposições legislativas (2007-2010)”. Physis: Revista de Saúde Coletiva, vol. 25, nº 1, p. 231-250, 2015.

SOUSA, Y. S. O. “Maconha e representações sociais: a construção discursiva da cannabis em contextos midiáticos”. Dissertação de Mestrado em Psicologia, Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Recife, 2013.

SOUSA, Y. S. O.; SANTOS, M. F. S.; ALÉSSIO, R. L. S. “Maconha e representações sociais e matérias de jornal”. Psicologia: Teoria e Pesquisa, vol. 34, 2018.

SOUSA, Y. S. O.; SANTOS, M. F. S.; APOSTOLIDIS, T. “Drogas no espaço público: consumo, tráfico e política na imprensa brasileira”. Psicologia: Ciência e Profissão, vol. 40, p. 1-16, 2020.

SOUTHIER, D. “O campo discursivo sobre drogas e o posicionamento de Fernando Henrique Cardoso”. Dissertação de Mestrado em Sociologia Política, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Florianópolis, 2016.

STEIBEL, F.; MARINKOVA, M. “Positivo, negativo ou neutro? Um olhar de métodos mistos sobre a variável ‘valência’ em análises de conteúdo jornalístico”. E-Compós, vol. 16, nº 2, 2013.

TEIXEIRA, A. N. Análise qualitativa com o programa NVivo 12: Fundamentos. Porto Alegre: UFRGS, 2020.

TEIXEIRA, A. N.; BECKER, F. “Novas possibilidades da pesquisa qualitativa via sistemas CAQDAS”. Sociologias, vol. 3, nº 5, p. 94-113, 2001.

TEIXEIRA, M. B., et al. “Tensões paradigmáticas nas políticas públicas sobre drogas: análise da legislação brasileira no período de 2000 a 2016”. Ciência & Saúde Coletiva, vol. 22, nº 5, p. 1455-1466, 2017.

TORCATO, C. E. M. “A história das drogas e sua proibição no Brasil: da Colônia à República”. Tese de Doutorado em História Social, Universidade de São Paulo (USP), São Paulo, 2016.

VALOIS, L. C. O Direito penal da guerra às drogas. 3ª ed. Belo Horizonte: D’Plácido, 2019.

VENTURI, G. “Consumo de drogas, opinião pública e moralidade: motivações e argumentos baseados em uso”. Tempo Social - Revista de Sociologia da USP, São Paulo, vol. 29, nº 2, p. 159-186, 2017.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2023 Opinião Pública

Downloads

Não há dados estatísticos.