Cáceres - nome luso de cidade mato-grossense

  • Neuza Zattar Universidade do Estado de Mato Grosso
Palavras-chave: Semântica do acontecimento. Nome próprio. Nomeação. Vila. Cidade

Resumo

Vários foram os nomes dados à Villa Maria do Paraguay (1778) até a sua transformação em cidade nomeada como Cáceres (1938) em acontecimentos do dizer perpassados pela história e pela memória luso-brasileira. Neste artigo, desenvolvido na perspectiva da Semântica do Acontecimento, tomamos os nomes próprios de vila e cidade como uma construção linguística e histórica exposta à exterioridade, cujos sentidos se alteram, dispersam e também se mantêm. Em relação à legislação urbana, observamos que exceto a ata de fundação que institui um plano de edificação para a vila, os Códigos de Postura (1860, 1876, 1948) funcionam como o interpretável do que se diz em relação a um passado de enunciações em que os nomes foram se dando.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Neuza Zattar, Universidade do Estado de Mato Grosso
Professora do Departamento de Letras e do Programa de Mestrado em Linguística da Universidade do Estado de Mato Grosso -UNEMAT/Cáceres. Universidade do Estado de Mato Grosso, Departamento de Letras, Campus de Cáceres.

Referências

ARAUJO, Renata Malcher de. Coimbra, Albuquerque e Vila Maria: A Guarda do Paraguai. In: A Urbanização do Mato Grosso: discurso e método. Tese de Doutorado. Universidade Nova de Lisboa, 2001.

ARAUJO, Renata Malcher de. A urbanização da Amazónia e do Mato Grosso no século XVIII, povoações civis, decorosas e úteis para o bem comum da coroa e dos povos”. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0101-7142012000100003&script=sci_arttext. Acesso em: 10/12/2013.

BERGER, John. Modos de ver. Tradução Lúcia Olinto. Rio de Janeiro: Rocco, 1999.

CORBALAN Kleber Roberto Lopes. Igreja Católica na Cuiabá Colonial: da primeira Capela à chegada do primeiro Bispo (1722 - 1808). Dissertação de mestrado, PPGHis, UFMT, 2006. Disponível em: https://www.google.com.br/search?q=CORBALAN+Klber+Roberto+Lopes.+Igreja+Católicca+na+Cuiabá+Colonial%3A+da+primeira+Capela+à+chegada+do+primeiro+Bispo+(1722+-808&oq 808&oq Acesso em: 10/03/2014.

DERNDT, Maria Fernanda. Método e Arte: criação urbana e organização territorial na capitania de São Paulo 1765-1811. Tese de Doutorado. Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP, 2010.

FLEXOR, Maria Helena Ochi. Núcleos urbanos planejados do século XVIII. In: Rua, Salvador-BA, 1988, 1 (1), p. 89-114.

FLORENCE, Hercules. Viagem fluvial do Tietê ao Amazonas. Autor [texto introdutório] e tradução Visconde de Taunay; prefácio de Mario Guimarães Ferri. SP: Cultrix, Editora da USP, 1977.

FREYRE, Gilberto. Contribuição para uma sociologia da biografia. Edição da Fundação Cultural de Mato Grosso (Em comemoração ao bicentenário de fundação das cidades de Corumbá e Cáceres), 1978.

GUIMARÃES, Eduardo. Enunciação e história. In: História e sentido na linguagem. (Org.). Campinas, SP: Pontes, 1989.

GUIMARÃES, Eduardo. Texto e argumentação: um estudo de conjunções do português. 3. ed. Campinas, SP: Pontes, 2002.

GUIMARÃES, Eduardo. Os limites do sentido: um estudo histórico e enunciativo da linguagem. 3. ed. Campinas, SP: Pontes, 2005a.

GUIMARÃES, Eduardo. Semântica do Acontecimento. 2. ed. Campinas, SP: Pontes, 2005b.

GUIMARÃES, Eduardo. Domínio semântico de determinação. In: MOLLICA, Maria Cecília e GUIMARÃES, Eduardo. (Orgs.). A palavra: forma e sentido. Campinas: Pontes Editores, RG Editores, 2007.

GUIMARÃES, Eduardo. Análise de Texto. Procedimentos, Análise, Ensino. Campinas, Editora RG, 2011.

GUIMARÃES, Eduardo. Em torno do nome próprio de cidade sobre a produção dos sentidos de uma origem. In: Cadernos de Estudos Linguísticos. Unicamp. IEL, Campinas: SP, no 53(2), Jul/Dez 2011.

KEHDI, Valter. Formação de palavras em português. 4. ed. São Paulo: Ática, 2007.

MENDES, Natalino Ferreira. História de Cáceres: história da administração municipal. 2. ed. Revisão atualizada. Cáceres-MT: Editora UNEMAT, 2009.

ORLANDI, Eni P. Interpretação; autoria, leitura e efeitos de trabalho simbólico. Petrópolis, RJ: Vozes, 1996.

ORLANDI, Eni P. A fundação de um Estado: cidade de São Salvador, Brasil. In: Cadernos de Estudos Linguísticos. Unicamp. IEL, Campinas: SP, no 53(2), Jul/Dez 2011.

PAYER, Maria Onice. O rural no espaço público urbano. In: ORLANDI, Eni P. (Org.). A cidade atravessada – Os sentidos públicos no espaço urbano. Campinas: Pontes, 2001.

ROLNIK, Raquel. A cidade e a lei: legislação, política urbana e territórios na cidade de São Paulo. São Paulo: Studio Nobel-FAPESP, 1997. (Coleção cidade aberta)

ROLNIK, Raquel. O que é cidade? São Paulo: Brasiliense, 2004.

ZATTAR, Neuza. As calçadas: espaços públicos ou privados? In: Línguas e Instrumentos Linguísticos. Ed. 23/245, jan./jun.; jul./dez, Campinas: IEL, 201

Publicado
2015-07-02
Como Citar
Zattar, N. (2015). Cáceres - nome luso de cidade mato-grossense. RUA, 21(1), 155-170. https://doi.org/10.20396/rua.v21i1.8637528
Seção
Estudos