Banner Portal
E quando a pichação é da prefeitura? Pichar, proscrever, dessubjetivizar
PDF

Palavras-chave

Relato. Fotorreportagem. Periferia. Análise do discurso

Como Citar

MARIANI, B.; MEDEIROS, V. E quando a pichação é da prefeitura? Pichar, proscrever, dessubjetivizar. RUA, Campinas, SP, v. 19, n. 1, p. 5–15, 2015. DOI: 10.20396/rua.v19i1.8638229. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rua/article/view/8638229. Acesso em: 27 mar. 2023.

Resumo

Neste trabalho focalizamos dois gestos de interpretação que, inscritos em moradias populares, materializam dois diferentes processos de significação: a escrita de uma sigla em casas de uma favela e fotografias de moradores nas paredes externas às casas marcadas com a referida sigla. Dois gestos antagônicos que decorrem de um programa da prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro, “Morar Carioca”, programa articulado ao um projeto governamental, o Projeto Porto Maravilha.

https://doi.org/10.20396/rua.v19i1.8638229
PDF

Referências

BARTHES, Roland. 2009. A câmara clara. Lisboa: edições 70.

BIRMAN, Joel. 2006. Arquivos do mal-estar e da resistência, Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

CAMPOS, Andrelino. 2007. Do quilombo à favela: a produção do “espaço criminalizado” no Rio de Janeiro, 2a. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

DAVIS, Mike. 2006. Planeta favela, São Paulo: Boitempo.

DINIZ, André e HORA, Maurício. 2011. Morro da favela, São Paulo: Leya.

ELIA, Luciano. 2010. O inconsciente público e coletivo e a estrutura da experiência psicanalítica. Trabalho apresentado no IV congresso de Psicopatologia Fundamental, organizado pela Associação Universitária de Pesquisa em Psicopatologia Fundamental. Curitiba.

FLUSSER, Vilém. (.2011. Filosofia da caixa preta. São Paulo: Annablume.

HEIDEGGER, Martin. “Construir, habitar, pensar”. Tradução por Marcia Sá Cavalcante Schuback. In: http://www.prourb.fau.ufrj.br/jkos/p2/heidegger_construir,%20habitar,%20pensar.pdf

HOUAISS, Dicionário eletrônico Houaiss da língua portuguesa. 2003. versão eletrônica.

GINSBURG, Carlo. 1989. Mitos, emblemas, sinais: morfologia e história. São Paulo: Companhia das Letras.

GUELLER, Viviane. 2001. Sem título. Fotografia.

HENRIQUES, Claudio. 2007. Morfologia, Rio de Janeiro: Elsevier.

MARIANI, B. e MEDEIROS, V.. 2011. “MULHER na FAVELA e CONFRONTO

POLICIAL: por um arquivo de imagens”, In: Mariani, Bethania; Medeiros, Vanise; Silva, Silmara Dela. (org.) Discurso, arquivo e... Rio e Janeiro: 7LETRAS.

MULTITUDES, Inculte Revue, no. 49, été, (2012), pag. 114-131. Revista impressa e em site: www.revuemultitude.net.

ORLANDI, E. P. 2008. “Violência e Processos de Individualização dos sujeitos na contemporaneidade.” In: SARGENTINI, V. e GREGOLIN, M. S. (orgs.) Análise do discurso: heranças, métodos e objetos, Sargentini, São Carlos, Claraluz.

ORLANDI, E. P. 2010. Formas de individuação do sujeito feminino e sociedade contemporânea: o caso da delinqüência. IN: ORLANDI, Eni (org.) Discurso e políticas públicas urbanas; a fabricação do consenso. Campinas, RG Editora.

ORLANDI, E. P. 2004. Cidade dos sentidos, Campinas, SP: Pontes.

PÊCHEUX, Michel. (1988 [1975]) Semântica e discurso. Campinas, Ed. Da UNICAMP.

RISÉRIO, Antonio, A cidade no Brasil, (2012) São Paulo: 34 ed..

SONTAG, Susan. Diante da dor dos outros, (2003) São Paulo: Companhia das Letras.

SONTAG, Susan. Sobre a fotografia, (2004) São Paulo: Companhia das letras.

SILVA, Luiz Antonio Machado (2009). “Quarenta anos de sociologia das classe populares urbanas”, in: Carneiro, Sandra de Sá; Sant ́Anna, Maria Josefina Gabriel (orgs.), Cidades, olhares, trajetórias, Rio de Janeiro: Garamond, FAPERJ.

O periódico RUA utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.