A Copa do Mundo de Futebol de 2014 e o (novo) Mineirão

Autores

  • Priscila Augusta Ferreira Campos Universidade Estadual de Campinas
  • Silvia Cristina Franco Amaral Universidade Estadual de Campinas

DOI:

https://doi.org/10.20396/rua.v19i1.8638233

Palavras-chave:

Futebol. Copa do Mundo. Estádio. Belo Horizonte. Cidade. Lazer

Resumo

Esse artigo objetiva analisar o conceito ‘novo’ que adjetiva o Estádio Governador Magalhães Pinto, Belo Horizonte/MG. Far-se-á uma análise entre os discursos e documentos de sua construção, em 1965, e de sua reforma para a Copa em 2014. Há permanências (necessidade de ser moderno, passar uma autoimagem positiva do País) e mudanças (diferenciação do conhecimento técnico-científico-informacional, transformação dos estádios, apropriação do espaço público pelo setor privado) nesse processo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Priscila Augusta Ferreira Campos, Universidade Estadual de Campinas

Doutoranda da linha de pesquisa Educação Física e Sociedade do programa de Pós-graduação da Faculdade de Educação Física, da UNICAMP.

Silvia Cristina Franco Amaral, Universidade Estadual de Campinas

Docente da Faculdade de Educação Física da UNICAMP, coordenadora do Grupo de Estudos e Pesquisa em Políticas Públicas e Lazer.

Referências

ASSUMPÇÃO, Luís Otávio Teles. 2004. O Temp(l)o das Geraes: a nova ordem do futebol brasileiro. Montes Claros: Editora UNIMONTES.

BELL, Daniel. 1973. O advento da sociedade pós-industrial: uma tentativa de previsão social. São Paulo: Cultrix.

DAMO, Arlei S. 2012. O desejo, o direito e o dever - A trama que trouxe a Copa ao Brasil. Movimento, Porto Alegre, v. 18, n. 02, p., abr/jun de 2012. Disponível em http://seer.ufrgs.br/Movimento/article/view/29910/18832. Acesso em jul. de 2012

DUARTE, Regina Horta. 2009. O lugar da cidade universitária. In: STARLING, Heloisa M. M; DUARTE, Regina H. (orgs.). Cidade Universitária da UFMG: história e natureza. Belo Horizonte: Editora da UFMG, p. 19-67.

FIFA. 2011. Estádios de futebol: recomendações e requisitos técnicos. 5ed. 2011. Disponível em http://pt.fifa.com/mm/document/tournament/competition/01/37/17/76/p_sb2010_stadiumbook_ganz.pdf. Acesso em jul. 2012.

GORZ, André. 2005. O Imaterial. Conhecimento, Valor e Capital. São Paulo: Annablume.

IANNI, Octavio. 1998. Globalização e neoliberalismo. São Paulo em Perspectiva, n.12, v.2, p. 27-32. Disponível em http://www.seade.gov.br/produtos/spp/v12n02/v12n02_03.pdf. Acesso em set. de 2012.

LE GOFF, Jacques. 1990. História e Memória. Campinas: Editora da UNICAMP.

MASCARENHAS, Fernando. 2012. Megaeventos esportivos e Educação Física: alerta de tsunami. Movimento, Porto Alegre, v. 18, no 01, p. 39-67, jan/mar de 2012

MASCARENHAS, Gilmar. 2008. Megaeventos esportivos e urbanismo: contextos históricos e legado social. Legados de Megaeventos Esportivos. Brasília: Ministério do Esporte, p.195-199.

MINAS GERAIS. s.d. Novo Mineirão. Disponível em http://www.copa.mg.gov.br/novomineirao/. Acesso em jun de 2012.

MINAS GERAIS, BELO HORIZONTE. s.d. Planejamento Estratégico Integrado: Projeto Copa 2014 – Governo de Minas Gerais e Prefeitura de Belo Horizonte. s.d. Disponível em http://pt.scribd.com/doc/54704547/Planejamento-Estrategico-Integrado-Projeto-Copa-2014-MG. Acesso em jul. de 2012.

OLIVEIRA, Francisco. 1999. Privatização do público, destituição da fala e anulação da política. Os sentidos da democracia: políticas do dissenso e a hegemonia global. Petrópolis: Vozes, p. 55-81.

RAEDER, Sávio. 2010. Jogos & Cidades: ordenamento territorial urbano em sedes de megaeventos esportivos. Brasília: Ministério do Esporte.

SANTOS, André Carazza dos. 2005a. A Copa do Mundo no Brasil (1950): Belo Horizonte e o ideal de cidade almejado para encantar os estrangeiros. Efdeportes Revista Digital, Buenos Aires, año 10, n.86. Disponível em http://www.efdeportes.com/efd86/copa.htm. Acesso: 25 mai. 2012

SANTOS, André Carazza dos. 2005b. Estádio Mineirão: orgulho e redenção do futebol mineiro. Efdeportes Revista Digital, Buenos Aires, año 10, n.87. Disponível em http://www.efdeportes.com/efd87/mineirao.htm. Acesso: 25 mai. 2012.

SANTOS, Milton. 1977. A totalidade do diabo: como as formas geográficas difundem o capital e mudam estruturas sociais. Contexto, Hucitec. Disponível em http://miltonsantos.com.br/site/wp-content/uploads/2011/08/A-TOTALIDADE-DO-DIABO-como-as-formas-geograficas-difundem_MiltonSantos1977.pdf. Acesso em jun. 2012.

SANTOS, Milton. 1988. O meio técnico-científico e a urbanização no Brasil. Espaço & Debate, no 25, p. 58-63.

SANTOS, Milton. 1999. O território e o saber local: algumas categorias de análise. Cadernos IPPUR, Rio de Janeiro, ano XIII, no 2, p. 5-26.

SANTOS, Milton. 2005. A urbanização brasileira. 5ed. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo.

VAINER, Carlos. 2007. Fragmentação e Projeto Nacional: desafios para o planejamento territorial. Anais XII Encontro da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Planejamento Urbano e Regional, Belém.

Downloads

Publicado

2015-07-07

Como Citar

CAMPOS, P. A. F.; AMARAL, S. C. F. A Copa do Mundo de Futebol de 2014 e o (novo) Mineirão. RUA, Campinas, SP, v. 19, n. 1, p. 41–55, 2015. DOI: 10.20396/rua.v19i1.8638233. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rua/article/view/8638233. Acesso em: 29 nov. 2022.

Edição

Seção

Estudos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)