Banner Portal
O corpo na relação trabalho x prazer
PDF

Palavras-chave

Prostituição. Prazer. Profissão. Corpo

Como Citar

FERNANDES, F. S.; MALUF-SOUZA, O. O corpo na relação trabalho x prazer. RUA, Campinas, SP, v. 19, n. 1, p. 75–93, 2015. DOI: 10.20396/rua.v19i1.8638235. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rua/article/view/8638235. Acesso em: 28 fev. 2024.

Resumo

Este artigo tem como objetivo analisar a relação corpo-trabalho-prazer nas práticas de prostituição. Questionamos o que é o trabalho na relação com o corpo, o que é o corpo na relação com o trabalho e com o prazer? Nessa direção, pretendemos neste estudo abordar a teoria da Análise de Discurso de linha francesa, que tem como objeto teórico o discurso, no qual encontramos as marcas de ruptura que nos permitirão compreender, através dos gestos de interpretação, como o sentido faz sentido.

https://doi.org/10.20396/rua.v19i1.8638235
PDF

Referências

DHOQUOIS, R. 2003. O direito do trabalho e o corpo da mulher (França: séculos XIX e XX) Proteção da produtora ou da reprodutora? In: MATOS, Maria. Izilda S, SOLHET, Rachel. O corpo feminino em debate. São Paulo: Editora UNESP.

FOUCAULT, M. 1988. História da Sexualidade I: A vontade de saber. Tradução de Maria Thereza da Costa Albuquerque e J. A. Guilhon Albuquerque. 18a ed. Rio de Janeiro, Edições Graal.

FOUCAULT, M. 2008. Vigiar e Punir: nascimento da prisão. tradução Raquel Ramalhete. 35a ed. Petrópolis, RJ: Vozes.

FOUCAULT, M. 1979. Microfísica do Poder. Rio de Janeiro: Edições Graal.

FREUD, S. [1930]. 1974. O mal-estar na civilização. In Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud. Rio de Janeiro: Imago Editora LTDA.

GADET, F.; PÊCHEUX, M. 2010. A língua inatingível: o discurso na história da linguística. 2a ed. Tradução: Bethania Mariani e Maria Elizabeth Chaves de Mello. Campinas: Editora RG.

HAROCHE, C. 1992. Fazer dizer, querer dizer. Tradução de Eni Pulcinelli Orlandi com a colaboração de Freda Indursky e Marise Manoel. São Paulo: Editora HUCITEC.

LAGAZZI, S. 1988. O desafio de dizer não. Campinas, SP: Pontes.

LAGAZZI, S. 2011. Análise de discurso: a materialidade significante na história. In.: DI RENZO (et. al.) Linguagem, História e Memória: discursos em movimento. Campinas, SP: Pontes.

ORLANDI, E. P. 1998. Paráfrase e Polissemia: A Fluidez nos Limites do Simbólico. In: RUA: Revista do Núcleo do Desenvolvimento da Criatividade da UNICAMP – NUCREDI, Campinas, SP, no. 4, março.

ORLANDI, E. P. 2002. Preconceito. In: ORLANDI, E. Língua e conhecimento lingüístico: para uma história das ideias do Brasil. São Paulo: Cortez.

ORLANDI, E. P. 2005. Discurso e texto: formulação e circulação dos sentidos. 2a ed. Campinas, SP: Pontes.

ORLANDI, E. P. 2007a. Análise de discurso: princípios e procedimentos. 7a ed. Campinas, SP: Editora Pontes.

ORLANDI, E. P. 2007b. Interpretação: autoria, leitura e efeitos do trabalho simbólico. 5a ed. Campinas, SP: Pontes Editores.

ORLANDI, E. P. 2007c. As formas do silêncio: no movimento dos sentidos. 6a ed. Campinas, SP: Editora da Unicamp.

PÊCHEUX, M. 2009. Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. Trad. Eni Puccinelli Orlandi (et al.). 4a ed. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2009.

PÊCHEUX, M. 2008. O discurso: estrutura ou acontecimento. 5a Ed. Campinas, SP: Pontes.

PERROLT, M. 2003. Os silêncios do corpo da mulher. In: MATOS, Maria. Izilda S, SOLHET, Rachel. O corpo feminino em debate. São Paulo: Editora UNESP.

RAGO, L. M. 1985. Do cabaré ao lar: a utopia da cidade disciplinar. Brasil 1890-1930. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

RAGO, L. M. 2008. Os prazeres da noite: prostituição e códigos da sexualidade em São Paulo (1890-1930). 2a ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

RODRIGUES, M. T. 2009. A prostituição no Brasil contemporâneo: um trabalho como outro qualquer? In: Revista Katálysis. Florianópolis, v.12 n.1 p. 68-76 jan./jun. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rk/v12n1/09.pdf, acessado em 10 de fevereiro de 2010.

SCHLINDWEIN, A. F. 2009. Páginas da Vida. Um gesto analítico discursivo sobre a prostituição. Campinas, São Paulo: Dissertação de Mestrado. Disponível em: libdigi.unicamp.br/document/?view=000446921, acessado em julho de 2010.

O periódico RUA utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.