Sentidos do/no corpo interpelado pelo câncer de mama

Autores

  • Lívia Fabiana Saço Universidade Federal de Juiz de Fora
  • Eliana Lúcia Ferreira Universidade Federal de Juiz de Fora

DOI:

https://doi.org/10.20396/rua.v19i1.8638236

Palavras-chave:

Mulher. Mastectomia. Corpo

Resumo

A presente pesquisa teve como objeto o discurso de mulheres acometidas pelo câncer de mama e objetivou compreender de que maneira o ser mulher interpelado pelo câncer de mama se significa e/ou é significado corporalmente. Foi desenvolvida através da perspectiva teórica da Análise de Discurso em sua vertente francesa e apresentou seu Corpus constituído por 27 entrevistadas que passaram pela cirurgia da mama para a retirada do tumor. Observamos que as discursividades sobre o corpo expresso pela mulher interpelada pelo câncer de mama mostram um discurso social, evidenciando as marcas dos limites, das ambiguidades e das contradições presentes no desenvolvimento da doença e na feminilidade do ser mulher. A passagem pela doença produz novas formas de significação, novas organizações do dizer, novos processos de identificação, outras modalidades de subjetivação. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lívia Fabiana Saço, Universidade Federal de Juiz de Fora

Fisioterapeuta; mestre em Educação Física; Universidade Federal de Juiz de Fora.

Eliana Lúcia Ferreira, Universidade Federal de Juiz de Fora

Educadora Física, doutora em Educação Física, Departamento de Fundamentos, UFJF.

Referências

ASCOMCER. Histórico Hospital Ascomcer (2011). Disponível em: http://www.ascomcer.com.br/frmExibirConteudo.aspx?id=3. Acesso em: 18 dez. 2011.

AURELIANO, W. A. 2007. Vênus Revisitada: negociações sobre o corpo na experiência do câncer de mama. Barbarói, São Caetano do Sul, v. 27, p. 107-129, jul./dez.

CARDOSO, F. S. 2009. Entre silêncios, sussurros e gritos: o corpo feminino atravessado pelo câncer de mama. 2009. 126 f. Dissertação (Mestrado em Educação Física) – Faculdade de Educação Física, Universidade Federal de Juiz de Fora , Juiz de Fora.

CONCEIÇÃO, L. L.; LOPES, R. L. M. 2008. O cotidiano de mulheres mastectomizadas: do diagnóstico à quimioterapia. Revista de Enfermagem UERJ, Rio de Janeiro, v. 16, n. 1, p. 26-31.

FABBRO, M.R.C; MONTRONE, A.V.G; SANTOS, S. dos. 2010. Percepções, conhecimentos e vivências de mulheres com câncer de mama. Revista Enfermagem, UERJ, Rio de Janeiro, v. 16, n. 4, p. 532-537, out./dez. 2008. Disponível em: http://lildbi.bireme.br/lildbi/docsonline/lilacs/20090500/370_v16n4a13.pdf. Acesso em: 20 dez.

FERREIRA, E. L. 2003. Corpo-movimento-deficiência: as formas dos discursos da/na dança em cadeira de rodas e seus processos de significação. 2003. 268 f. Tese (Doutorado em Educação Física) – Faculdade de Educação Física, Universidade Estadual de Campinas, Campinas..

FERREIRA, E. L. Corpo-Movimento-Deficiência: as formas dos discursos da/na dança em cadeira de rodas e seus processos de significação.2005. Juiz de Fora: CBDCR, 2005.

FERREIRA, E. L.; ORLANDI, E.P. 2001. O discurso corporal atravessado pela dança em cadeira de rodas. In: ORLANDI, E. P. (Org.). Cidade atravessada: os sentidos públicos no espaço urbano. Campinas: Pontes, v. 1, p. 1-190.

FREITAS, S. R. Qualidade de vida, satisfação com a cirurgia e morbidade no ombro e braço de mulheres com câncer de mama submetidas à quadrantectomia ou à mastectomia com reconstrução imediata. Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia, Rio de Janeiro, v. 32, n. 2, p. 99-108, fev. 2010.

JURBERG, C.; GOUVEIA, M.E.; BELISÁRIO, C. Na mira do câncer: o papel da mídia brasileira. Revista Brasileira de Cancerologia, Rio de Janeiro, v. 52, n. 2, p. 139-146, abr./jun. 2006.

MICELI, A.V.P. Laços e nós: a comunicação na relação médico-paciente com câncer e dor crônica. 2009. 127 f. Dissertação (Mestrado em Saúde Coletiva) – Instituto de Medicina Social/UERJ, Rio de Janeiro, 2009. Disponível em: http://www.tesesims.uerj.br/lildbi/docsonline/pdf/miceli_ana.pdf. Acesso em: 20 jul. 2010.

ORLANDI, E. P. 2001. A desorganização cotidiana. In: Escritos no 1: percursos sociais e sentidos nas cidades. Labeurb/Nudecri, Unicamp. p. 3-10.

ORLANDI, E. P. 2001. Discurso e texto: formulação e circulação dos sentidos. Campinas, SP: Pontes.

ORLANDI, E. P. 2007. Análise de Discurso: princípios e procedimentos. Campinas, SP: Pontes.

PAIVA, L. L.; GOELLNER, S. V. Reinventando a vida: um estudo qualitativo sobre os significados culturais atribuídos à reconstrução corporal de amputados mediante a protetização. Interface – Comunicação, Saúde, Educação, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, São Paulo, v. 12, n. 26, p. 485-497, jul./set. 2008.

PARK, L. C.; ZLATEVA, L.; BLANK, O. T. Self-identity After Cancer: “Survivor”, “Victim”, “Patient”, and “Person with Cancer”. Journal of General International Medicine, Heidelberg, v. 24, n. 2, p. 430-435, Nov. 2009.

SEIXAS, R. J.; KESSLER, A.; FRISON, V.B. Atividade física e qualidade de vida em pacientes oncológicos durante o período de tratamento quimioterápico. Revista Brasileira de Cancerologia, Rio de Janeiro, v. 56, n. 3, p. 321-330, jul./set., 2010.

SHAMLEY, D.R. et al. Changes in shoulder muscle size and activity following treatment for breast cancer. Breast Cancer Research Treatment, Boston,v. 106, p. 19-27, Apr. 2007.

SILVA, L. C. Câncer de mama e sofrimento psicológico: aspectos relacionados ao feminino. Psicologia em Estudo, Maringá, v. 13, n. 2, p. 231-237, abr./jun. 2008.

VIEIRA, C.P.; QUEIROZ, M.S. Representações sociais sobre o câncer feminino: vivência e contexto institucional. Psicologia e Sociedade, Porto Alegre, v. 18, p. 63-70, jan./abr. 2006.

Downloads

Publicado

2015-07-07

Como Citar

SAÇO, L. F.; FERREIRA, E. L. Sentidos do/no corpo interpelado pelo câncer de mama. RUA, Campinas, SP, v. 19, n. 1, p. 95–106, 2015. DOI: 10.20396/rua.v19i1.8638236. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rua/article/view/8638236. Acesso em: 30 set. 2022.

Edição

Seção

Estudos