O ritual da mística no processo de identificação e resistência

Autores

  • Indursky Freda Universidade Federal do Rio Grande do Sul

DOI:

https://doi.org/10.20396/rua.v20i0.8638260

Palavras-chave:

Mística. Pulsão político-social. Produção coletiva do desejo. Prática político-ritualística. Identificação/reidentificação. Resistência

Resumo

O trabalho examina o ritual da mística em práticas do MST. A mística, designação empregada pelos sem-terra, consiste em acontecimentos sócio-políticos que se manifestam em práticas discursivas e não-discursivas através das quais os sem-terra identificam-se e reidentificam-se com os saberes do MST. Esses rituais simbolizam uma forte economia coletiva do desejo, atualizando a memória de suas lutas em contraposição a saberes-outros, oriundos de campos diferentes e/ou adversos da sociedade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Indursky Freda, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Doutora pelo IEL/UNICAMP. Professora Titular do Departamento de Letras Clássicas e Vernáculas do Instituto de Letras da Universidade Federal do Rio Grande do sul (UFRGS). Professora colaboradora convidada junto ao Programa de Pós Graduação em Letras/Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Instituto de Letras.

Referências

BAUMAN, Zygmunt (2000). Em busca da política. Rio de Janeiro: Zahar.

BOGO, Ademar (2009). O MST e a cultura. 3. ed. São Paulo: Movimento dos Trabalhadores Rurais sem Terra.

CALDART, Roseli S. (2000). Pedagogia do Movimento Sem Terra: escola é mais do que escola. Petrópolis: Vozes.

CAMINI, Isabella (1998). O cotidiano pedagógico de professores e professoras em uma escola de assentamento do MST: limites e desafios. Porto Alegre: PPGFACED/UFRGS. Dissertação de mestrado.

FERNANDES, Marco. ( 2011). Luta que cura! http://passapalavra.info/2011/05/40366 . Acesso em 29/07/2014.

FOUCAULT, Michel (1970/1996). A ordem do discurso. são paulo: Ed. loyola.

FREUD, Sigmund (1915/1974). O instinto e suas vicissitudes. Ed. Standart Brasileira das obras Psicológicas completas de Sigmund Freud. Vol. XIV. São Paulo: Imago.

GUATTARI, Felix & ROLNIK, Suely (1986). Micropolítica: cartografias do desejo. Petrópolis: Vozes.

HERMANN, Jacqueline (2010). Haja previsões. Revista de História. com.br http://www.revistadehistoria.com.br/secao/capa/haja-previsoes . Acesso em 30/07/2014.

INDURSKY, Freda (1999). De ocupação a invasão: efeitos de sentido no discurso do/sobre o MST. In: INDURSKY, Freda & LEANDRO FERREIRA, Maria Cristina (Orgs.). Os múltiplos territórios da Análise do Discurso. Porto Alegre: Sagra-Luzzatto.

INDURSKY, Freda (2000). A função do porta-voz no discurso sobre o MST. Alea: Estudos Neolatinos, PPG Letras Neolatinas, UFRJ, v.2, n.2, set.

INDURSKY, Freda. (2005) O político e o jurídico na constituição das subjetividades sociais. Gragoatá, Niterói, n.18, p.97-110, 1. sem.

INDURSKY, Freda. (2006).Identificação e contra-identificação: diferentes modalidades de subjetivação no discurso do/sobre o MST. In: MARIANI, Bethania (Org.). A escrita e os escritos: reflexões em análise do discurso e psicanálise. São Carlos, SP: Clara Luz.

INDURSKY, Freda. (2013). A emergência do sujeito desejante no discurso do MST. Gragoatá, Niterói, n.34, p.27-38, 1. sem.

PÊCHEUX, Michel (1975/1988). Semântica e discurso. Campinas: Ed. da UNICAMP.

INDURSKY, Freda (1978/1988). Só há causa daquilo que falha ou o inverno político francês: início de uma retificação. In: PÊCHEUX, Michel.

Semântica e discurso. Campinas: Ed. da UNICAMP.

INDURSKY, Freda (1982/1990). Delimitações, inversões, deslocamentos. Cadernos de Estudos linguísticos, Campinas, n. 19, p. 7-24, jul./dez.

RANULFO, Pedro. A força que anima os militantes. Cadernos de Formação, n.27, p.8, MST.

Downloads

Publicado

2015-07-13

Como Citar

FREDA, I. O ritual da mística no processo de identificação e resistência. RUA, Campinas, SP, v. 20, p. 109–125, 2015. DOI: 10.20396/rua.v20i0.8638260. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rua/article/view/8638260. Acesso em: 2 out. 2022.