“Cara de empregada doméstica”: Discursos sobre os corpos de mulheres negras no Brasil

  • Mónica G. Zoppi Fontana Universidade Estadual de Campinas
  • Mariana Jafet Cestari Universidade Estadual de Campinas
Palavras-chave: Ideologia. Contradição social. Racismo. Resistência. Subjetivação

Resumo

O trabalho analisa a construção discursiva dos estereótipos de mulheres negras no Brasil, com foco na discriminação da figura da empregada doméstica. Com base na teoria da Análise de Discurso, filiada às pesquisas que têm como principal autor Michel Pêcheux, em diálogo com a produção teórica da socióloga feminista negra Lélia Gonzalez, o corpus da pesquisa é composto por textos veiculados nos meios de comunicação brasileiros em torno de duas polêmicas com repercussão significativa em 2013: a aprovação da PEC 66-2012, apelidada “ PEC das empregadas domésticas” , projeto que estendeu aos empregados domésticos direitos já garantidos aos demais trabalhadores formais no país, e o programa federal “Mais Médicos”, que tem como objetivo contratar médicos para atuarem em cidades com carência no serviço básico de saúde. O enunciado que provoca as análises foi a declaração nas redes sociais de uma jornalista sobre o programa “Mais Médicos”: "Me perdoem se for preconceito, mas essas médicas cubanas têm uma cara de empregada doméstica. Será que são médicas mesmo?". Perguntamo-nos sobre como são construídos historicamente os sentidos para a designação “cara de empregada doméstica”, percorrendo redes de memórias em que os corpos das mulheres negras são significados (e disputados em seus sentidos) nos discursos da escravidão e do colonialismo, da construção da identidade nacional no mito da democracia racial e dos movimentos sociais contemporâneos de mulheres negras. Considerando que a luta ideológica se dá também no terreno da linguagem, disputando os significantes e produzindo regimes de enunciabilidade e visibilidade, analisamos também os deslocamentos e equívocos que afetam essa designação nas condições atuais de produção e circulação dos discursos sobre “empregadas domésticas” no espaço público e político brasileiro.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mónica G. Zoppi Fontana, Universidade Estadual de Campinas

Departamento de Linguística/IEL-UNICAMP/CNPq

Mariana Jafet Cestari, Universidade Estadual de Campinas

Doutoranda em Linguística/IEL-UNICAMP, bolsista FAPESP.

Referências

CESTARI, Mariana. A tomada da palavra e as disputas pelos sentidos e memórias nos discursos do movimento de mulheres negras no Brasil. Anais do VIII Congresso de Pesquisadores Negros (COPENE), 2014.

COURTINE, Jean-Jacques et Claudine HAROCHE. Histoire du visage : exprimer et taire ses émotions : du XVIe au début du XIXe siècle. Paris, Payot, 1988.

DAMASCENO, Caetana. Segredos da boa aparência : da "cor" à "boa aparência" no mundo do trabalho carioca (1930-1950). Seropédica: EDUFRRJ, 2011.

GONZALEZ, Lélia. E a trabalhadora negra, cumé que fica?. Jornal Mulherio, São Paulo, ano 2, n7, 1982.

GONZALEZ, Lélia. Racismo e sexismo na cultura brasileira. Ciências Sociais Hoje, São Paulo, v2, 1983, p223-44.

PÊCHEUX, Michel. Semântica e discurso. Uma crítica à afirmação do óbvio. Campinas, Editora da Unicamp, [1975]1988.

PÊCHEUX, Michel. As massas populares são um objeto inanimado? In: ORLANDI, Eni (Org). Análise de discurso: Michel Pêcheux. Campinas: Pontes, [1978]2011.

PÊCHEUX, Michel. Delimitações, inversões e deslocamentos. Trad. José Horta Nunes. In: Caderno de Estudos Lingüísticos 19 – O discurso e suas análises. Org. Eni Pulcinelli Orlandi e João Wanderley Geraldi. Campinas, [1982]1990. p. 7-24

PÊCHEUX, Michel. O discurso: Estrutura ou Acontecimento.Trad: Eni P. de Orlandi. Campinas: Pontes, [1983a]1990.

PÊCHEUX, Michel. “Lecture et mémoire: project de recherche”. In: Maldidier, Denise L´inquietude du discours. Paris: Ed. des Cendres, [1983b]1990.

PÊCHEUX, Michel. “Ideologia: fortificação ou aprisionamento”. In: ORLANDI, Eni (Org). Análise de discurso: Michel Pêcheux. Campinas: Pontes, [1978]2011.

PINHO, Osmundo. (2004). O efeito do sexo: políticas de raça, gênero e miscigenação. Cadernos Pagu, 23, 89-119.

ZOPPI FONTANA, Mónica G. “Objetos paradoxais e ideologia”. In: Revista Estudos da língua(gem), Vitória da Conquista – BA. v.1, n.1, p.15-37, 2005.

Publicado
2015-07-13
Como Citar
Fontana, M. G. Z., & Cestari, M. J. (2015). “Cara de empregada doméstica”: Discursos sobre os corpos de mulheres negras no Brasil. RUA, 20, 167-185. https://doi.org/10.20396/rua.v20i0.8638265