Banner Portal
Memória e movimento no espaço da cidade: para uma abordagem discursiva das ambiências urbanas
PDF
PDF (Français (France))

Palavras-chave

Discurso. Ambiência. Espaço urbano

Como Citar

RODRÍGUEZ-ALCALÁ, Carolina. Memória e movimento no espaço da cidade: para uma abordagem discursiva das ambiências urbanas. RUA, Campinas, SP, v. 20, p. 269–293, 2015. DOI: 10.20396/rua.v20i0.8638269. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rua/article/view/8638269. Acesso em: 22 maio. 2024.

Resumo

Neste texto apresentamos os resultados de uma pesquisa desenvolvida no quadro do projeto de cooperação internacional cujo objeto foi promover uma discussão interdisciplinar sobre a noção de ambiência urbana a partir de um estudo de campo realizado no espaço público de cinco cidades, a saber, Paris, Bonn, Varsóvia, Tunes e São Paulo. Participaram do projeto especialistas dos campos da arquitetura, do urbanismo, da sociologia, da geografia, da psicologia ambiental, da saúde pública e dos estudos da linguagem, mais especificamente da análise do discurso (doravante AD), campo no qual nos inscrevemos. Propomos, em primeiro lugar, algumas relações que podem ser estabelecidas, do ponto de vista epistemológico, entre a fenomenologia que sustenta a abordagem das ambiências no campo dos estudos urbanos e o dispositivo da AD, para esboçarmos, em seguida, algumas aproximações teóricas e conceituais que a análise de nosso corpus permitirá esclarecer. Mobilizaremos, em termos analíticos, a oposição público/privado, enquanto distinção histórica que dá uma configuração particular ao espaço produzido e às formas de sociabilidade estabelecidas na assim chamada tradição ocidental. A análise, através da noção de memória discursiva, de como tal oposição opera no espaço estudado, determinando a percepção do movimento, poderá contribuir para compreender o que há de comum e o que há de específico nos modos de habitar característicos das cidades brasileiras quando confrontados às outras realidades urbanas que foram objeto de estudo nesta pesquisa.

https://doi.org/10.20396/rua.v20i0.8638269
PDF
PDF (Français (France))

Referências

Amphoux, Pascal (org.). 1998. La notion d’ambiance. Une mutation de la pensée urbaine et de la pratique architecutrale. Paris: Editions du Plan Construction. coleção Recherche n° 103.

Ariès, Philippe. 1981. História Social da Criança e da Família. Rio de Janeiro: Editora Guanabara (Tradução de L’enfant et la vie familiale sous l’Ancien Regime. Paris: Seuil, 1973)

Ariès, Philippe et Duby, Georges (orgs.). 1991. História da Vida Privada. 5 vol. São Paulo: Companhia das Letras. (Tradução de Histoire de la vie privée. Paris: Seuil, 1985- )

Arendt, Hanna. 1958. The Human Condition. Chicago/Londres: The University of Chicago Press.

Augoyard, Jean-François. 1995. “L’environnement sensible et les ambiances architecturales”. In: L’espace géographique, 4, p. 302-318.

Crystal, David. 1987. The Cambridge Encyclopedia of Language. Cambridge: Cambridge University Press.

Dewey, John. 1993. Logique. La théorie de l’enquête, apresentação e tradução de G. Deledalle. Paris: P.U.F. [1938]

Dewey, John. 2002. Human Nature and Conduct. Amherst/New York: Prometheus Books [1922].

Dewey, John.1902. “Interpretation of Savage Mind”. In : Psychological Review, 9, p. 217-230.

Dewey, John. e Benthley, Arthur F. 1949. Knowing and the Known. Boston: The Beacon Press.

Dubois, Jean et alii. 1973. Dictionnaire de Linguistique. Paris: Larousse. (Tradução: Dicionário de Lingüística. São Paulo: Cultrix)

Foucault, Michel 1969. L’archeologie du savoir. Paris : Gallimard.

Hartmann, R. R. K. et Stork, F. C. 1972. Dictionary of Language and Linguistics. Londres: Applied Science Publishers Ltd.

Henry, P. 1977. Le mauvais outil. Langue, sujet et discours. Paris: Klincksieck. (Tradução ao Português: A Ferramenta Imperfeita. Língua, Sujeito e Discurso. Campinas: Unicamp, 1992)

Dewey, John. 1990. “Os Fundamentos Teóricos da ‘Análise Automática do Discurso’ de Michel Pêcheux (1969)”. In: Gadet, Françoise e Hak, Tony (orgs.). Por uma Análise Automática do Discurso. Uma Introdução à Obra de Michel Pêcheux. Campinas: Unicamp, 1990, p. 13-38.

Marouzeau, J. 1961. Lexique de la terminologie linguistique. Français, allemand, anglais, italien. Paris: Librairie Orientaliste Paul Geuthner.

Orlandi, Eni P. 2003. A Cidade dos Sentidos. Campinas: Pontes, 2003..

Orlandi, Eni P. 2001. Interpretação. Autoria, Leitura e Efeitos do Trabalho Simbólico. Petrópolis: Vozes.

Orlandi, Eni P. 1999. N/O Limiar da Cidade, in: Revista Rua, Número Especial. Campinas: Nudecri/ Unicamp.

Orlandi, Eni P. 1990. Terra à Vista! Discurso do Confronto: Velho e Novo Mundo. São Paulo/Campinas: Cortez/Unicamp.

Orlandi, Eni P.1 987. A Linguagem e seu Funcionamento. As Formas do Discurso. Campinas: Pontes (1a ed. 1983).

Orlandi, Eni P. 1986. Análise do Discurso: Algumas Observações. In: DELTA – Revista de Documentação de Estudos em Lingüística Teórica e Aplicada, São Paulo, p. 105-126.

Orlandi, Eni P. e Rodríguez-Alcalá, Carolina. 2004. A Produção do Consenso nas Políticas Públicas Urbanas: Entre o Administrativo e o Jurídico. In: Escritos 7. Cidade, Consenso e Políticas Públicas. Campinas: Unicamp/Labeurb.

Okamura, Cíntia 2004. Arouche 2004: Uma Incursão no Território Urbano da Cidade de São Paulo através de seus Personagens: Estudo Psicossocial sobre Encontros e Desencontros entre Olhares, Imagens e Paisagens; Diagnóstico para uma Intervenção Ambiental. Tese de doutorado, Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo.

Pêcheux, Michel. 1969. Analyse automatique du discours. Paris: Dunod.

Pêcheux, Michel.1988. Semântica e Discurso. Uma Crítica à Afirmação do Óbvio. Campinas: Unicamp. (Tradução de Les veritées de la Palice. Paris: Maspéro, 1975.)

Pêcheux, Michel. 1990 O Discurso: Estrutura ou Acontecimento? Campinas: Pontes (1ª ed. Em inglês 1988).

Pêcheux, Michel e Fuchs, Catherine. A propósito da Análise Automática do Discurso: atualização e perspectivas. In: Gadet, Françoise e Hak, Tony (orgs.). Por uma Análise Automática do Discurso: Uma Introdução à obra de Michel Pêcheux. Campinas: Unicamp, 1993, 2ª ed., p.163-252. Tradução de: Mises au point et perspectives à propos de l’analyse automatique du discours, 1975.

Rodríguez-Alcalá, Carolina. 2013. Le rôle du langage dans le partage des ambiances: la perception sensible et le caractère matériel du sens. In: Thibaud, Jean-Paul e Duarte, Crisitane (orgs.). 2013. Ambiances urbaines en partage. Pour une écologie sociale de la ville sensible. Genebra: MetisPresses, pp. 115-126.

Rodríguez-Alcalá, Carolina. 2013. Ambiances/Langage. In: Thibaud, Jean-Paul e Duarte, Crisitane (orgs.). 2013. Ambiances urbaines en partage.Pour une écologie sociale de la ville sensible. Genebra: MetisPresses, pp. 115-126.

Rodríguez-Alcalá, Carolina. 2011. A Cidade como Objeto Discursivo: A Linguagem e a Construção da Evidência do Mundo. In: Rodrigues, Eduardo A., Santos, Gabriel L. e Castello Branco, Luiza K. A. (orgs.). 2011. Análise de Discurso no Brasil: Pensando o Impensado Sempre. Uma Homenagem a Eni Orlandi, Campinas, RG Editores.

Rodríguez-Alcalá, Carolina. 2012. Unité et dispersion de l’espace urbain: la coupe comme dispositif de lecture de la ville. In: Tixier, Nicolas (org.), L’ambiance est dans l’air. La dimension atmosphérique des ambiances architecturales et urbaines dans les approches environnementalistes. Relatório do Projeto PIR Ville et Environnement, CNRS–PUCA, Grenoble, ENSAG, pp. 111-123. Disponível em: https://www.zotero.org/groups/reseau_ambiances/items/itemKey/CX83HZI8

Rodríguez-Alcalá, Carolina. 2005. “Em Torno de Observações para uma Teoria Geral das Ideologias, de Thomas Herbert”. In: Revista Estudos da Lingua(gem), Vitória da Conquista, v. 1, p. 15-21, 2005.

Rodríguez-Alcalá, Carolina. 2003. “Entre o Espaço e seus Habitantes: Notas sobre a Construção do Glossário Discursivo da Cidade”. In: Eni P. Orlandi. (org.). Para uma Enciclopédia Discursiva da Cidade. Campinas: Pontes, 2003, p. 65-83.

Rodríguez-Alcalá, Carolina. 2002. “A Cidade e seus Habitantes: Língua e Ideologia na Constituição do Espaço”. In: Escritos 6. Escrita, Escritura, Cidade (II). Campinas: Labeurb/Nudecri/ Unicamp.

Rodríguez-Alcalá, Carolina. 1998. “Sentido, Interpretação e História”. In : Orlandi, Eni. 1998. A Leitura e os Leitores. Campinas: Pontes, pp. 47-58.

Sennett, Richard. 1988. O Declínio do Homem Público. As Tiranias da Intimidade. São Paulo: Companhia das Letras. (Tradução de The Fall of Public Man. New York: Alfred A. Knopf, 1977).

Thibaud, Jean-Paul. 2008. “A ambiência, trilhando caminho em direção a uma perspectiva internacional.” In: Revista Rua v.14. Campinas: Labeurb/Nudecri/Unicamp. http://www.labeurb.unicamp.br/rua/pages/home/index.rua.

Thibaud, Jean-Paul 2004. De la qualité diffuse aux ambiances situées, La croyance de l’enquête, Paris: Editions de l’EHESS, pp.227-253 (Raisons Pratiques).

Thibaud, Jean-Paul. 2002. L’horizon des ambiances urbaines, Communications. n° 73, pp. 185-201.

Thibaud, Jean-Paul. 2002. From situated perception to urban ambiences. International Workshop on Architectural and Urban Ambient Environment. Nantes, CD-Rom.

Thibaud, Jean-Paul. 2004. O Ambiente Sensorial das Cidades: Para uma Abordagem das Ambiências Urbanas. Psicologia e Ambiente. Tassara, E.T.O., Rabinovitch, E.P. e Guedes, M.C. (orgs.), São Paulo, Educ, pp. 347-361.

Thibaud, Jean-Paul. et Tixier, Nicolas. 1998. L’ordinaire du regard. Le Cabinet d'Amateur. Actes du Colloque Perec et l’image. Toulouse: Presses Universitaires du Mirail, n° 7-8, pp. 51-67.

O periódico RUA utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.