Banner Portal
Um glossário contemporâneo: a língua merece que se lute por ela
PDF

Palavras-chave

Glossário. Língua. Periferia. Sujeito. Análise de discurso

Como Citar

MEDEIROS, Vanise. Um glossário contemporâneo: a língua merece que se lute por ela. RUA, Campinas, SP, v. 18, n. 2, p. 20–33, 2015. DOI: 10.20396/rua.v18i2.8638283. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rua/article/view/8638283. Acesso em: 23 maio. 2024.

Resumo

Este artigo tem como foco um glossário que se apresenta nas notas de pé de página do livro Favela toma conta, de Alexandre Buzzo. Com a análise, cinco são os eixos, depreendidos a partir da relação entre a palavra marcada no corpo do texto e as definições e/ou explicações em nota de pé de página, que apontam para um movimento de luta na língua do outro e por uma língua outra que se quer dicionarizar.

https://doi.org/10.20396/rua.v18i2.8638283
PDF

Referências

AGUALUSA, J. E. 2010. Milagrário pessoal, Rio de Janeiro, Língua Geral.

AUROUX, S. 1992. A revolução tecnológica da gramatização, Campinas, SP: ed. Da Unicamp.

AUROUX, S. 2008 “Listas de palavras, dicionários e enciclopédias. O que nosensinam os enciclopedistas sobre a natureza dos instrumentos lingüísticos”. In Revista Língua e Instrumentos Linguísticos, no. 20, Campinas: Pontes.

AUTHIER-REVUZ, J. 1998. Palavras Incertas. Campinas, SP: Unicamp.

AZEREDO, J. C. 2000. Fundamentos da Gramática do Português. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

BUZZO, A. 2008. Favela toma conta, Rio de janeiro: Aeroplano.

DAVIS, M. 2006. Planeta favela, São Paulo: Boitempo editorial.

GADET, F., PÊCHEUX, M. 2004. Língua inatingível, Tradução B. Mariani e M.E. Chaves de Mello, Campinas: Pontes.

GRIGOLETTO, E. “Do lugar discursivo à posição sujeito: os movimentos do sujeito-jornalista no discurso de divulgação científica”. In: MITTMANN, S.; GRIGOLETTO, E.; e CAZARIN, E. 2008. Práticas discursivas e identitárias: sujeito e língua, Porto Alegre: Nova Prova.

HOUAISS, A. 2009. Dicionário eletrônico Houaiss da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva.

ILARI, R. 2006. O português da gente: a língua que estudamos, a língua que falamos. São Paulo: Contexto.

MARTINS, N. S. 2000. Introdução à estilística: a expressividade da língua portuguesa. São Paulo: T. A. Queiroz.

NUNES, J. H. N. 2006. Dicionários no Brasil: análise e história, Campinas, SP: Pontes, São Paulo, SP: FAPESP, São José do Rio Perto, SP: PAPERP.

NUNES, J. H. N. 2006a. “Sobre a noção de ‘Dicionário Popular’”, In Estudos Lingüísticos XXXV, São Carlos, UFSCAR, p. 1028-1032.

NUNES, J. H. N. Discursividades contemporâneas e dicionário. IN: INDURSKY, F. FERREIRA, M.C.L.; MITMANN, S. 2009. O discurso na contemporaneidade: materialidades e fronteiras. São Carlos: Claraluz.

ORLANDI, E. P. “Há palavras que mudam o sentido, outras... demoram mais...” IN: ORLANDI, E. (org) 2007. Política linguística no Brasil, Campinas: São Paulo, Campinas: Pontes.

ORLANDI, E. P. 2004. Cidade dos sentidos, São Paulo, Campinas: Pontes.

ORLANDI, E. P. “A língua brasileira”, Revista Trabalho Linguística Aplicada, no. 23, Campinas, jan-jun.1994

ORLANDI, E. P. 1990. Terra à Vista, São Paulo: Cortez.

ORLANDI, E. P. 2009. Língua Brasileira e Outras histórias: discurso sobre a língua e ensino no Brasil, Campinas, RG Ed.

GADET, F., PÊCHEUX, M. 2004. A língua inatingível. São Paulo, Campinas: Pontes.

PÊCHEUX, M. 1988. Semântica e discurso. Uma crítica à afirmação do óbvio, Campinas: Unicamp.

O periódico RUA utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.