Banner Portal
Hoje tem marmelada... pelo debate sobre a medicalização da infância e da educação no Brasil
PDF

Palavras-chave

Linguagem. Sujeito. Infância. Educação. Escola. Escrita

Como Citar

BARROS, Renata Chrystina Bianchi de. Hoje tem marmelada... pelo debate sobre a medicalização da infância e da educação no Brasil. RUA, Campinas, SP, v. 18, n. 2, p. 123–125, 2015. DOI: 10.20396/rua.v18i2.8638302. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rua/article/view/8638302. Acesso em: 22 jun. 2024.

Resumo

O presente artigo objetiva discutir a infancia no Brasil, baseado em fundamentos historicofilosoficos que contribuam com nocoes de pessoa e dos processos contemporaneos de institucionalizacao para a adequacao da crianca as condicoes capitalistas. A ampliacao desse debate e necessaria para o direcionamento de acoes pedagogicas que sejam voltadas para as reais proposicoes da educacao, escapando dos efeitos que impelem a movimentos de medicalizacao da infancia e da educacao.

https://doi.org/10.20396/rua.v18i2.8638302
PDF

Referências

ABREU, Martha e MARTINEZ, Alessandra Frota. Olhares sobre a criança no Brasil: perspectivas históricas. In: RIZZINI, I. (org.) 1997. Olhares sobre a criança no Brasil: séculos XIX e XX. Rio de Janeiro. Petrobrás-BR/Ministério da Cultura /EDUSU/Amais. p.19-38.

ARANHA, Maria Lucia de Arruda. 2006. Filosofia da Educação. 3ed. rev. ampl. São Paulo, Moderna.

ARANTES, Esther M. M. Rostos de Crianças no Brasil. In: PILLOTTI, Francisco e RIZZINI, Irene (org.). 1995. A Arte de Governar Crianças: A História das Políticas Sociais, da Legislação e da Assistência á Infância no Brasil. Rio de Janeiro: Instituto Interamericano del Niño/Editora Universitária Santa Úrsula/Amais. p. 169-220.

BALLONE, G. J. O Indivíduo, o Ser Humano e a Pessoa. In. PsiqWeb, Internet - disponível em http://virtualpsy.locaweb.com.br/index.php?art=320&sec=35, revisto em 2005.

BOCK, Ana Mercês Bahia (et al). 2008. Psicologias: uma introdução ao estudo da psicologia. São Paulo: Saraiva.

BOTO, Carlota. 2001. Crianças à prova da escola: impasses da hereditariedade e a nova pedagogia em Portugal da fronteira entre os séculos XIX e XX. IN: Rev. Bras. Hist. São Paulo, v.21, no 40, p.237-264.

BRASIL. Estatuto da Criança e do Adolescente. 1990/2012. LEI No 8.069, DE 13 DE JULHO DE 1990. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L8069.htm Acesso em: 13 de outubro de 2012.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. LEI No 9.394, DE 20 DE DEZEMBRO DE 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm Acesso em 13 de outubro de 2012. 1996/2012.

BRASIL. PNE – Plano Nacional da Educação. Ministério da Educação e Cultura. 2000. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/arquivos/pdf/pne.pdf acesso em 13 de outubro de 2012. 2000/2012.

CHAVES, Noêmia de Souza. 2009. Conceito de pessoa na antropologia Kantiana: uma abordagem prática pragmática. In: Polymatheia – Revista de filosofia (issn 1984-9575). Fortaleza, vol. V, no 7, p. 137-154

COLLARES, CAL; MOYSÉS, MAA. 1994. A transformação do espaço pedagógico em espaço clínico (a patologização da educação). Série Ideias n. 23. São Paulo: FDE. p. 25-31.

COHN, Clarice. Crescendo como um Xikrin: uma análise da infância e do desenvolvimento infantil entre os Kayapó-Xikrin do Bacajá. Rev. Antropol. [online]. 2000, vol.43, n.2, pp.195-222.

DANTAS, J.B. Tecnificação da vida: uma discussão sobre o discurso da medicalização da sociedade. Fractal: Revista de Psicologia, v. 21 – n. 3, p. 563-580, Set./Dez. 2009.

GADET, Françoise; PÊCHEUX, Michel. 2004. A língua inatingível. Campinas: Pontes.

LOPES, LBF; SOUZA e SILVA, IM. Concepção de infância: uma busca pela trajetória do legalizado. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, n.25, p. 132 –140, mar. 2007.

MARX, K. 1983. O Capital. São Paulo: Abril Cultural.

NOQUEIRA, M.A. Marx, o ensino e a cultura técnica. In: Educação e Sociedade. Rev. Quad. De Ciências da Educação – Dez/1987. Pp.106-116.

ORLANDI, E. P. 1997. As formas do silêncio. 4 ed. Campinas: Editora da UNICAMP.

ORLANDI, E. P. 1999. Reflexões sobre a escrita, educação indígena e sociedade. In: Escrita, escritura, cidade (I). Escritos 5, Campinas: LABEURB-NUDECRI-UNICAMP. p .07-22.

ORLANDI, E. P. 2000. Análise de Discurso. Princípios e procedimentos. Campinas: Pontes.

ORLANDI, E. P. 2001. Discurso e Texto. Formulação e circulação dos sentidos. Campinas: Pontes.

ORLANDI, E. P. 2002. A Análise de Discurso e seus entremeios: notas a sua história no Brasil. Cadernos de Estudos Lingüísticos 42, Campinas: UNICAMP. P. 21-40.

ORLANDI, E. P. 2004. Cidade dos Sentidos. Campinas: Pontes.

ORLANDI, E. P. 2009. Espaço da violência: o sentido da delinquência. Cad. Est. Ling., Campinas, 51(2):161-284,Jul./Dez. p.219-234.

ORLANDI, E. P. Por uma teoria discursiva da resistência do sujeito. In: ORLANDI, E. 2012. Discurso em Análise: Sujeito, Sentido, Ideologia. Campinas: Pontes. p213-234.

PÊCHEUX, M. Análise Automática do Discurso (AAD-69). In: Gadet, F.; Hak, T. (org.). 1997a. Por uma análise automática do discurso. Uma introdução à obra de Michel Pêcheux. Trad. Bethânia S. Mariani et al. 3 ed. Campinas: Editora da UNICAMP. pp.61-161.

PÊCHEUX, M. 1997b. Semântica e Discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. Trad. Eni P. Orlandi (et. Al). 3 ed. Campinas: São Paulo, Editora da UNICAMP.

PEREIRA, I. 1999. Trabalho infantil: mitos e dilemas. São Paulo.FE/USP. Dissertação de Mestrado (FE).

PFEIFFER, C.C. Políticas públicas de ensino. In: ORLANDI, E. (org.). 2010. Discurso e políticas públicas urbanas. A fabricação do consenso. Campinas: Editora RG. pp.85-99.

O periódico RUA utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.