A enunciação da cidade: práticas discursivas sobre a São Paulo do início do século XX

Autores

  • André Luiz Joanilho Universidade Estadual de Londrina
  • Mariângela Peccioli Galli Joanilho Universidade Estadual de Londrina

DOI:

https://doi.org/10.20396/rua.v16i1.8638844

Palavras-chave:

Práticas discursivas, discurso, cidade, urbanismo

Resumo

O estabelecimento do espaço urbano da cidade de São Paulo no início do século XX instaura a abertura de um amplo campo de estudos para a compreensão das práticas discursivas que se estabeleceram sobre a cidade no momento em que ela própria se constituía. Com a expansão física da cidade, foi possível estabelecer instituições novas: o Instituto Pasteur, o Instituto Vacinogênico, o Instituto Bacteriológico, a Faculdade de Medicina e Cirurgia, a Escola Normal, para citar algumas. Estas instituições promoveram o ideário cientificista e passaram a atuar no sentido de estabelecer práticas ligadas aos ideais higiênicos da época, como também, estimularam as discussões sobre o sujeito brasileiro, e instilaram ideias nacionalistas através de intensa propaganda. Permitiram um campo de atuação para a elite educada na cidade, fechando, de certa maneira, o circuito fazendeiros/educação/atividades urbanas. O ideário cientificista e a educação formal passaram a fazer parte das marcas de distinção de classe do lado da elite, que, pelo menos para parte dela, encontrou nas instituições urbanas um campo de atuação nas suas atividades além da política. O trabalho, a moral, a higiene, as habitações, o nacionalismo, a educação, passam a ser temas dessa elite cientificista. Neste sentido, a capital paulista, se torna o campo privilegiado para a aplicação de práticas discursivas que visam o controle e a conformação dos indivíduos. Estas práticas, por sua vez, constituem-se de enunciados que têm origem em locais diversos e se correlacionam (biologia, educação, nacionalismo, etc.).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

André Luiz Joanilho, Universidade Estadual de Londrina

Professor Associado do Departamento de História da Universidade Estadual de Londrina (UEL), Doutor em
História - UNESP (1996).

Mariângela Peccioli Galli Joanilho, Universidade Estadual de Londrina

Professora Adjunto e Chefe do Departamento de Letras Vernáculas e Clássicas da Universidade Estadual
de Londrina (UEL).

Referências

AMERICANO, J. São Paulo Naquele Tempo. São Paulo: Saraiva, 1957.

ARENDT, H. A condição humana. Rio de Janeiro: Forense-Universitária, 1983.

HARUEL, J.-L. História do urbanismo. Campinas: Papirus, 1990.

LIMA, S. F. e/ou. São Paulo Antigo, uma encomenda da modernidade: as fotografias de Militão nas pinturas do Museu Paulista. In Anais do Museu Paulista, no 1. São Paulo: Museu Paulista, 1993.

MORSE, R. Formação histórica de São Paulo. São Paulo: DIFEL, 1970.

NEEDELL, J. D. Belle Époque Tropical. São Paulo: Cia das Letras, 1993.

SALES, A. A pátria paulista. Brasília: Editora UnB, 1983.

VIGARELLO, G. O Limpo e o sujo. São Paulo: Martins Fontes,1996.

TOLEDO, B. L. de. São Paulo: três cidades em um século. São Paulo: Duas Cidades, 1983.

Downloads

Publicado

2015-07-20

Como Citar

JOANILHO, A. L.; JOANILHO, M. P. G. A enunciação da cidade: práticas discursivas sobre a São Paulo do início do século XX. RUA, Campinas, SP, v. 16, n. 1, p. 105–120, 2015. DOI: 10.20396/rua.v16i1.8638844. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rua/article/view/8638844. Acesso em: 7 jul. 2022.

Edição

Seção

Estudos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)