Um olhar sobre o câncer de mama: a atividade física e seu significado para mulheres participantes de grupo de apoio

Autores

  • Fernanda de Souza Cardoso Universidade Estadual de Montes Claros
  • Eliana Lúcia Ferreira Universidade Federal de Juiz de Fora

DOI:

https://doi.org/10.20396/rua.v16i1.8638857

Palavras-chave:

Educação Física. Câncer de mama. Atividade física. Análise do discurso

Resumo

O referido artigo versa sobre o significado da atividade física para mulheres acometidas pelo câncer de mama, participantes de grupo de apoio. Trata-se de pesquisa empírica, tendo sido utilizados procedimentos qualitativos, tendo como suporte metodológico a Análise do Discurso (AD), em sua vertente francesa. O procedimento analítico levou em consideração duas noções fundamentais da AD: a paráfrase e a metáfora, tendo sido permeado pela experiência em adoecer de câncer.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fernanda de Souza Cardoso, Universidade Estadual de Montes Claros

Professora Mestre da Universidade Estadual de Montes Claros – Montes Claros, MG

Eliana Lúcia Ferreira, Universidade Federal de Juiz de Fora

Professora Doutora da Universidade Federal de Juiz de Fora – Juiz de Fora, MG. Faculdade de Educação Física e Desportos – FAEFID Departamento Fundamentos / EFID - Campus Universitário S/N – Martelos

Referências

AURELIANO, W. A. Vênus Revisitada: negociações sobre o corpo na experiência do câncer de mama. Barbarói (USCS), 2007, v. 27, p. 107-29.

BAGRICHEVSKY, M.; ESTEVÃO, A. Os sentidos da saúde e a Educação Física: apontamentos preliminares. Rio de Janeiro: Arquivos em Movimento, 2005, ,v.1, n.1, p.65-74.

BARBOSA, R. C. M; XIMENES, L. B; PINHEIRO, A. K. B. Mulher mastectomizada: desempenho de papéis e redes sociais. Acta Paul Enferm., 2004, v.17, n. 1, p.18-24. Disponível em: http://www.unifesp.br/denf/acta/2004/17_1/pdf/art2.pdf. Acesso em: 11 jul. 2008.

BATTAGLINI, C. L. et al. Atividade física e níveis de fadiga em pacientes portadores de câncer. Rev. Bras. Med. Esporte. 2004, v. 10, n.2, p. 98-104, Mar/Abr.

BERGAMASCO, R. B.; ANGELO, M. O sofrimento de descobrir-se com câncer de mama: como o diagnóstico é experenciado pela mulher. Revista Brasileira de Cancerologia, 2001, v. 47, n.3, p. 277-82.

BRASIL, Ministério da Saúde. Instituto Nacional de Câncer. Estimativa da incidência e mortalidade por câncer no Brasi. l2008.. Disponível em: http//www.inca.org.br/epidemiologia/estimativa08/index.html. Acesso em: 17 out. 2008.

CARVALHO, Y. M. de. Atividade física e saúde: onde está e quem é o “sujeito” da relação? Rev. Bras. Cienc. Esporte, São Paulo, 2001., v. 22, n. 2, p. 9-21, jan.

CARVALHO, Y. M. de. Nas fronteiras da educação física e das ciências humana: itinerários. Campinas, SP: Pontes, 2009..

DATASUS (Departamento de Informática do SUS), 2000. Indicadores e dados básicos, Brasil, 2004. http://www.datasus.gov.br/cgi/idb97/matriz.htm.

DELLA FONTE, S.S.; LOUREIRO, R. A ideologia da saúde ema educação física. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, 1997, v.18, n.2, p.126-132, jan.

FABBRO M. R. C; MONTRONE, A. V. G; SANTOS, S. dos. Percepções, conhecimentos e vivências de mulheres com câncer de mama. Rev. enferm. UERJ, Rio de Janeiro, 2008, v. 16, n. 4, p. 532-7, out/dez. Disponível em: http://lildbi.bireme.br/lildbi/docsonline/lilacs/20090500/370_v16n4a13.pdf. Acesso em: 11 jul. 2008.

HASHIGUTTI, S. T. Futebol no Brasil: sentidos e formas de torcer. RUA [online], n. 14. Campinas-SP: Nudecri, 2008. Volume 1 - ISSN 1413-2109

HEGG, R. 2000. Câncer de mama. Rev. Bras. Med. 2000, vol. 57, n. 5, maio,

JURBERG, C.; GOUVEIA, M. E.; BELISÁRIO, C. Na mira do câncer: o papel da mídia brasileira. Revista Brasileira de Cancerologia. 2006.v. 52, p. 139-146.

KOURY, M. G. P. Identidade e Pertença: Estilo de vida e disposição morais e estéticas em um grupo de jovens. RUA [online], 2008, v. 1, n. 14.

LE BRETON, D. A sociologia do corpo. Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes, 2006.

LUSSI, I. A. de. O.; PEREIRA, M. A. O.; PEREIRA, J. A. A proposta de reabilitação psicossocial de Saraceno: um modelo de auto-organização? Rev. Latino-Am. Enfermagem [online], 2006, v. 14, n. 3, p. 448-56.

LUZ, M. T. Novos saberes e práticas em saúde coletiva: estudos sobre racionalidades médicas e atividades corporais. São Paulo: Hucitec, 2007..

MARUYAMA, S. A. T. et al. O corpo e a cultura como o locus do câncer. Cogitare Enfermagem (UFPR), 2006, v. 11, p. 171-5.

NIEMAN, D. Exercício e saúde. São Paulo: Manole, 1999..

ORLANDI, E. P. A linguagem e seu funcionamento: as formas do discurso. Campinas, SP: Pontes, 2006..

ORLANDI, E. P. Análise de discurso: princípios e procedimentos. Campinas, SP: Pontes, 2007.

ORLANDI, E. P. Identidade Lingüística Escolar. In SIGNORINI, I. (org.) Lingua(gem) e Identidade. Campinas: Mercado de Letras, 1998.

ORLANDI, E. P. Discurso e texto: formulação e circulação dos sentidos. Campinas, SP: Pontes, 2008.

PALMA, A., ESTEVÃO, A., BAGRICHEVSKY, M. Considerações teóricas acerca das questões relacionadas à promoção da saúde. In: BAGRICHEVSKY, M., PALMA, A., ESTEVÃO, A. Saúde em debate na educação física. Blumenau: Edibes.,2003.

PALMA, A. Atividade física, processo saúde-doença e condições sócio-econômicas: uma revisão da literatura. Rev. Paul. Educ. Fís., São Paulo, 2000, v.14, n. 1, p. 97-106.

PAULO, M. C. Câncer: o lado invisível da doença. Florianópolis: Insular, 2004.

PAYER, M. O. Linguagem e sociedade contemporânea – sujeito, mídia, mercado. In: Rua – Revista do Núcleo de Desenvolvimento da Criatividade da Unicamp. Campinas-SP: Nudecri, n. 11, 2005, mar.

PEDROSO, W.; ARAUJO, M. B.; STEVANATO, E. Atividade Física na prevenção e na reabilitação do câncer. Motriz, Rio Claro, 2005, v.11, n.3, p.155-60.

PEREIRA, B. As limitações do método científico: implicações para a Educação Física. Revista Paulista de Educação Física, São Paulo, 1998, v.12, n.2, p.228-48.

PRADO, M. A. S. Aderência a atividade física em mulheres submetidas à cirurgia por câncer de mama. 2001. 108 f. Dissertação (Mestrado em Enfermagem) - Escola de Enfermagem Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto.

PRADO, M. A. S. et al. A prática da atividade física em mulheres submetidas à cirurgia por câncer de mama: percepção de barreiras e benefícios. Rev Latino-am Enfermagem, Ribeirão Preto, 2004, v. 12, n. 3, p. 494-502. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-

&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 17 out. 2008.

VIEIRA, C. P.; QUEIROZ, M. S. Representações Sociais sobre o Câncer Feminino: vivência e contexto institucional. Psicologia e Sociedade, Porto Alegre, 2006, v. 18, p. 63-70.

Downloads

Publicado

2010-06-10

Como Citar

CARDOSO, F. de S.; FERREIRA, E. L. Um olhar sobre o câncer de mama: a atividade física e seu significado para mulheres participantes de grupo de apoio. RUA, Campinas, SP, v. 16, n. 1, p. 193–219, 2010. DOI: 10.20396/rua.v16i1.8638857. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rua/article/view/8638857. Acesso em: 7 jul. 2022.

Edição

Seção

Estudos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)