Banner Portal
Um olhar sobre o câncer de mama: a atividade física e seu significado para mulheres participantes de grupo de apoio
PDF

Palavras-chave

Educação Física. Câncer de mama. Atividade física. Análise do discurso

Como Citar

CARDOSO, F. de S.; FERREIRA, E. L. Um olhar sobre o câncer de mama: a atividade física e seu significado para mulheres participantes de grupo de apoio. RUA, Campinas, SP, v. 16, n. 1, p. 193–219, 2010. DOI: 10.20396/rua.v16i1.8638857. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rua/article/view/8638857. Acesso em: 28 fev. 2024.

Resumo

O referido artigo versa sobre o significado da atividade física para mulheres acometidas pelo câncer de mama, participantes de grupo de apoio. Trata-se de pesquisa empírica, tendo sido utilizados procedimentos qualitativos, tendo como suporte metodológico a Análise do Discurso (AD), em sua vertente francesa. O procedimento analítico levou em consideração duas noções fundamentais da AD: a paráfrase e a metáfora, tendo sido permeado pela experiência em adoecer de câncer.
https://doi.org/10.20396/rua.v16i1.8638857
PDF

Referências

AURELIANO, W. A. Vênus Revisitada: negociações sobre o corpo na experiência do câncer de mama. Barbarói (USCS), 2007, v. 27, p. 107-29.

BAGRICHEVSKY, M.; ESTEVÃO, A. Os sentidos da saúde e a Educação Física: apontamentos preliminares. Rio de Janeiro: Arquivos em Movimento, 2005, ,v.1, n.1, p.65-74.

BARBOSA, R. C. M; XIMENES, L. B; PINHEIRO, A. K. B. Mulher mastectomizada: desempenho de papéis e redes sociais. Acta Paul Enferm., 2004, v.17, n. 1, p.18-24. Disponível em: http://www.unifesp.br/denf/acta/2004/17_1/pdf/art2.pdf. Acesso em: 11 jul. 2008.

BATTAGLINI, C. L. et al. Atividade física e níveis de fadiga em pacientes portadores de câncer. Rev. Bras. Med. Esporte. 2004, v. 10, n.2, p. 98-104, Mar/Abr.

BERGAMASCO, R. B.; ANGELO, M. O sofrimento de descobrir-se com câncer de mama: como o diagnóstico é experenciado pela mulher. Revista Brasileira de Cancerologia, 2001, v. 47, n.3, p. 277-82.

BRASIL, Ministério da Saúde. Instituto Nacional de Câncer. Estimativa da incidência e mortalidade por câncer no Brasi. l2008.. Disponível em: http//www.inca.org.br/epidemiologia/estimativa08/index.html. Acesso em: 17 out. 2008.

CARVALHO, Y. M. de. Atividade física e saúde: onde está e quem é o “sujeito” da relação? Rev. Bras. Cienc. Esporte, São Paulo, 2001., v. 22, n. 2, p. 9-21, jan.

CARVALHO, Y. M. de. Nas fronteiras da educação física e das ciências humana: itinerários. Campinas, SP: Pontes, 2009..

DATASUS (Departamento de Informática do SUS), 2000. Indicadores e dados básicos, Brasil, 2004. http://www.datasus.gov.br/cgi/idb97/matriz.htm.

DELLA FONTE, S.S.; LOUREIRO, R. A ideologia da saúde ema educação física. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, 1997, v.18, n.2, p.126-132, jan.

FABBRO M. R. C; MONTRONE, A. V. G; SANTOS, S. dos. Percepções, conhecimentos e vivências de mulheres com câncer de mama. Rev. enferm. UERJ, Rio de Janeiro, 2008, v. 16, n. 4, p. 532-7, out/dez. Disponível em: http://lildbi.bireme.br/lildbi/docsonline/lilacs/20090500/370_v16n4a13.pdf. Acesso em: 11 jul. 2008.

HASHIGUTTI, S. T. Futebol no Brasil: sentidos e formas de torcer. RUA [online], n. 14. Campinas-SP: Nudecri, 2008. Volume 1 - ISSN 1413-2109

HEGG, R. 2000. Câncer de mama. Rev. Bras. Med. 2000, vol. 57, n. 5, maio,

JURBERG, C.; GOUVEIA, M. E.; BELISÁRIO, C. Na mira do câncer: o papel da mídia brasileira. Revista Brasileira de Cancerologia. 2006.v. 52, p. 139-146.

KOURY, M. G. P. Identidade e Pertença: Estilo de vida e disposição morais e estéticas em um grupo de jovens. RUA [online], 2008, v. 1, n. 14.

LE BRETON, D. A sociologia do corpo. Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes, 2006.

LUSSI, I. A. de. O.; PEREIRA, M. A. O.; PEREIRA, J. A. A proposta de reabilitação psicossocial de Saraceno: um modelo de auto-organização? Rev. Latino-Am. Enfermagem [online], 2006, v. 14, n. 3, p. 448-56.

LUZ, M. T. Novos saberes e práticas em saúde coletiva: estudos sobre racionalidades médicas e atividades corporais. São Paulo: Hucitec, 2007..

MARUYAMA, S. A. T. et al. O corpo e a cultura como o locus do câncer. Cogitare Enfermagem (UFPR), 2006, v. 11, p. 171-5.

NIEMAN, D. Exercício e saúde. São Paulo: Manole, 1999..

ORLANDI, E. P. A linguagem e seu funcionamento: as formas do discurso. Campinas, SP: Pontes, 2006..

ORLANDI, E. P. Análise de discurso: princípios e procedimentos. Campinas, SP: Pontes, 2007.

ORLANDI, E. P. Identidade Lingüística Escolar. In SIGNORINI, I. (org.) Lingua(gem) e Identidade. Campinas: Mercado de Letras, 1998.

ORLANDI, E. P. Discurso e texto: formulação e circulação dos sentidos. Campinas, SP: Pontes, 2008.

PALMA, A., ESTEVÃO, A., BAGRICHEVSKY, M. Considerações teóricas acerca das questões relacionadas à promoção da saúde. In: BAGRICHEVSKY, M., PALMA, A., ESTEVÃO, A. Saúde em debate na educação física. Blumenau: Edibes.,2003.

PALMA, A. Atividade física, processo saúde-doença e condições sócio-econômicas: uma revisão da literatura. Rev. Paul. Educ. Fís., São Paulo, 2000, v.14, n. 1, p. 97-106.

PAULO, M. C. Câncer: o lado invisível da doença. Florianópolis: Insular, 2004.

PAYER, M. O. Linguagem e sociedade contemporânea – sujeito, mídia, mercado. In: Rua – Revista do Núcleo de Desenvolvimento da Criatividade da Unicamp. Campinas-SP: Nudecri, n. 11, 2005, mar.

PEDROSO, W.; ARAUJO, M. B.; STEVANATO, E. Atividade Física na prevenção e na reabilitação do câncer. Motriz, Rio Claro, 2005, v.11, n.3, p.155-60.

PEREIRA, B. As limitações do método científico: implicações para a Educação Física. Revista Paulista de Educação Física, São Paulo, 1998, v.12, n.2, p.228-48.

PRADO, M. A. S. Aderência a atividade física em mulheres submetidas à cirurgia por câncer de mama. 2001. 108 f. Dissertação (Mestrado em Enfermagem) - Escola de Enfermagem Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto.

PRADO, M. A. S. et al. A prática da atividade física em mulheres submetidas à cirurgia por câncer de mama: percepção de barreiras e benefícios. Rev Latino-am Enfermagem, Ribeirão Preto, 2004, v. 12, n. 3, p. 494-502. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-

&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 17 out. 2008.

VIEIRA, C. P.; QUEIROZ, M. S. Representações Sociais sobre o Câncer Feminino: vivência e contexto institucional. Psicologia e Sociedade, Porto Alegre, 2006, v. 18, p. 63-70.

O periódico RUA utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.