Banner Portal
Antropônimos em Aurilândia-GO: uma abordagem pelo viés da semântica histórica da enunciaçã
PDF

Palavras-chave

Antropônimos. Gerações. Significação

Como Citar

AZAMBUJA, Elizete Beatriz; CORREIA, Weruska Fagundes. Antropônimos em Aurilândia-GO: uma abordagem pelo viés da semântica histórica da enunciaçã. RUA, Campinas, SP, v. 15, n. 1, p. 50–62, 2015. DOI: 10.20396/rua.v15i1.8638871. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rua/article/view/8638871. Acesso em: 23 jun. 2024.

Resumo

Este texto tem como objetivo analisar o movimento de sentidos no ato de nomear produzido por duas gerações. Tal análise foi feita a partir de uma pesquisa no cartório de registro civil, no município de Aurilândia–GO, em que tomamos como corpus antropônimos registrados em 2000 e 2007 e, a partir do registro destes nomes, dos antropônimos dos locutores-nomeadores (pais). Fundamentamos as discussões na teoria Semântica Histórica da Enunciação.

https://doi.org/10.20396/rua.v15i1.8638871
PDF

Referências

BRASIL. Código Civil. Centro de Documentação e Informações. Coordenação de Publicações. Brasília, 2008.

CARRARA, D. O grande livro de nomes de bebê. São Paulo: Editora Escala, 2007.

CARVALHINHOS, P. de J.; ANTUNES, A. M. Princípios teóricos de toponímia e antroponímia: a questão do nome próprio. Disponível em: www.filologia.org..br/xicnlf/2/09.htm, Acesso em 19 de agosto de 2008.

COUTINHO, C. Ninguém é dono dos nomes. Disponível em: www.revisaodeportugues.com.br, Acesso em 24 de março de 2008.

DIAS, L. F. Os sentidos do idioma nacional: as bases enunciativas do nacionalismo lingüístico no Brasil. Campinas-SP: Pontes, 1996.

FRANCHETTO, B. Povos, aldeias, histórias e culturas. In: Índios do Brasil 2. Secretaria de Educação a Distância. Brasília-DF: MEC; SEED; SEF, 2001.

GUIMARÃES, E. Os limites do sentido: um estudo histórico e enunciativo da linguagem. Campinas-SP: Pontes, 2002.

GUIMARÃES, E. História da Semântica: sujeito, sentido e gramática no Brasil. Campinas-SP: Pontes, 2004.

GUIMARÃES, E. Semântica do acontecimento: um estudo enunciativo da designação. Campinas-SP: Pontes, 2005.

GUIMARÃES, E. Domínio semântico de determinação. In: GUIMARÃES, E.; MOLLICA, M.C. (orgs.). A palavra: forma e sentido. Campinas-SP: Pontes Editores/RG Editores, 2007.

MARTINS, F. O nome próprio. Brasília-DF: Universidade de Brasília, 1991.

MEXIAS-SIMON, M. L. Os nomes próprios: seus mitos e ritos. Disponível em: www.filologia.org.br/Vlll/anais/caderno06-17.html. Acesso em 19 de agosto de 2008.

NABÃO, R. M. O estudo de nomes próprios de nipo-brasileiros de Terra Roxa. Dissertação de Mestrado. Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Campus de Cascavel, 2007.

NOVAES, M. O significante-nome próprio na escrita psicótica. In: MARIANI, B. (org.). A escrita e os escritos: reflexões em análise do Discurso e Psicanálise. São Carlos-SP: Clara Luz, 2006.

ROBALDO, R.C. de O. Mudança de nome: algumas considerações. Disponível em www.iuspedia.com.br. Publicado em 19 de março de 2008.

RUSSO, M. de F. O sentido do nome próprio na aprendizagem da leitura e da escrita. São Paulo-SP: Olho d’Água, 2000.

VERAS, D.T. Os impróprios nomes próprios como matéria para poesia. Disponível em http:// www.revista.agulha.nom..br/1dteles5c.html. Acesso em 04 de março de 2008.

O periódico RUA utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.