O discurso na rede eletrônica e o Google: o movimento LGBT em destaque

  • Gustavo Grandini Bastos Universidade de São Paulo
  • Dantielli Assumpção Garcia Universidade de São Paulo
  • Lucília Maria Abrahão e Sousa Universidade de São Paulo
Palavras-chave: Discurso. LGBT. Sujeito. Sentido. Rede eletrônica.

Resumo

A proposta desse artigo é apresentar uma discussão acerca do funcionamento discursivo do Google, focando o período no qual o site era alterado com o uso de palavras relacionadas ao universo de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais (LGBT). A alteração na página do Google, observada no final do mês de junho de 2013, ocorreu em virtude das mudanças nas condições de produção decorrentes de transformações políticas nos Estados Unidos (EUA) – alteração na constitucionalidade da lei Defense of Mariage Act (DOMA). Após a declaração da inconstitucionalidade da lei DOMA, como uma forma de comemoração, o Google passou por alterações em sua caixa de pesquisa homenageando assim o movimento LGBT. Como analistas do discurso, nosso interesse é pensar como o discurso produz efeitos e afeta as relações dos sujeitos com os sentidos e com os outros sujeitos. Dessa forma, observamos como o funcionamento da rede eletrônica passa por alterações, que são materializadas em alterações no formato do site, quando temos outras condições de produção em funcionamento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gustavo Grandini Bastos, Universidade de São Paulo
Doutorando em Psicologia pela FFCLRP/USP. Membro do E-L@DIS – Laboratório discursivo, sujeitos e sentidos em movimento (FAPESP).
Dantielli Assumpção Garcia, Universidade de São Paulo
Pós-doutoranda na FFCLRP/USP. Mestre e Doutora em Estudos Linguísticos pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho. Pesquisadora do E-L@DIS – Laboratório discursivo, sujeitos e sentidos em movimento (FAPESP). Bolsista FAPESP.
Lucília Maria Abrahão e Sousa, Universidade de São Paulo
Livre-Docente em Ciências da Informação e da Documentação. Profa. do Curso de Graduação em Ciências da Informação e da Documentação e Programa de Pós-Graduação em Psicologia, ambos da FFCLRP/USP. Professora colaboradora do Programa de Pós-Graduação em Ciência, Tecnologia e Sociedade da UFSCAR. Coordenadora do E-L@DIS – Laboratório discursivo, sujeitos e sentidos em movimento (FAPESP). Bolsista CNPQ. Bolsista FAPESP.

Referências

BORRILLO, Daniel. 2010. Homofobia: história e crítica de um preconceito. Belo Horizonte: Autêntica.

FARIA, Daiana de Oliveira. 2012. Efeitos de sentidos em sites de pesquisa: condições de produção do discurso eletrônico. 99 f. Dissertação (Mestrado em Ciências) – Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto.

GALLI, Fernanda Correa Silveira. 2008. (Ciber)espaço e leitura: o mesmo e o diferente no discurso sobre as “novas” práticas contemporânea. 204 f. Tese (Doutorado em Linguística Aplicada) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2008.

GOOGLE. 2013. Sobre o Google. Disponível em: https://www.google.com.br. Acesso em: 28 nov. 2013.

INDURSKY, Freda. 1997. A fala dos quartéis e as outras vozes. Campinas: Editora da UNICAMP.

INDURSKY, Freda. 2011. A memória na cena do discurso. In: INDURSKY, Freda; MITTMANN, Solange; FERREIRA, Maria Cristina Leandro (Org.). Memória e história na/da análise do discurso. Campinas: Mercado de Letras, 2011. p. 67-89.

MOREIRA, Vivian Lemes; BASTOS, Gustavo Grandini; ROMÃO, Lucília Maria Sousa. 2012. Discurso homofóbico em blogs: tessituras da violência e(m) rede. Calidoscópio, São Leopoldo, v. 10, n. 2, p. 161-170, maio/ago. 2012. Disponível em: http://www.unisinos.br/revistas/index.php/calidoscopio/article/view/cld.2012.102.04. Acesso em: 10 jan. 2014.

MOTT, Luis. 2001. A revolução homossexual: o poder de um mito. Revista USP, São Paulo, n. 49, p. 40-59, mar./maio, 2001.

MOTT, Luis. 2006. Homo-afetividade e direitos humanos. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 14, n. 2, p. 509-521, maio/ago. 2006. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ref/v14n2/a11v14n2.pdf. Acesso em: 21 out. 2013.

ORLANDI, Eni Puccinelli. 2002. Língua e conhecimento lingüístico: para uma história das idéias no Brasil. São Paulo: Cortez.

ORLANDI, Eni Puccinelli. 2007. Análise de discurso: princípios & procedimentos. 7. ed. Campinas: Pontes.

PÊCHEUX, Michel. 1997. Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. 3. ed. Campinas: Editora da UNICAMP, 1997.

PÊCHEUX, Michel. 2010. Papel da memória. In: ACHARD, Pierre et al. Papel da memória. 3. ed. Campinas: Pontes Editores. p. 49-57.

ROMÃO, Lucília Maria Sousa. 2009. 2004. Nós, desconhecidos, na grande rede. Linguagem em (Dis)curso, Tubarão, v. 5, n. 1, p. 71-91, jul./dez. 2004. Disponível em: http://www.portaldeperiodicos.unisul.br/index.php/Linguagem_Discurso/article/view/302. Acesso em: 12 mar. 2013.

ROMÃO, Lucília Maria Sousa. 2006. O cavalete, a tela e o branco: introdução à autoria na rede eletrônica. DELTA, São Paulo, v. 22, n. 2, p. 303-328, 2006. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/delta/v22n2/a04v22n2.pdf. Acesso em: 19 dez. 2013.

ROMÃO, Lucília Maria Sousa. 2009. Clarice Lispector - A hora da estrela: o discurso no panfleto da exposição. TransInformação, Campinas, v. 21, n. 1, p. 77-87, jan./abr. 2009. Disponível em: http://periodicos.puc-campinas.edu.br/seer/index.php/transinfo/article/view/520/500. Acesso em: 12 dez. 2013.

SEDGWICK, Eve Kosofsky. 2007. A epistemologia do armário. Cadernos Pagu, Campinas, v. 28, p. 19-54, 2007. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/cpa/n28/03.pdf. Acesso em: 11 fev. 2014.

SOARES, Alexandre Sebastião Ferrari. 2006. A homossexualidade e a AIDS no imaginário de revistas semanais (1985-1990). Tese (Doutorado) – Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2006.

Publicado
2015-07-24
Como Citar
Bastos, G. G., Garcia, D. A., & Sousa, L. M. A. e. (2015). O discurso na rede eletrônica e o Google: o movimento LGBT em destaque. RUA, 20(2), 34-50. https://doi.org/10.20396/rua.v20i2.8638919
Seção
Estudos

Artigos mais lidos pelo mesmo (s) autor (es)