Das infovias às ruas: o Facebook e as manifestações sociais na perspectiva da teoria do caos/complexidade

Autores

  • Valdir Silva UNEMAT/Cáceres-MT
  • Rodrigo de Santana Silva UNEMAT/Cáceres-MT

DOI:

https://doi.org/10.20396/rua.v21i2.8642470

Palavras-chave:

Linguagem. Manifestações sociais. Facebook. Caos/complexidade

Resumo

As redes sociais eletrônicas são constitutivas das práticas sociais contemporâneas e se configuram em importantes espaços de significação histórica, cultural, ideológica, psicológica, linguística, estética para os sujeitos que nelas se inscrevem. As redes são espaços complexos e dinâmicos e dependentes das práticas de linguagem em todas as suas modalidades e plasticidade. Assim, para dar visibilidade a esses funcionamentos e feitos, tomamos para análise e reflexões, as materialidades discursivas que emergiram das manifestações de junho de 2013 no Brasil, no contexto do Facebook, com base nos postulados teóricos do caos/complexidade aplicados no contexto social. O estudo apontou que as práticas sociais realizadas nas infovias e nas ruas foram complementares para o processo de mobilização dos manifestantes, contribuindo assim, para a instauração de um sistema ainda mais complexo e dinâmico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Valdir Silva, UNEMAT/Cáceres-MT

Professor titular do curso de Letras e do PPGL UNEMAT/Cáceres. E-mail: ollule4@yahoo.com. Endereço: Departamento de Letras/UNEMAT/Cáceres - Av. São João, s/nº – Cavalhada – CEP 78200-000. Cáceres/MT

Rodrigo de Santana Silva, UNEMAT/Cáceres-MT

Acadêmico do curso de Licenciatura em Letras da UNEMAT/Cáceres-MT, bolsista PIBID/Inglês e bolsista voluntário da Iniciação Científica. E-mail: rodrigosantana.unemat@gmail.com. Endereço: Departamento de Letras/UNEMAT/Cáceres - Av. São João, s/nº – Cavalhada – CEP 78200-000. Cáceres/MT.

Referências

ASSMANN, Hugo. Metáforas novas para reencontrar a educação. São Paulo: Unimep, 1998.

BARBOSA, G. A. R. et al. Caracterização do uso de hashtags do Twitter para mensurar o sentimento da população online: Um estudo de caso nas Eleições Presidenciais dos EUA em 2012. Simpósio Brasileiro de Banco de Dados: Recife, 2013. Disponível em

http://sbbd2013.cin.ufpe.br/Proceedings/artigos/pdfs/sbbd_shp_19.pdf. Acesso em 03/04/14

BRIGGS, J. e PEAT, F. D. Seven life lessons of chaos. Harper Collins, New York, 1999.

CAMERON, L. e DEIGMAN, A. The emergence of metaphor in discourse. Applied Linguistics 27/4: 671 – 690 _ Oxford University Press 2006.

CAPRA, F.. Vivendo Redes. In: Duarte, Fábio: Quandt, Carlos; Souza. Queila. O Tempo Das Redes. Editora Perspectiva, 2008.

CARDOSO, Clodoaldo. A canção da inteireza: uma visão holística da educação. São Paulo: Summus, 1995.

COLOM, A. J. A (des)construção do conhecimento pedagógico: novas perspectivas para a educação. Porto Alegre: Artmed, 2004.

D’AMBRÓSIO, Ubiratan. Etnomatemática. São Paulo: Editora Ática, 1993.

DAVIS, B. e SUMARA, D. Complexity and education: inquires into learning, teaching and research. Mahwah, New Jersey & London, Lawrence Erlbaum Associates, 2006.

FISCHER, Steven Roger. Uma breve história da linguagem. tradução Flávia Coimbra.— Osasco, SP: Novo Século Editora, 2009.

FREEMAN, Linton. The Development of Social Network Analysis. Vancouver: Empirical Press, 2006.

GLEICK, J. Caos: a criação de uma nova ciência – Rio de Janeiro: Campus, 1989.

HANSEN, M.. Bodies in Code. New York, Routledge, 2006.

HOLLAND, J. H. Hidden Ordem: how adaptation builds complexity. Perseus books, Cambridge, Massachusetts, 1997.

HOUAISS, Antônio. VILLAR, Mauro de Salles. Grande Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001.

HP. O que são redes sociais. Acesso dia 26/09/2013. Disponível em:

http://h30458.www3.hp.com/br/ptb/smb/941786.html.

KUHN, Thomas. A estrutura das revoluções científicas. 16°. ed. São Paulo: Perspectiva, 2001.

LAKOFF, G. e TURNER, M. More than cool reason: a field guide to poetic metaphor. USA, The University of Chicago, 1989

LANTOLF, J. P. Language Emergence: implications for applied linguistics – A social perspective. 27/4: 671 – 690 _ Oxford University Press 2006.

LARA, Thiago Adão. Caminhos da razão no ocidente: a filosofia ocidental do renascimento aos nossos dias. 4. ed. Petrópolis: Vozes, 1991.

LARSEN-FREEMAN, D. Chaos/complexity science and second language

acquisition. Applied Linguistics. Oxford: Oxford University Press, v.2, n. 18, 1997.

LEVY, P. A Inteligência Coletiva por uma antropologia do ciberespaço. São Paulo: Edições Loyola, 1998.

LORENZ, E. N. Essência do caos. Brasília: Editora da Universidade de Brasília, 1996.

MORAES, Maria Cândida. O paradigma emergente. Campinas: Papirus, 1997.

MORIN, Edgar. Introdução ao Pensamento Complexo. Porto Alegre: Sulina, 2005.

MORIN, Edgar. Educação e complexidade: os sete saberes e outros ensaios. São Paulo: Cortez, 2002.

PAIVA, V. L. M. E. Caleidoscópio: fractais de uma oficina de ensino

aprendizagem. Memorial apresentado para concurso de professor titular na Faculdade de Letras da Universidade Federal de Minas Gerais, 2002.

PAIVA, V. L. M. E. Caos, Complexidade e aquisição de segunda língua. In: PAIVA, V.L.M.O.; NASCIMENTO, M. (Org.) Sistemas adaptativos complexos: lingua(gem) e aprendizagem. Belo Horizonte: Faculdade de Letras/FAPEMIG, 2009. p.187-203

PIGOTT, Julian. A call for a multifaceted approach to language learning motivation research: Combining complexity, humanistic, na critical perspectives. Studies in second language learning and teaching. Volume 02 número 03. 366 p. 2012.

PINTO, Álvaro Vieira. Ciência e Existência: problemas filosóficos da pesquisa científica. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1979.

PRENSKY, M. Digital natives, digital immigrants. 2001. Disponível em:

<http://www.marcprensky.com/writing/>. Acesso em 04/09/2014.

PRIGOGINE, I. O nascimento do tempo. Lisboa, Portugal: Edições 70, 1988.

RECUERO, Raquel. Redes sociais na internet – Porto Alegre: Sulina, 2009. (Coleção Cibercultura).

ROCHA, Cristianne Maria Farner. As redes em saúde: entre limites e possibilidades. 2005. Disponível em: Valdir Silva e Rodrigo Santana Silva

http://www.ensp.fiocruz.br/observarh/arquivos/trabalho_redes1.pdf Acesso em:

/05/2014.

ROSNAY, J. El hombre simbiótico, Madri, Cátedra, 1996.

RUELLE, D. e TAKENS, F. On the nature of turbulence. Commun. Math. Phys., v. 20, p. 167-92, 1971; v. 23, p. 343-4, 1971.

RUELLE, D. Acaso e caos. Sao Paulo: Editora da Universidade Estadual Paulista, 1993

SENGE, M. A Quinta Disciplina: a arte e a prática da organização que aprende. Tradução: O. P. traduções. São Paulo, Best Seller, 1998.

SILVA, Valdir. A dinâmica caleidoscópica do processo de aprendizagem colaborativa: um estudo na perspectiva da complexidade/caos. Trabalho apresentado ao Programa de Pós-Graduação em Estudos Linguísticos da Faculdade de Letras da Universidade Federal de Minas Gerais, Linha J de Pesquisa: Linguagem e Tecnologia.

Belo Horizonte, 2008.

VAN LIER, L. The ecology and semiotics of language learning: a sociocultural perspective. Kluwer Academic Publishers. 2004

VASCONCELLOS, Maria José Esteves. Pensamento sistêmico: novo paradigma da ciência. Campinas: Papirus, 2002.

WALDROP, M.M. Complexity: the emerging science at the edge of order and chaos. New York: Touchstone, 1992.

WHEATLEY, M. J. Leadership and the new science: Discovering order in a chaotic world. San Francisco: Berrett-Koehler Publishers. 1999.

Downloads

Como Citar

SILVA, V.; SILVA, R. de S. Das infovias às ruas: o Facebook e as manifestações sociais na perspectiva da teoria do caos/complexidade. RUA, Campinas, SP, v. 21, n. 2, p. 285 –, 2015. DOI: 10.20396/rua.v21i2.8642470. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rua/article/view/8642470. Acesso em: 7 dez. 2022.

Edição

Seção

Estudos