Do garrafeiro ao catador de materiais recicláveis: o (re) surgimento de um sujeito do projeto urbano

Autores

  • Rubiamara Passinatto UPF- RS

DOI:

https://doi.org/10.20396/rua.v21i2.8642472

Palavras-chave:

Lixo. Catador de materiais recicláveis. Discurso. Formação discursiva. Posições sujeito

Resumo

São envolvidos os sujeitos catadores de materiais recicláveis. A historicidade desta profissão tem registro inicial no século XX, a partir do modelo consumista de vida, que além do aumento da produção de resíduos marca o crescimento do número de desempregados que passam a encontrar na catação o sustento. A partir desse contexto, o presente estudo tem como objetivo descrever e analisar as diferentes posições–sujeito que podem ser depreendidas no discurso do catador de materiais recicláveis que participa do Projeto “Profissão catador: entre o viver e sobreviver do lixo”, na cidade de Cruz AltaRS. A reflexão está fundamentada na Análise de Discurso de Linha Francesa (AD), a partir da perspectiva de Pêcheux (1990, 1993, 2009), Pêcheux e Fuchs (1990) e Orlandi (2001, 2010). A metodologia usada na pesquisa é de natureza qualitativa-descritiva, tendo como corpus recortes discursivos de cartas avaliativas dos catadores à empresa financiadora do Projeto. Constatou-se após a análise que no universo do catador, há, ao menos, duas formações discursivas que se imbricam e entre as quais o sujeito circula, assumindo posições de sujeito vinculadas ao lixo, ao trabalho, à autonomia e ao meio ambiente

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rubiamara Passinatto, UPF- RS

Bolsista Capes no Programa de Pós-Graduação em Letras da UPF- RS; e-mail: rubiamara@hotmail.com. R. Barão de Rio Branco, 375 - Centro, Casca - RS, 99260-000

Referências

ALTHUSSER, Louis. Posições 1. Rio de Janeiro: Graal, 1978, P. 178.

ALTHUSSER, Louis. (1918). Aparelhos Ideológicos de Estado: nota sobre os aparelhos ideológicos de Estado (AIE). 2. ed. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1985.

COURTINE, J.-J. Définition d’orientations théoriques et construction de procédures en analyse du discours. Philosophiques, vol. IX, número 2, octobre, 1982.

DORNELES, E. Discurso sobre a língua e a constituição da língua da escola. In: SCHONS, C. R.; CAZARIN, E. A. Língua, escola e mídia: en(tre)laçando teorias, conceitos e metodologias(orgs.). Passo Fundo-RS: Universidade de Passo Fundo, 2011, p. 34-47.

FOUCAULT, M. (1969). A arqueologia do saber. Trad. brasileira de Luiz Felipe Baeta Neves. 5ª ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1997.

GRIGOLETTO, E. Do lugar social ao discursivo: o imbricamento de diferentes posições sujeito. In: Seminário de Estudos em Análise do Discurso UFRGS, 2005, Porto Alegre. Anais eletrônicos...Porto Alegre: UFRGS, 2005, p. 154-164. Disponível em:. Acesso em: 22 jul. 2013.

INDURSKY, F. Da interpelação à falha no ritual: A trajetória teórica da noção de formação discursiva. In: BARONAS, R.L. Análise do Discurso: apontamentos para uma história da noção-conceito de formação discursiva. São Paulo: Pedro e João Editores, 2007.

ORLANDI, E. P. Do sujeito na história e no simbólico. Escritos n° 4. Campinas, SP: Laboratório de Estudos Urbanos – Nudecri, maio, 1999, p. 17-27.

ORLANDI, E. P. Análise de Discurso. Princípios & Procedimentos. 3. ed. Campinas-SP: Pontes, 2001.

ORLANDI, E. P. Análise de Discurso. In: LAGAZZI-RODRIGUES, S.; ORLANDI, E. Discurso e Textualidade. 2. ed. Campinas- SP: Pontes, 2010.

PÊCHEUX, M.; FUCHS, C. A propósito da Análise Automática do Discurso: atualização e perspectivas (1975). In: GADET, F.; HAK, T. (orgs.). Por uma análise automática do discurso. Uma Introdução à obra de Michel Pêcheux. Campinas - São Paulo: Unicamp, 1993, p.163-254.

PÊCHEUX, M. O discurso estrutura ou acontecimento. Campinas, SP: Pontes, 1990.

PÊCHEUX, M. Análise do discurso: três épocas. Tradução de Jonas Romualdo. In: GADET, F.; HAK, T. (orgs.). Por uma análise automática do discurso. Uma Introdução à obra de Michel Pêcheux. 2. ed. Campinas - São Paulo: Unicamp, 1993, p. 311-318.

PÊCHEUX, M. (1975). Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. 4ª ed. Campinas: Editora da Unicamp, 2009.

PINHEL, J. R. O catador de materiais recicláveis. In: _______ (org.). Do lixo à cidadania. Guia para a formação de cooperativas de catadores de materiais recicláveis. São Paulo: Peirópolis, 2013, p.16-30. Disponível em: http://recicloteca.org.br/blog/index.php/2013/09/10/do-lixo-acidadania-guia-para-formacao-de-cooperativas-de-catadores-de-materiais-reciclaveis/>. Acesso: 15 set. 2013

Downloads

Como Citar

PASSINATTO, R. Do garrafeiro ao catador de materiais recicláveis: o (re) surgimento de um sujeito do projeto urbano. RUA, Campinas, SP, v. 21, n. 2, p. 303–321, 2015. DOI: 10.20396/rua.v21i2.8642472. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rua/article/view/8642472. Acesso em: 7 dez. 2022.

Edição

Seção

Estudos