Sentidos (tra)vestidos: a individuação e a constituição do sujeito travesti pelo Estado

Autores

  • Lidia Noronha Pereira UNIVÁS
  • Telma Domingues da Silva UNIVÁS

DOI:

https://doi.org/10.20396/rua.v21i2.8642474

Palavras-chave:

Individuação. Estado. Sujeito travesti. Cartaz. Saúde pública

Resumo

Filiados ao campo teórico da Análise de Discurso, procuramos discutir nesse trabalho como o sujeito travesti é significado e individuado pelo Estado no Brasil. Portanto, analisamos dois cartazes confeccionados e distribuídos pelo Ministério da Saúde, que compõem a campanha de combate à AIDS. Nosso objetivo foi compreender como o sujeito travesti é discursivamente inscrito em tais cartazes, de circulação nacional e pública, marcados por um gesto administrativo. Os logotipos de esferas de governo que compõem os cartazes demarcam um território, ou seja, um espaço histórico, simbólico e geograficamente institucionalizado. Além disso, nessa posição do Estado, o sujeito travesti é significado de uma certa maneira, uma vez que é convocado por esta campanha também de uma certa maneira. A fim de prosseguirmos com essa análise, foi considerado o corpo do sujeito travesti enquanto forma material (Orlandi, 2012), reconhecendo a sua inscrição no simbólico e que esta inscrição é sustentada pelos discursos específicos. De acordo com nosso ponto de vista, não poderíamos lidar com os cartazes como se eles meramente representaram imagens impressas em formato cartaz. Ao contrário, a nossa análise permitiu apontar efeitos de sentido produzidos para o corpo travesti por um gesto interpretativo, e que esses efeitos significam processos de identificação do sujeito travesti. Há, além disso, os resultados dessa análise que apontam para a necessidade de romper o “já-dito” em relação ao sujeito travesti.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lidia Noronha Pereira, UNIVÁS

Doutoranda em Ciências da Linguagem da UNIVÁS. Av. Pref. Tuany Toledo, 470 – 37550-000 – Pouso Alegre – MG. E-mail: lidiacambuca2003@yahoo.com.br

Telma Domingues da Silva, UNIVÁS

Professora do PPGCL da UNIVÁS. Av. Pref. Tuany Toledo, 470 – 37550-000 – Pouso Alegre – MG. E-mail: telmadds@gmail.com

Referências

FOUCAULT, Michel. 1988. A história da sexualidade I: a vontade de saber. Rio de Janeiro: Edições Graal.

HAROCHE, Claudine. 1992. Fazer dizer, querer dizer. Ed. Hucitec, São Paulo.

MILLOT, Catherine. 1992. Extrasexo: ensaio sobre o transexualismo. São Paulo: Escuta.

ORLANDI, Eni P. 2011. Os sentidos de uma Estátua: Fernão Dias, individuação e identidade Pousoalgrense. (Pág. 13-34) In: ORLANDI, Eni P. (Org.) Discurso, espaço, memória – caminhos da identidade no Sul de Minas.: Campinas, Editora RG. 160p.

ORLANDI, Eni P. 2012. Processos de significação, corpo e sujeito. In: Discurso em Análise: sujeito, sentido, ideologia. Campinas, SP. Ed. Pontes. p. 83-96.

ORLANDI, Eni P. 2004. Interpretação; Autoria, leitura e efeitos do trabalho simbólico. Campinas. Ed. Pontes.156p

ORLANDI, Eni P. 2004. Cidade dos Sentidos. Campinas, São Paulo: Ed. Pontes. P. 159.

ORLANDI, Eni P. Discurso e leitura. São Paulo/ Campinas: Cortez Editores/ Editora da Unicamp, 1988.

PÊCHEUX, M. 2010. Análise automática do discurso (AAD-69). In Por uma análise automática do discurso. Uma introdução à obra de Michel Pêcheux. GADET, F. e HAK, T. (Org.), Campinas: Ed. UNICAMP. p. 61-161.

POLI, Maria Cristina. 2007 Feminino/Masculino. Rio de Janeiro. Ed. Jorge Zahar. 76p

Downloads

Como Citar

PEREIRA, L. N.; SILVA, T. D. da. Sentidos (tra)vestidos: a individuação e a constituição do sujeito travesti pelo Estado. RUA, Campinas, SP, v. 21, n. 2, p. 321–339, 2015. DOI: 10.20396/rua.v21i2.8642474. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rua/article/view/8642474. Acesso em: 7 dez. 2022.

Edição

Seção

Estudos