Banner Portal
Discurso, subjetividade e novas tecnologias: você, sem fronteiras
PDF

Palavras-chave

Subjetividade. Discurso. Novas tecnologias

Como Citar

CHIARETTI, Paula. Discurso, subjetividade e novas tecnologias: você, sem fronteiras. RUA, Campinas, SP, v. 22, n. 1, p. 33–44, 2016. DOI: 10.20396/rua.v22i1.8646065. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rua/article/view/8646065. Acesso em: 17 jun. 2024.

Resumo

No presente artigo, buscou-se traçar as coordenadas dos modos subjetivação na atualidade por meio da análise discursiva do slogan Tim, você sem fronteiras. Para tanto, o trabalho recorre à reflexão freudiana acerca do deus protético, tentando analisar de que maneira as atuais condições de produção (marcadas pelo capitalismo neoliberal e pelas novas tecnologias) engendram sentidos sobre uma subjetividade cujos traços centrais são o movimento e excesso.

 

https://doi.org/10.20396/rua.v22i1.8646065
PDF

Referências

CARREIRA, A. Enquanto houver real... In: Seminário de Abertura de Lalíngua - “Che Vuoi”: O desejo do analista ou as demandas, Ribeirão Preto, 2014.

DIAS, C. Sujeito, sociedade e tecnologia: a discursividade da rede (de sentidos). São Paulo: Hucitec, 2012.

DIAS, C. DIAS, Cristiane. e-urbano: a forma material do eletrônico no urbano. In: DIAS, C. (org.) e-urbano. LABEURB/NUDECRI/UNICAMP: Campinas, 2011. Disponível em: <http://www.labeurb.unicamp.br/livroEurbano/index.htm> Acesso em 22 de mar. 2015.

FREUD, S. (1930) O mal-estar na civilização. São Paulo: Penguin Classics Companhia das Letras, 2011.

LACAN, J. (1970) Radiofonia. In: ______. Outros escritos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2003.

LEMOS, A. Cibercultura, tecnologia e vida social na cultura contemporânea. Porto Alegre: Sulina, 2008. ORLANDI, E. A contrapelo: incursão teórica na tecnologia - discurso eletrônico, escola, cidade. Rua: Revista do Laboratório de Estudos Urbanos do Núcleo de Desenvolvimento da Criatividade, Campinas, v. 2, n. 16, p.5-17, 11 nov. 2010. Semestral. Disponível em: http://www.labeurb.unicamp.br/rua/pages/home/index.rua? acessar=16-2. Acesso em 03 out. 2013.

ORLANDI, E. Discurso e Texto: Formulação e Circulação dos Sentidos. Campinas: Pontes, 2001.

PÊCHEUX, M. Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. Campinas: Pontes, 2009.

QUINET, A. Psicose e laço social: esquizofrenia, paranoia e melancolia. Rio de Janeiro: Zahar, 2009.

SERRES, M. Atlas. Paris: Julliard, 1994.

REBOUL, O. O Slogan. São Paulo: Cultrix, 1975. TODOROV, T. Introdução à Literatura Fantástica. São Paulo: Editora Perpectiva, 1975. WINNER, L. Do Artifacts have Politics? In: __________. The Whale and the Reactor: A Search for Limits in an Age of High Technology. Chicago: The University of Chicago Press, 1986. p. 19-39.

O periódico RUA utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.