Banner Portal
Ruínas, duração e patrimonialidade
PDF

Palavras-chave

Patrimônio. Memória. Ruínas

Como Citar

MIRANDA, Cybelle Salvador. Ruínas, duração e patrimonialidade. RUA, Campinas, SP, v. 22, n. 2, p. 407–424, 2016. DOI: 10.20396/rua.v22i2.8647942. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rua/article/view/8647942. Acesso em: 14 jun. 2024.

Resumo

A construção do conceito de patrimônio na cultura contemporânea nos convida a uma reflexão sobre os contextos de recepção dos bens a serem preservados. Neste panorama, as ruínas assumem significados distintos, acentuando a disparidade entre as noções de duração e o papel do patrimônio edificado para a constituição das singularidades locais. Considerando as ruínas como fenômenos característicos da modernidade, arquiteturas da Belém histórica dialogam com outros artefatos no Brasil e em Portugal para fazer pensar no sentido antropológico da duração
https://doi.org/10.20396/rua.v22i2.8647942
PDF

Referências

ARANTES, Otília. Urbanismo em fim de linha e outros estudos sobre o colapso da modernização arquitetônica. São Paulo: Edusp, 1998.

ASSMANN, Aleida. A gramática da memória coletiva. Humboldt, 86, Bonn, GoetheInstitut Inter Nationes, p. 2-4, 2003.

BENJAMIN, Walter. A obra de arte na era de sua Reprodutibilidade técnica. Obras Escolhidas. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre Literatura e História da Cultura. v. 1. São Paulo: Brasiliense, 1985.

BENJAMIN, Walter. A tarefa do tradutor. Escritos sobre mito e linguagem (1915- 1921). São Paulo: Duas cidades;Ed. 34. 2011.

BENJAMIN, Walter. Escavar e Lembrar. Obras Escolhidas. v. 2. São Paulo: Brasiliense, 1987.

BENJAMIN, Walter. Paris Capitale du XIXe Siècle - le livre des passages. Paris: Éditions du Cerf, 1989.

CHASTEL, André. La notion de patrimoine In: NORA, Pierre. Les Lieux de Mémoire. Paris:Gallimard,1997. v.1.

CHAVES, Ernani. Memória, Esquecimento e a constituição histórica da Filosofia. s.d. p. 2. (Texto de Aula da Disciplina Memória e Esquecimento, 2003)

CHAVES, Ernani. História, memória e esquecimento. No limiar do moderno: estudos sobre Friedrich Nietzsche e Walter Benjamin. Belém: Paka-Tatu, 2003.

CHOAY, Françoise. A alegoria do Patrimônio. Lisboa: Edições 70, 2000.

GAGNEBIN, Jeanne-Marie. Walter Benjamin – os cacos da história. São Paulo, Brasiliense, 1993. (Coleção Tudo é História)

JAMESON, Fredric. As marcas do visível. Rio de Janeiro: Graal, 1995.

NIETZSCHE, Friedrich. Genealogia da Moral. São Paulo: Companhia das Letras, 1997.

POULOT, Dominique. Uma história do patrimônio no Ocidente. São Paulo: Estação Liberdade, 2009.

ROUANET, Sergio Paulo. As Razões do Iluminismo. São Paulo: Companhia das Letras, 1987.

RIEGL, Aloïs. O Culto moderno dos monumentos sua essência e sua gênese. Trad. Elaine Ribeiro Peixoto e Albertina Vicentine. Goiânia: Ed. da UCG, 2006.

SIMMEL, Jorge. Las Ruínas In: Cultura Femenina y otros ensayos. Madrid: Revista de Occidente, 1984.

O periódico RUA utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.