Banner Portal
“Geografias públicas” da sociabilidade juvenil do/no movimento hip-hop
PDF

Palavras-chave

Geografia. Espaços públicos. Movimento hip-hop. Sociabilidade juvenil

Como Citar

ADAMI, L. R.; NABOZNY, A. “Geografias públicas” da sociabilidade juvenil do/no movimento hip-hop. RUA, Campinas, SP, v. 22, n. 2, p. 445–468, 2016. DOI: 10.20396/rua.v22i2.8647944. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rua/article/view/8647944. Acesso em: 23 fev. 2024.

Resumo

Como a sociabilidade juvenil interiorizada do/no movimento social hip-hop entrelaça-se com os espaços públicos urbanos do município de Ponta Grossa – PR? Os procedimentos de pesquisas são configurados por meio de trabalhos de campo, entrevistas narrativas e com grupos focais. Exploram-se do movimento hip-hop “os sujeitos” do graffiti e o rap. A reflexão a partir do espaço e das representações possibilita uma articulação com o social, tensionadas entre as apropriações juvenis e a ordem racional do Estado. O “público” constitui o hip-hop, mas os jovens constroem novas representações do espaço em suas manifestações artísticas, formando uma “cartografia simbólica” que expressa as trajetórias espaços temporais dos sujeitos a partir de seus discursos e ações no espaço público de Ponta Grossa – PR.
https://doi.org/10.20396/rua.v22i2.8647944
PDF

Referências

BAUER, M. W; GASKELL, G. (orgs). Pesquisa Qualitativa Com Texto, Imagem e Som: um manual prático. 7 ed. Petrópolis: Vozes, 2008.

BRASIL. Lei n°12.408, de 25 de maio de 2011. Altera o art. 65 da Lei no 9.605, de 12 de fevereiro de 1998, para descriminalizar o ato de grafitar, e dispõe sobre a proibição de comercialização de tintas em embalagens do tipo aerossol a menores de 18 (dezoito) anos. Brasília 25 de maio de 2011. Disponível em:http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011014/2011/Lei/L12408.htm. Acesso em junho de 2015.

BRASIL. Lei n°12.852, de 5 de agosto de 2013. Institui o Estatuto da Juventude e dispõe sobre os direitos dos jovens, os princípios e diretrizes das políticas públicas de juventude e o Sistema Nacional de Juventude - SINAJUVE. Brasília, 5 de agosto de 2013. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato20112014/2013/Lei/L12852.htm. Acesso em junho de 2015.

GOMES, P. C. da C. A Condição Urbana: Ensaios de Geopolítica da Cidade. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil. 2006.

GOMES, P. C. da C. Um modo de ser do espaço, um modo de ser no espaço. In: CASTRO, I. E.; GOMES, P. C. da C.; CORRÊA, R. L. (orgs.). Olhares Geográficos: Modos de Ver e Viver no Espaço. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2012, p.13-32.

HARVEY, D. Espaços de Esperança. São Paulo: Edições Loyola, 2004.

JOVCHELOVITCH, S. Representações Sociais e Esfera Pública: a construção simbólica dos espaços públicos no Brasil. Petrópolis: Vozes, 2000.

LAITANO, G. S. Vivência, juízo e transformação: geograficidades na escrita do Movimento hip-hop. In: HEIDRICH, Á. L; COSTA, B. P da;

PIRES, C. L. Z; UEDA, V. (orgs.). A emergência da multiterritorialidade: a ressignificação da relação do humano com o espaço. Canoas: Ed. ULBRA. Porto Alegre: Ed. UFRGS, 2008, p.301- 311.

LIMA, E. L de. Encruzilhadas geográficas: notas sobre a compreensão do sujeito na teoria social crítica. Rio de Janeiro: Consequência, 2014.

NOGUÉ, J; ROMERO, J. Otras geografías, outros tiempos. Nuevas y viejas preguntas, viejas y nuevas respuestas. In: NOGUÉ, J; ROMERO, J (orgs.). Las otras Geografías. Valencia: Ed. Tirant La Blanch, 2006. p.15-50.

OLIVEIRA, D. A. Territorialidades no mundo globalizado: outras leituras de cidade a partir da cultura Hip Hop na metrópole carioca. 2006, 168 fh. Dissertação (Mestrado em Geografia). Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Federal

Fluminense, Niterói, 2006.

PONTA GROSSA. Estação Arte. Prefeitura Municipal de Ponta Grossa, 2016. Disponível em: http://www.pontagrossa.pr.gov.br/estacao-arte. Acesso em maio de 2016.

SANTOS, M. A. natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção. 3 ed. São Paulo: Hucitec, 1999.

SANTOS, M. A. Por uma outra globalização: do pensamento único à consciência universal. 13 ed. São Paulo: Record, 2006.

SANTOS, C. N. F. dos; VOGEL, A (coord). Quando a rua vira casa. A apropriação de espaços de uso coletivo em um centro de bairro. 3 ed. São Paulo: Projeto. Rio de Janeiro: IBAM, 1985.

SERPA, A. O Espaço Público na Cidade Contemporânea. São Paulo: Contexto, 2007.

SERPA, A. Por uma Geografia das Representações Sociais. In: OLAN – Ciência & Tecnologia. Rio Claro/SP, Brasil Vol. 5, n.01. p.220-232. Maio/2005. Disponível em: http://www.esplivre.ufba.br/artigos/AngeloSerpa_Olam5_2005.pdf. Acesso em abril de 2015.

SILVA, A. Imaginários urbanos. São Paulo: Ed. Perspectiva, 2001.

SMITH, N. Contornos de Uma Política Espacializada: Veículos dos Sem-Teto e Produção de Escala Geográfica. In: ARANTES, A. A (org.). O espaço da diferença. Campinas: Papirus, 2000. p.132-175.

SOUZA, M. J. L de. Fobópole: O medo generalizado e a militarização da questão urbana. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2008.

TARTAGLIA, L. Geograffitis: Uma leitura geográfica dos graffitis cariocas. Rio de Janeiro: Multifoco, 2014.

TURRA NETO, N. Metodologias de Pesquisa para o Estudo Geográfico da Sociabilidade Juvenil. RAE’GA. v.23, p.340-375. 2011. Disponível em: http://revistas.ufpr.br/raega/article/view/24843/16655. Acesso em dezembro de 2014.

O periódico RUA utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.