“Geografias públicas” da sociabilidade juvenil do/no movimento hip-hop

Autores

  • Lucas Renato Adami Universidade Estadual de Ponta Grossa
  • Almir Nabozny Universidade Estadual de Ponta Grossa

DOI:

https://doi.org/10.20396/rua.v22i2.8647944

Palavras-chave:

Geografia. Espaços públicos. Movimento hip-hop. Sociabilidade juvenil

Resumo

Como a sociabilidade juvenil interiorizada do/no movimento social hip-hop entrelaça-se com os espaços públicos urbanos do município de Ponta Grossa – PR? Os procedimentos de pesquisas são configurados por meio de trabalhos de campo, entrevistas narrativas e com grupos focais. Exploram-se do movimento hip-hop “os sujeitos” do graffiti e o rap. A reflexão a partir do espaço e das representações possibilita uma articulação com o social, tensionadas entre as apropriações juvenis e a ordem racional do Estado. O “público” constitui o hip-hop, mas os jovens constroem novas representações do espaço em suas manifestações artísticas, formando uma “cartografia simbólica” que expressa as trajetórias espaços temporais dos sujeitos a partir de seus discursos e ações no espaço público de Ponta Grossa – PR.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lucas Renato Adami, Universidade Estadual de Ponta Grossa

Bacharel em Geografia pela Universidade Estadual de Ponta Grossa.

Almir Nabozny, Universidade Estadual de Ponta Grossa

Doutor em Geografia pela Universidade Federal do Rio Grande Sul. Docente permanente no Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG).

Referências

BAUER, M. W; GASKELL, G. (orgs). Pesquisa Qualitativa Com Texto, Imagem e Som: um manual prático. 7 ed. Petrópolis: Vozes, 2008.

BRASIL. Lei n°12.408, de 25 de maio de 2011. Altera o art. 65 da Lei no 9.605, de 12 de fevereiro de 1998, para descriminalizar o ato de grafitar, e dispõe sobre a proibição de comercialização de tintas em embalagens do tipo aerossol a menores de 18 (dezoito) anos. Brasília 25 de maio de 2011. Disponível em:http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011014/2011/Lei/L12408.htm. Acesso em junho de 2015.

BRASIL. Lei n°12.852, de 5 de agosto de 2013. Institui o Estatuto da Juventude e dispõe sobre os direitos dos jovens, os princípios e diretrizes das políticas públicas de juventude e o Sistema Nacional de Juventude - SINAJUVE. Brasília, 5 de agosto de 2013. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato20112014/2013/Lei/L12852.htm. Acesso em junho de 2015.

GOMES, P. C. da C. A Condição Urbana: Ensaios de Geopolítica da Cidade. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil. 2006.

GOMES, P. C. da C. Um modo de ser do espaço, um modo de ser no espaço. In: CASTRO, I. E.; GOMES, P. C. da C.; CORRÊA, R. L. (orgs.). Olhares Geográficos: Modos de Ver e Viver no Espaço. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2012, p.13-32.

HARVEY, D. Espaços de Esperança. São Paulo: Edições Loyola, 2004.

JOVCHELOVITCH, S. Representações Sociais e Esfera Pública: a construção simbólica dos espaços públicos no Brasil. Petrópolis: Vozes, 2000.

LAITANO, G. S. Vivência, juízo e transformação: geograficidades na escrita do Movimento hip-hop. In: HEIDRICH, Á. L; COSTA, B. P da;

PIRES, C. L. Z; UEDA, V. (orgs.). A emergência da multiterritorialidade: a ressignificação da relação do humano com o espaço. Canoas: Ed. ULBRA. Porto Alegre: Ed. UFRGS, 2008, p.301- 311.

LIMA, E. L de. Encruzilhadas geográficas: notas sobre a compreensão do sujeito na teoria social crítica. Rio de Janeiro: Consequência, 2014.

NOGUÉ, J; ROMERO, J. Otras geografías, outros tiempos. Nuevas y viejas preguntas, viejas y nuevas respuestas. In: NOGUÉ, J; ROMERO, J (orgs.). Las otras Geografías. Valencia: Ed. Tirant La Blanch, 2006. p.15-50.

OLIVEIRA, D. A. Territorialidades no mundo globalizado: outras leituras de cidade a partir da cultura Hip Hop na metrópole carioca. 2006, 168 fh. Dissertação (Mestrado em Geografia). Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Federal

Fluminense, Niterói, 2006.

PONTA GROSSA. Estação Arte. Prefeitura Municipal de Ponta Grossa, 2016. Disponível em: http://www.pontagrossa.pr.gov.br/estacao-arte. Acesso em maio de 2016.

SANTOS, M. A. natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção. 3 ed. São Paulo: Hucitec, 1999.

SANTOS, M. A. Por uma outra globalização: do pensamento único à consciência universal. 13 ed. São Paulo: Record, 2006.

SANTOS, C. N. F. dos; VOGEL, A (coord). Quando a rua vira casa. A apropriação de espaços de uso coletivo em um centro de bairro. 3 ed. São Paulo: Projeto. Rio de Janeiro: IBAM, 1985.

SERPA, A. O Espaço Público na Cidade Contemporânea. São Paulo: Contexto, 2007.

SERPA, A. Por uma Geografia das Representações Sociais. In: OLAN – Ciência & Tecnologia. Rio Claro/SP, Brasil Vol. 5, n.01. p.220-232. Maio/2005. Disponível em: http://www.esplivre.ufba.br/artigos/AngeloSerpa_Olam5_2005.pdf. Acesso em abril de 2015.

SILVA, A. Imaginários urbanos. São Paulo: Ed. Perspectiva, 2001.

SMITH, N. Contornos de Uma Política Espacializada: Veículos dos Sem-Teto e Produção de Escala Geográfica. In: ARANTES, A. A (org.). O espaço da diferença. Campinas: Papirus, 2000. p.132-175.

SOUZA, M. J. L de. Fobópole: O medo generalizado e a militarização da questão urbana. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2008.

TARTAGLIA, L. Geograffitis: Uma leitura geográfica dos graffitis cariocas. Rio de Janeiro: Multifoco, 2014.

TURRA NETO, N. Metodologias de Pesquisa para o Estudo Geográfico da Sociabilidade Juvenil. RAE’GA. v.23, p.340-375. 2011. Disponível em: http://revistas.ufpr.br/raega/article/view/24843/16655. Acesso em dezembro de 2014.

Downloads

Publicado

2016-12-15

Como Citar

ADAMI, L. R.; NABOZNY, A. “Geografias públicas” da sociabilidade juvenil do/no movimento hip-hop. RUA, Campinas, SP, v. 22, n. 2, p. 445–468, 2016. DOI: 10.20396/rua.v22i2.8647944. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rua/article/view/8647944. Acesso em: 18 maio. 2022.

Edição

Seção

Estudos