O encontro entre humanos, cães, ruas e arte: aproximações e experimentações conceituais

Autores

  • Michele Fernandes Gonçalves Universidade Estadual de Campinas
  • Ana Godoy Universidade Federal da Paraíba

DOI:

https://doi.org/10.20396/rua.v22i2.8647946

Palavras-chave:

Cães. Humanos. Ruas. Afetos. Potências. Arte.

Resumo

Este artigo propõe aproximações e experimentações conceituais a respeito do encontro entre humanos, cães e ruas. Explora-se a potência das relações que podem se estabelecer entre estes entes, no espaço público urbano, quando eles se encontram entre si através da arte. O objetivo, a partir do esgotamento do pensamento e da abertura à sensibilidade mediada pela arte, é provocar reflexões acerca das ordens discursivas que atualmente impõe-se aos entes de uma forma geral – e especificamente aos cães “abandonados” –, problematizar e redimensionar as relações entre eles e de todos com o habitar, e (des)identificar os cães “de rua” de categorias marginalizantes como a do abandono. A metodologia consiste de pesquisa bibliográfica abarcando autores contemporâneos dos campos da antropologia, da filosofia, da psicanálise e das artes

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Michele Fernandes Gonçalves, Universidade Estadual de Campinas

Mestre em Sustentabilidade na Gestão Ambiental pela Universidade Federal de São Carlos, Campus Sorocaba e pesquisadora do grupo multiTÃO – prolifer-artes subvertendo ciências, educações e comunicações, Labjor/Unicamp.

Ana Godoy, Universidade Federal da Paraíba

Dra. em Ciências Sociais (PUCSP) e pesquisadora associada ao Grupo de Estudos e Pesquisas Anarquistas – GEPAN – da Universidade Federal da Paraíba – RFPB. É autora do livro A menor das ecologias (Edusp, 2008).

Referências

BORGES, Jorge L. O idioma analítico de John Wilkins. In: Outras Inquisições. Trad. Davi Arrigucci Jr. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. O que é a filosofia. Trad. Bento Prado Jr. e Alberto Alonso Muñoz. São Paulo: Ed. 34, 2010.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mil Platôs - capitalismo e esquizofrenia. Vol. 4. Trad. Suely Rolnik. São Paulo: Ed. 34, 2012.

DERRIDÁ, Jacques. O animal que logo sou. Trad. Fábio Landa. São Paulo: Ed. da Unesp, 2002.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Trad. Roberto Machado. Rio de Janeiro: Graal, 1979.

FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso. Aula inaugural do Collège de France, pronunciada em 2 de dezembro de 1970. Trad. Laura Fraga de Almeida Sampaio. São Paulo: Loyola, 1998.

FOUCAULT, Michel. As palavras e as coisas: uma arqueologia das ciências humanas. Trad. Salma Tannus Muchail. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

GONÇALVES, Michele Fernandes. Quando cães, humanos e ruas se encontram: pensamento, movimento e sensação por entre vidas, afetos, arte e palavras. 2016. 135 p. Dissertação (Mestrado Profissional em Sustentabilidade na Gestão Ambiental) – Programa de Pós-graduação em Sustentabilidade na Gestão Ambiental, Universidade Federal de São Carlos, Sorocaba, 2016.

HADAWAY, 2003. O Manifesto das Espécies de Companhia: cães, pessoas e a outridade significante. Trad. Sandra Michelli da Costa Gomes. Chicago: Prickly Paradigm Press, 2003. 39 p. Disponível em: http://docslide.com.br/documents/omanifesto-das-especies-de-companhia-caes-pessoas-e-a-outridade-significante.html.

HEIDEGGER, Martin. [Bauen, Wohnen, Denken] (1951). Viver, habitar, pensar. Trad. Marcia Sá Cavalcante Schuback. Conferência pronunciada por ocasiaõ da "Segunda Reuniaõ de Darmastad". Vortäge und Aufsätze, G. Neske: Pfullingen, 1954.

INGOLD, Tim. Humanidade e animalidade. Trad. Vera Pereira. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 28, n. 10, p. 39-53, 1995.

JOAO DO RIO. A alma encantadora das ruas. Rio de Janeiro: Secretaria Municipal de Cultura/Departamento Geral de Documentação e Informação Cultural, 1995. Disponível em: http://www.rio.rj.gov.br/dlstatic/10112/4204210/4101365/alma_

encant_ruas.pdf. Acesso em: 10 ago. 2015.

LESTÉL, Dominique. A animalidade, o humano e as comunidades híbridas. In: MACIEL, Maria Esther (org.). Pensar/escrever o animal: ensaios de zoopoética e biopolítica. Florianópolis: Editora da UFSC, 2011. 444p.

LÉVI-STRAUSS, Claude. As estruturas elementares do parentesco. Trad. Mariano Ferreira. Cap. 1. Petrópolis, RJ: Vozes, 1982.

LÉVI-STRAUSS, Claude. O Pensamento Selvagem. Trad. Tânia Pellegrini. Campinas, SP: Papirus, 1987.

NUERNBERG, Adriano Henrique; ZANELLA, Andréa Vieira. A relação natureza e cultura: O debate antropológico e as contribuições de Vygotski. Interação em psicologia, Curitiba v. 7, n. 2, p. 81-89, 2003. Disponível em: http://www.scielo.org.ar/pdf/ava/n19/n19a01.pdf. Acesso em: 10 ago. 2015.

ORLANDI, Luiz B. L. Morada do Ente. In: PÉLBART, Peter Paul; LINS, Daniel (Orgs). Nietschie e Deleuze: Bárbaros e Civilizados. São Paulo: Annablume, 2004. 248 pgs.

PORO. Intervalo, Respiro, Pequenos Deslocamentos: ações poéticas do Poro. In: CAMPBELL, Brígida; TERÇA-NADA!, Marcelo (Orgs). São Paulo: Radical Livros, 2011.

ROLNIK, Suely. Entrevista a Suely Rolnik. Despedirse del absoluto. Campo Grupal, Buenos Aires, ano 4, n. 35, p. 2-3, 2002.

ROLNIK, Suely. Geopolítica da cafetinagem. 2006. Disponível em: http://www.pucsp.br/nucleodesubjetividade/Textos/SUELY/Geopolitica.pdf. Acesso em: 10 ago. 2015.

RANCIÈRE, Jacques. A partilha do sensível: estética e política. Trad. Mônica Costa Netto. São Paulo: Ed. 34, 2005.

RANCIÈRE, Jacques. O expectador emancipado. Trad. Ivone C. Benedetti. São Paulo: Martins Fontes, 2012.

VELDEN, Felipe Vander; BADIE, Marilyn Cebolla. A relação entre natureza e cultura em sua diversidade: percepções, classificações e práticas. Avá, Revista de Antropología, [online], Posadas, n. 19, p. 00-00, 2011. Disponível em: http://www.scielo.org.ar/pdf/ava/n19/n19a01.pdf. Acesso em: 10 ago. 2015.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. Os pronomes cosmológicos e o perspectivismo ameríndio. Maná, Rio de Janeiro, v. 2, n. 2, p. 115-144, 1996. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.phpscript=sci_arttext&pid=S010493131996000200005. Acesso em: Acesso em: 10 ago. 2015.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. O nativo relativo. Maná, Rio de Janeiro, v. 8, n. 1, p. 113-148, 2002. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S010493132002000100005&script=sci_arttext. Acesso em: Acesso em: 10 ago. 2015.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. Claude Lévi-Strauss por Eduardo Viveiros de Castro. Estudos avançados, São Paulo, v. 23, n. 67, p. 193-202, 2009

Downloads

Publicado

2016-12-15

Como Citar

GONÇALVES, M. F.; GODOY, A. O encontro entre humanos, cães, ruas e arte: aproximações e experimentações conceituais. RUA, Campinas, SP, v. 22, n. 2, p. 469–491, 2016. DOI: 10.20396/rua.v22i2.8647946. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rua/article/view/8647946. Acesso em: 27 maio. 2022.

Edição

Seção

Estudos