Recortes e(m) análise: no movimento da narratividade cinematográfica

Autores

  • Atilio Catosso Salles Universidade do Vale do Sapucaí
  • Greciely Cristina Costa Universidade do Vale do Sapucaí

DOI:

https://doi.org/10.20396/rua.v22i2.8647949

Palavras-chave:

Análise de discurso. Imagem. Território vermelho. Sujeito. Narratividade

Resumo

Como objetivo, numa posição discursiva, a partir do funcionamento do que temos chamado de uma política do olhar ideológico (XAVIER, 1977), busca-se compreender como se dão os efeitos de narratividade na base material da imagem. O corpus é constituído por recortes de imagens do documentário Território Vermelho de Kiko Goifman (2004) e, é, a partir do movimento destas imagens/recortes, na torção delas, pelo efeito de edição, que traçamos apontamentos sobre o modo como a cidade é discursivizada em uma narrativa fílmica. Neste jogo entre os efeitos da montagem e a cidade, temos os deslizamentos de sentidos que abrem o ‘sinal’ do semáforo para sujeitos da/na cidade se significarem em um território de existência, por seus diferentes modos, seja pelo lugar do silêncio e seus efeitos, ainda que aparentemente excluídos, sujeitos estão a significar, reclamando interpretação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Atilio Catosso Salles, Universidade do Vale do Sapucaí

Doutorando em Ciências da Linguagem pela Universidade do Vale do Sapucaí (Univás).

Greciely Cristina Costa, Universidade do Vale do Sapucaí

Docente do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Linguagem da UNIVÁS.

Referências

BARBAI, Marcos Aurélio. Uma imagem na cidade: no flagrante um sentido. In. Caderno de Estudos Linguísticos, Campinas, 53(2):169-178, Jul./Dez. 2011

COSTA, Greciely Cristina. Linguagem em funcionamento: sujeito e criminalidade. Dissertação. Unicamp. 2008.

FEDATTO, Carolina Padilha, 1983- Um saber nas ruas: o discurso histórico sobre a cidade brasileira / Carolina Padilha Fedatto. Campinas, SP: [s.n.], 2011.

LAGAZZI-RODRIGUES, Suzy. Linha de Passe: a materialidade significante em análise. RUA [online]. 2010, no. 16. Volume 2 - ISSN 1413-2109.

LAGAZZI-RODRIGUES, Suzy. O discurso em diferentes territórios: o vermelho entre todas as cores. Discurso, Sujeito, Memória, Campinas, SP: Pontes, 2012.

MARX, K. e ENGELS, F. O 18 Brumário e cartas a KugelmannI. 6 ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1997.

ORLANDI, Eni P. (1984). Segmentar ou Recortar. In: Série Estudos 10. Uberaba: FIU.

ORLANDI, Eni P. A linguagem e seu funcionamento. São Paulo: Pontes, 1987.

ORLANDI, Eni P. Discurso e leitura. São Paulo: Ed. UNICAMP: Cortez, 1988. cap.: Inteligibilidade, interpretação e compreensão.

ORLANDI, Eni P. Efeitos do verbal sobre o não-verbal. In.: Revista Rua. Campinas, S/ed. : março, 1995 – nº.01

ORLANDI, Eni P. (Org.). Gestos de leitura. Campinas: Ed. da UNICAMP, 1994a.

ORLANDI, Eni P. Discurso, imaginário social e conhecimento. Brasília, ano 14, n.61, jan./mar. 1994b.

ORLANDI, Eni P. Interpretação: Autoria, leitura e efeitos do trabalho simbólico. Petrópolis-RJ Vozes, 1996.

ORLANDI, Eni P. Do sujeito na história e no simbólico. In: Revista Escritos nº4: Contextos epistemológicos da análise do discurso. Campinas, SP: LABEURB, 1999.

ORLANDI, Eni P. Análise de discurso: princípios e procedimentos. Campinas: Pontes, 1999.

ORLANDI, Eni P. Discurso e Texto. Campinas. Pontes, 2001.

ORLANDI, Eni P. Cidade dos sentidos. Campinas/SP: Pontes, 2004.

ORLANDI, Eni P. Discurso em Análise: sujeito, sentido, ideologia. Campinas: Pontes, 2012.

ORLANDI, Eni P. A palavra dança e o mundo roda: Polícia!. In.: Cidade, Linguagem e Tecnologia:20 anos de História. Eduardo Guimarães. (Org.) Campinas/SP; LABEURB, 2013.

MALUF-SOUZA, Olímpia. Cidade, Discurso e Ideologia. Anais do

Sead.online]2010. http://www.discurso.ufrgs.br/anaisdosead/2SEAD/SIMPOSIOS/Oli mpiaMalufSouza.pdf.

MARIANI, Betânia (org.) A Escrita e os Escritos: reflexões em Análise do Discurso e Psicanálise. São Carlos: Editora Claraluz, 2006 (215-222)

PÊCHEUX, M. L'étrange miroir de l'Analyse Du Discours.In: Langages nº 62, Paris, pp. 5-8; juin 1981.

PÊCHEUX, M. O discurso: estrutura ou acontecimento. Trad. Eni Orlandi. Campinas, SP: Pontes, 1990.

PÊCHEUX, M. (1975) Semântica e Discurso: Uma Critica à Afirmação do Óbvio. Campinas, SP. Editora da UNICAMP. 2009.

PÊCHEUX, M. (1978) Só há causa daquilo que falha ou o inverno político francês: início de uma retificação Em: Pêcheux, M. Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio, Campinas: Ed. Unicamp, 1997.

PÊCHEUX, M. Metáfora e Interdiscurso. In. Análise de Discurso Michel Pêcheux. Org. Eni P. Orlandi, Campinas, SP: Pontes Editores, 2011.

PÊCHEUX, M. Papel da memória. In: ACHARD, Pierre et. al.. Papel da Memória.Campinas/SP: Pontes, 1999.

PÊCHEUX, M. e GADET, F (1981) A língua inatingível: o discurso na história da linguística. Campinas/SP: Pontes, 2004.

ROMÃO, Lucília Maria Souza. Sentidos de Clarice na exposição do Museu da Língua Portuguesa. Data Grama Zero - Revista de Ciência da Informação - v.10 n.1 fev08.

ROBIN, Régine. La mémoire saturée. Paris : Stock, 2003.

ROLNIK, Sueli. Uma insólita viagem à subjetividade fronteiras com a ética e a cultura. 1997. Disponível em: http://caosmose.net/suelyrolnik/textos/sujeticabourdieu.doc

Acesso em: 23jan. 2014

XAVIER, Ismail. O Discurso Cinematográfico: a opacidade e a transparência. Riode Janeiro: Paz e Terra, 1977.

ZOPPI-FONTANA, M. Cidadãos modernos. Campinas: Editora da Unicamp, 1997. Outras referências: GOIFMAN, Kiko. Território Vermelho [documentário–vídeo]. Produção de Jurandir Muller, direção de Kiko Goifman, São Paulo, 2004.

Downloads

Publicado

2016-12-15

Como Citar

SALLES, A. C.; COSTA, G. C. Recortes e(m) análise: no movimento da narratividade cinematográfica. RUA, Campinas, SP, v. 22, n. 2, p. 553–572, 2016. DOI: 10.20396/rua.v22i2.8647949. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rua/article/view/8647949. Acesso em: 27 maio. 2022.

Edição

Seção

Estudos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)