Banner Portal
Recortes e(m) análise: no movimento da narratividade cinematográfica
PDF

Palavras-chave

Análise de discurso. Imagem. Território vermelho. Sujeito. Narratividade

Como Citar

SALLES, Atilio Catosso; COSTA, Greciely Cristina. Recortes e(m) análise: no movimento da narratividade cinematográfica. RUA, Campinas, SP, v. 22, n. 2, p. 553–572, 2016. DOI: 10.20396/rua.v22i2.8647949. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rua/article/view/8647949. Acesso em: 12 abr. 2024.

Resumo

Como objetivo, numa posição discursiva, a partir do funcionamento do que temos chamado de uma política do olhar ideológico (XAVIER, 1977), busca-se compreender como se dão os efeitos de narratividade na base material da imagem. O corpus é constituído por recortes de imagens do documentário Território Vermelho de Kiko Goifman (2004) e, é, a partir do movimento destas imagens/recortes, na torção delas, pelo efeito de edição, que traçamos apontamentos sobre o modo como a cidade é discursivizada em uma narrativa fílmica. Neste jogo entre os efeitos da montagem e a cidade, temos os deslizamentos de sentidos que abrem o ‘sinal’ do semáforo para sujeitos da/na cidade se significarem em um território de existência, por seus diferentes modos, seja pelo lugar do silêncio e seus efeitos, ainda que aparentemente excluídos, sujeitos estão a significar, reclamando interpretação.
https://doi.org/10.20396/rua.v22i2.8647949
PDF

Referências

BARBAI, Marcos Aurélio. Uma imagem na cidade: no flagrante um sentido. In. Caderno de Estudos Linguísticos, Campinas, 53(2):169-178, Jul./Dez. 2011

COSTA, Greciely Cristina. Linguagem em funcionamento: sujeito e criminalidade. Dissertação. Unicamp. 2008.

FEDATTO, Carolina Padilha, 1983- Um saber nas ruas: o discurso histórico sobre a cidade brasileira / Carolina Padilha Fedatto. Campinas, SP: [s.n.], 2011.

LAGAZZI-RODRIGUES, Suzy. Linha de Passe: a materialidade significante em análise. RUA [online]. 2010, no. 16. Volume 2 - ISSN 1413-2109.

LAGAZZI-RODRIGUES, Suzy. O discurso em diferentes territórios: o vermelho entre todas as cores. Discurso, Sujeito, Memória, Campinas, SP: Pontes, 2012.

MARX, K. e ENGELS, F. O 18 Brumário e cartas a KugelmannI. 6 ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1997.

ORLANDI, Eni P. (1984). Segmentar ou Recortar. In: Série Estudos 10. Uberaba: FIU.

ORLANDI, Eni P. A linguagem e seu funcionamento. São Paulo: Pontes, 1987.

ORLANDI, Eni P. Discurso e leitura. São Paulo: Ed. UNICAMP: Cortez, 1988. cap.: Inteligibilidade, interpretação e compreensão.

ORLANDI, Eni P. Efeitos do verbal sobre o não-verbal. In.: Revista Rua. Campinas, S/ed. : março, 1995 – nº.01

ORLANDI, Eni P. (Org.). Gestos de leitura. Campinas: Ed. da UNICAMP, 1994a.

ORLANDI, Eni P. Discurso, imaginário social e conhecimento. Brasília, ano 14, n.61, jan./mar. 1994b.

ORLANDI, Eni P. Interpretação: Autoria, leitura e efeitos do trabalho simbólico. Petrópolis-RJ Vozes, 1996.

ORLANDI, Eni P. Do sujeito na história e no simbólico. In: Revista Escritos nº4: Contextos epistemológicos da análise do discurso. Campinas, SP: LABEURB, 1999.

ORLANDI, Eni P. Análise de discurso: princípios e procedimentos. Campinas: Pontes, 1999.

ORLANDI, Eni P. Discurso e Texto. Campinas. Pontes, 2001.

ORLANDI, Eni P. Cidade dos sentidos. Campinas/SP: Pontes, 2004.

ORLANDI, Eni P. Discurso em Análise: sujeito, sentido, ideologia. Campinas: Pontes, 2012.

ORLANDI, Eni P. A palavra dança e o mundo roda: Polícia!. In.: Cidade, Linguagem e Tecnologia:20 anos de História. Eduardo Guimarães. (Org.) Campinas/SP; LABEURB, 2013.

MALUF-SOUZA, Olímpia. Cidade, Discurso e Ideologia. Anais do

Sead.online]2010. http://www.discurso.ufrgs.br/anaisdosead/2SEAD/SIMPOSIOS/Oli mpiaMalufSouza.pdf.

MARIANI, Betânia (org.) A Escrita e os Escritos: reflexões em Análise do Discurso e Psicanálise. São Carlos: Editora Claraluz, 2006 (215-222)

PÊCHEUX, M. L'étrange miroir de l'Analyse Du Discours.In: Langages nº 62, Paris, pp. 5-8; juin 1981.

PÊCHEUX, M. O discurso: estrutura ou acontecimento. Trad. Eni Orlandi. Campinas, SP: Pontes, 1990.

PÊCHEUX, M. (1975) Semântica e Discurso: Uma Critica à Afirmação do Óbvio. Campinas, SP. Editora da UNICAMP. 2009.

PÊCHEUX, M. (1978) Só há causa daquilo que falha ou o inverno político francês: início de uma retificação Em: Pêcheux, M. Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio, Campinas: Ed. Unicamp, 1997.

PÊCHEUX, M. Metáfora e Interdiscurso. In. Análise de Discurso Michel Pêcheux. Org. Eni P. Orlandi, Campinas, SP: Pontes Editores, 2011.

PÊCHEUX, M. Papel da memória. In: ACHARD, Pierre et. al.. Papel da Memória.Campinas/SP: Pontes, 1999.

PÊCHEUX, M. e GADET, F (1981) A língua inatingível: o discurso na história da linguística. Campinas/SP: Pontes, 2004.

ROMÃO, Lucília Maria Souza. Sentidos de Clarice na exposição do Museu da Língua Portuguesa. Data Grama Zero - Revista de Ciência da Informação - v.10 n.1 fev08.

ROBIN, Régine. La mémoire saturée. Paris : Stock, 2003.

ROLNIK, Sueli. Uma insólita viagem à subjetividade fronteiras com a ética e a cultura. 1997. Disponível em: http://caosmose.net/suelyrolnik/textos/sujeticabourdieu.doc

Acesso em: 23jan. 2014

XAVIER, Ismail. O Discurso Cinematográfico: a opacidade e a transparência. Riode Janeiro: Paz e Terra, 1977.

ZOPPI-FONTANA, M. Cidadãos modernos. Campinas: Editora da Unicamp, 1997. Outras referências: GOIFMAN, Kiko. Território Vermelho [documentário–vídeo]. Produção de Jurandir Muller, direção de Kiko Goifman, São Paulo, 2004.

O periódico RUA utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.