Eu curto, tu curtes, ele (não me) curte: Notas sobre o funcionamento de arquivos no Face

Autores

  • Lucília Abrahão e Sousa Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo
  • Dantielli Assumpção Garcia Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo
  • Daiana de Oliveira Faria Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.20396/rua.v23i2.8651141

Palavras-chave:

Arquivo(s). Facebook. Análise de discurso.

Resumo

Neste texto, sob a perspectiva teórica da Análise de Discurso (Pêcheux, 1997), partindo da noção de arquivo e centro de controle das casas de memória, analisamos a reconfiguração da internet colaborativa (web 2.0) e o modo como essa possibilita/permite o ordenamento dos arquivos digitais. Para tanto, tomamos como materialidade significante a rede social Facebook. Interessanos refletir a respeito dos recursos que o “efeito Facebook” colocou em circulação para seus sujeitos-navegadores. Se em seu início, somente fotografias eram partilhadas, hoje, já é possível disponibilizar notícias, textos, vídeos, músicas. Contudo, como mostramos neste trabalho, não sem controles, estabelecidos pela rede, na qual se permitem certas passagens de dizer, de acessar, de guardar e se impedem tantas outras

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lucília Abrahão e Sousa, Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo

Livre-docente em Ciência da Informação pela FFCLRP/USP. Bolsista CNPQ. FAPESP.

Dantielli Assumpção Garcia, Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo

Pós-Doutora pela Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto (FFCLRP/USP). Doutora em Estudos Linguísticos pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP). PósDoutoranda no Programa de Pós-Graduação em Letras na Universidade Estadual do Oeste do Paraná (PNPD/CAPES). Pesquisadora do E-L@DIS – Laboratório discursivo, sujeitos e sentidos em movimento (FAPESP).

Daiana de Oliveira Faria, Universidade de São Paulo

Doutora e mestre em Ciências pelo PPGP da FFCLRP/USP.

Referências

BALCKY, L. F. O arquivo na era digital. Dissertação apresentada para cumprimento dos requisitos necessários à obtenção do grau de Mestre em Ciências da Informação e da Documentação, Faculdade de Ciências sociais e humanas – Universidade nova de Lisboa. 2011.

BLANCHOT, M. A conversa infinita – a experiência limite. São Paulo, Escuta, 2007.

CASTELLS, M. Sociedade em rede. São Paulo: Paz e Terra, vol1. 1999.

DERRIDA, J. Mal de arquivo: uma impressão freudiana (Cláudia de Moraes Rego, trad.). Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2001.

FARIA, D. O. Filtros na rede: das relações entre discurso e tecnologia. 2016. Tese (Doutorado em Psicologia) - Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo, Orientadora Lucília Maria Abrahão e Sousa, Ribeirão Preto, 2016. Disponível em: . Acesso em: 12 out. 2016.

JUNIOR, D. R. C.; SANTOS, R. A tessitura do conhecimento numa rede social da internet: um estudo netnográfico na interface Facebook. In, Anais do V Simpósio Nacional ABCiber, 2011.

KIRKPATRICK, D. O efeito facebook – os bastidores da história da empresa que conecta o mundo. Rio de Janeiro, Intrínseca, 2011.

LÉVY, P. A inteligência coletiva: por uma antropologia do ciberespaço. São Paulo: Editora 34, 1999.

MARCHI, K. R. da C. Uma abordagem para a personalização de resultados de busca na web. Dissertação de Mestrado, Departamento de Informática, UEM, Maringá, 2010. Disponível em: . Acesso em: 04 set. 2012.

MEZRICH, B. Bilionários por acaso/ A criação do FACEBOOK – Uma história de sexo, dinheiro, genialidade e traição. Rio de Janeiro. Intrínseca, 2010.

MOREIRA, V. L. Movimentos do sujeito na rede eletrônica: uma análise discursiva sobre a folksonomia. Trabalho de Conclusão do Curso de Ciências da Informação e da Documentação da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo, 2009.

NUNES, J. H. O discurso documental na história das ideias linguísticas e o caso dos dicionários. Alfa, São Paulo, v. 52, n. 1, p. 81-100, 2008.

ORLANDI, E. P. (Org.). Gestos de leitura. Campinas: Editora da Unicamp, 1997.

ORLANDI, E. P. Língua e conhecimento lingüístico. São Paulo: Cortez, 2002.

PARISER, E. O filtro invisível: o que a internet está escondendo de você. (Diego Alfaro, trad.) Rio de Janeiro: Zahar, 2012.

PÊCHEUX, M. [1969]. Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. Campinas: Editora da Unicamp, 1995.

PÊCHEUX, M. [1982]. Ler o arquivo hoje. In: ORLANDI, E. P. (Org.). Gestos de leitura. Campinas: Editora da Unicamp, 1997.

RENDEIRO, M. E. Orkut e Facebook: as teias da memória em meio às redes sociais. Revista Ciências Sociais. Unisinos, v. 47, n. 3, p. 256-262, 2011.

ROMÃO, L. M. S. Exposições literárias do Museu da Língua Portuguesa: acontecimento e arquivo em discurso. São Carlos: Pedro e João Editores, 2011a.

ROMÃO, L. M. S. O fora da rede (co-mando) de arquivos no Arquivo. In: Discurso, arquivo e... Bethania Mariani, Vanise Medeiros, Silmara Dela-Silva (org.). Rio de Janeiro: 7Letras, 2011b.

ROMÃO, L. M. S.; GALLI, F. C. S.; PATTI, A. R. Arquivo em cena: “im-pressões” de leitura sobre o tema. Desenredo - Revista do Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade de Passo Fundo - v. 6 - n. 1 - 123-134 - jan./jun. 2010

ROMÃO, L. M. S. Fios de grito na rede: navega-dores (d)enunciam o extermínio. In MARIANI, B. & MEDEIROS, V. (Org.). Discurso e...: ideologia, inconsciente, memória, desejo, movimentos sociais, cinismo, corpo, witz, rede eletrônica, língua materna, poesia, cultura, mídia, educação, tempo, (homo)sexualidade. Rio de Janeiro: 7 Letras. 113-130, 2012.

Downloads

Publicado

2017-12-05

Como Citar

SOUSA, L. A. e; GARCIA, D. A.; FARIA, D. de O. Eu curto, tu curtes, ele (não me) curte: Notas sobre o funcionamento de arquivos no Face. RUA, Campinas, SP, v. 23, n. 2, p. 221–241, 2017. DOI: 10.20396/rua.v23i2.8651141. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rua/article/view/8651141. Acesso em: 1 fev. 2023.

Edição

Seção

Artigo

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)