Aldeias indígenas urbanas: fronteiras discursivas e percursos identitários

Autores

  • Vânia Maria Lescano Guerra Universidade Estadual de Campinas
  • Laura Cristhina Revoredo Costa Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

DOI:

https://doi.org/10.20396/rua.v23i2.8651146

Palavras-chave:

Discurso. Povos indígenas. Identidades. Fronteiras.

Resumo

De uma perspectiva discursiva, este artigo tem como objetivo problematizar o percurso identitário dos indígenas, instaurado nos processos de significação dos discursos, a partir das letras das músicas do grupo de rap indígena Brô MC's. Trata-se de entender as mudanças propiciadas pela relação mutual entre os projetos globais e as histórias locais (MIGNOLO, 2003) que atravessam essas formações discursivas (GUERRA, 2015). Os indígenas estão num locus enunciativo latino-americano: a colonialidade impregna os fazeres sociais e culturais e eles ainda carregam consigo os limites de sua constituição como sujeito marginalizado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vânia Maria Lescano Guerra, Universidade Estadual de Campinas

Docente do Programa de Pós-graduação em Letras da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (CPTL); Doutora em Linguística pela UNESP de Araraquara, com Pós-doutorado em Linguística Aplicada pela UNICAMP (IEL).

Laura Cristhina Revoredo Costa, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Doutoranda em Estudos Linguísticos na Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS/CPTL), bolsista da CAPES. Mestre em Estudos de Linguagens pela UFMS/CCHS.

Referências

ACHUGAR, Hugo. Planetas sem boca: escritos efêmeros sobre arte, cultura e literatura. Trad. Lyslei Nascimento. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2006.

BESSA-OLIVEIRA, Marcos A. et alii. Fronteiras Platinas em Mato Grosso do Sul (Brasil/ Paraguai/Bolívia): biogeografias na arte, crítica biográfica fronteiriça, discurso indígena e literaturas de fronteira. Campinas: Pontes, 2017.

BHABHA, Homi K. O local da cultura. Trad. Myriam Ávila, Eliana Lourenço de Lima Reis, Gláucia, Renate Gonçales. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2007.

CORACINI, Maria José R. Faria. Pós-modernidade e novas tecnologias no discurso do professor de língua. Revista Alfa de Linguística, São Paulo, 2006, p. 7-21.

CORACINI, Maria José R. A celebração do outro: arquivo, memória e identidade. Campinas: Mercado de Letras, 2007.

CORACINI, Maria José R. Transdisciplinaridade e análise de discurso: migrantes em situação de rua. Cadernos de Linguagem e Sociedade, 11 (1), 2010, 91-112. DERRIDA, Jacques. Mal de arquivo: Uma impressão Freudiana. Trad. Cláudia de Moraes Rego. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2001.

CORACINI, Maria José R. A Farmácia de Platão. Trad. Rogério da Costa. São Paulo: Iluminuras, 2005.

FOUCAULT, Michel. A hermenêutica do sujeito. Trad. de Márcio Alves da Fonseca e Salma Tannus Muchail. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso. Trad. de Laura F. de Almeida Sampaio. 19. ed. São Paulo: Loyola, 2012.

GOMES, Helois T. Prefácio: Pensamento Fronteiriço: ocupação de espaços, desestabilização de “saberes consagrados”. In BESSA-OLIVEIRA, Marcos A. et alii. Fronteiras Platinas em Mato Grosso do Sul (Brasil/ Paraguai/Bolívia): biogeografias na arte, crítica biográfica fronteiriça, discurso indígena e literaturas de fronteira. Campinas: Pontes, 2017, p. 09-16.

GREGOLIN, Maria do Rosário. Sentido, sujeito e memória. Com o que sonha nossa vã autoria. In: GREGOLIN, Maria do Rosário; BARONAS, Roberto (Org.). Análise do discurso: as materialidades do sentido. 2 ed. São Carlos: Clara Luz, 2003.

GREGOLIN, Maria do Rosário. Foucault e Pêcheux na análise do discurso: diálogos & duelos. 2 ed. São Carlos: Claraluz, 2006.

GUERRA, Vania M. Lescano. Práticas discursivas: crenças, estratégias e estilos. São Carlos: Pedro & João, 2008.

GUERRA, Vania M. Lescano. O indígena de Mato Grosso do Sul: práticas identitárias e culturais. São Carlos: Pedro & João, 2010.

GUERRA, Vania M. Lescano. Povos indígenas: identidade e exclusão social. Campo Grande: Editora da UFMS, 2015.

GUERRA, Vania M. L.; ALMEIDA, Willian D. Mulher(es) indígena(s) e escrita(s) de si: a (re)produção das identidades periféricas. In: GUERRA, Vania M. L. Povos indígenas em cena: das margens ao centro da história. Campo Grande: OMEP/Brasil, 2017, p. 139-156.

HALL, Stuart. Da diáspora: identidades e mediações culturais. Tradução de Adelaine La Guardia Resende et. all. 2.ed.Belo Horizonte: Editora UFMG, 2013.

MIGNOLO, Walter. Histórias locais / Projetos globais: colonialidade, saberes subalternos e pensamento liminar. Trad. de Solange Ribeiro de Oliveira. Belo Horizonte: Editora UFMS, 2003.

MIGNOLO, Walter. Desobediência epistêmica: A opção descolonial e o significado de identidade em política. In: Cadernos de Letras da UFF. Niteroi, n. 34, 2008. p. 287-324.

NEVES, Maria H, M. Gramática de usos do português. São Paulo: Editora Unesp. 2. ed, 2011.

QUIJANO, Anibal. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In: LANDER, Edgardo (Org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Ciudad Autónoma de Buenos Aires, Argentina: Clacso, 2005. p. 227-278. SANTOS, Paulo S, Nolasco dos. Fronteiras do Local: roteiro para uma leitura crítica do regional sul-mato-grossense. Campo Grande: Editora UFMS, 2008.

SOUZA SANTOS, Boaventura de. Se Deus fosse um ativista dos Direitos Humanos. 2 ed. São Paulo: Cortez, 2014.

SOUZA SANTOS, Boaventura de. Pela mão de Alice: o social e o político na pós-modernidade. São Paulo: Cortez, 1997.

Downloads

Publicado

2017-12-05

Como Citar

GUERRA, V. M. L.; COSTA, L. C. R. Aldeias indígenas urbanas: fronteiras discursivas e percursos identitários. RUA, Campinas, SP, v. 23, n. 2, p. 335–350, 2017. DOI: 10.20396/rua.v23i2.8651146. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rua/article/view/8651146. Acesso em: 26 jun. 2022.

Edição

Seção

Artigo