Banner Portal
Aldeias indígenas urbanas: fronteiras discursivas e percursos identitários
PDF

Palavras-chave

Discurso. Povos indígenas. Identidades. Fronteiras.

Como Citar

GUERRA, Vânia Maria Lescano; COSTA, Laura Cristhina Revoredo. Aldeias indígenas urbanas: fronteiras discursivas e percursos identitários. RUA, Campinas, SP, v. 23, n. 2, p. 335–350, 2017. DOI: 10.20396/rua.v23i2.8651146. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rua/article/view/8651146. Acesso em: 24 maio. 2024.

Resumo

De uma perspectiva discursiva, este artigo tem como objetivo problematizar o percurso identitário dos indígenas, instaurado nos processos de significação dos discursos, a partir das letras das músicas do grupo de rap indígena Brô MC's. Trata-se de entender as mudanças propiciadas pela relação mutual entre os projetos globais e as histórias locais (MIGNOLO, 2003) que atravessam essas formações discursivas (GUERRA, 2015). Os indígenas estão num locus enunciativo latino-americano: a colonialidade impregna os fazeres sociais e culturais e eles ainda carregam consigo os limites de sua constituição como sujeito marginalizado.
https://doi.org/10.20396/rua.v23i2.8651146
PDF

Referências

ACHUGAR, Hugo. Planetas sem boca: escritos efêmeros sobre arte, cultura e literatura. Trad. Lyslei Nascimento. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2006.

BESSA-OLIVEIRA, Marcos A. et alii. Fronteiras Platinas em Mato Grosso do Sul (Brasil/ Paraguai/Bolívia): biogeografias na arte, crítica biográfica fronteiriça, discurso indígena e literaturas de fronteira. Campinas: Pontes, 2017.

BHABHA, Homi K. O local da cultura. Trad. Myriam Ávila, Eliana Lourenço de Lima Reis, Gláucia, Renate Gonçales. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2007.

CORACINI, Maria José R. Faria. Pós-modernidade e novas tecnologias no discurso do professor de língua. Revista Alfa de Linguística, São Paulo, 2006, p. 7-21.

CORACINI, Maria José R. A celebração do outro: arquivo, memória e identidade. Campinas: Mercado de Letras, 2007.

CORACINI, Maria José R. Transdisciplinaridade e análise de discurso: migrantes em situação de rua. Cadernos de Linguagem e Sociedade, 11 (1), 2010, 91-112. DERRIDA, Jacques. Mal de arquivo: Uma impressão Freudiana. Trad. Cláudia de Moraes Rego. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2001.

CORACINI, Maria José R. A Farmácia de Platão. Trad. Rogério da Costa. São Paulo: Iluminuras, 2005.

FOUCAULT, Michel. A hermenêutica do sujeito. Trad. de Márcio Alves da Fonseca e Salma Tannus Muchail. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso. Trad. de Laura F. de Almeida Sampaio. 19. ed. São Paulo: Loyola, 2012.

GOMES, Helois T. Prefácio: Pensamento Fronteiriço: ocupação de espaços, desestabilização de “saberes consagrados”. In BESSA-OLIVEIRA, Marcos A. et alii. Fronteiras Platinas em Mato Grosso do Sul (Brasil/ Paraguai/Bolívia): biogeografias na arte, crítica biográfica fronteiriça, discurso indígena e literaturas de fronteira. Campinas: Pontes, 2017, p. 09-16.

GREGOLIN, Maria do Rosário. Sentido, sujeito e memória. Com o que sonha nossa vã autoria. In: GREGOLIN, Maria do Rosário; BARONAS, Roberto (Org.). Análise do discurso: as materialidades do sentido. 2 ed. São Carlos: Clara Luz, 2003.

GREGOLIN, Maria do Rosário. Foucault e Pêcheux na análise do discurso: diálogos & duelos. 2 ed. São Carlos: Claraluz, 2006.

GUERRA, Vania M. Lescano. Práticas discursivas: crenças, estratégias e estilos. São Carlos: Pedro & João, 2008.

GUERRA, Vania M. Lescano. O indígena de Mato Grosso do Sul: práticas identitárias e culturais. São Carlos: Pedro & João, 2010.

GUERRA, Vania M. Lescano. Povos indígenas: identidade e exclusão social. Campo Grande: Editora da UFMS, 2015.

GUERRA, Vania M. L.; ALMEIDA, Willian D. Mulher(es) indígena(s) e escrita(s) de si: a (re)produção das identidades periféricas. In: GUERRA, Vania M. L. Povos indígenas em cena: das margens ao centro da história. Campo Grande: OMEP/Brasil, 2017, p. 139-156.

HALL, Stuart. Da diáspora: identidades e mediações culturais. Tradução de Adelaine La Guardia Resende et. all. 2.ed.Belo Horizonte: Editora UFMG, 2013.

MIGNOLO, Walter. Histórias locais / Projetos globais: colonialidade, saberes subalternos e pensamento liminar. Trad. de Solange Ribeiro de Oliveira. Belo Horizonte: Editora UFMS, 2003.

MIGNOLO, Walter. Desobediência epistêmica: A opção descolonial e o significado de identidade em política. In: Cadernos de Letras da UFF. Niteroi, n. 34, 2008. p. 287-324.

NEVES, Maria H, M. Gramática de usos do português. São Paulo: Editora Unesp. 2. ed, 2011.

QUIJANO, Anibal. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In: LANDER, Edgardo (Org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Ciudad Autónoma de Buenos Aires, Argentina: Clacso, 2005. p. 227-278. SANTOS, Paulo S, Nolasco dos. Fronteiras do Local: roteiro para uma leitura crítica do regional sul-mato-grossense. Campo Grande: Editora UFMS, 2008.

SOUZA SANTOS, Boaventura de. Se Deus fosse um ativista dos Direitos Humanos. 2 ed. São Paulo: Cortez, 2014.

SOUZA SANTOS, Boaventura de. Pela mão de Alice: o social e o político na pós-modernidade. São Paulo: Cortez, 1997.

O periódico RUA utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.