Banner Portal
Alice, a personagem clássica que foi morar na rua
PDF

Palavras-chave

Cidade. Literatura. Vulnerabilidade. João Pessoa. Porto Alegre.

Como Citar

FONSECA, João Barreto da. Alice, a personagem clássica que foi morar na rua. RUA, Campinas, SP, v. 24, n. 1, p. 71–84, 2018. DOI: 10.20396/rua.v24i1.8652438. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rua/article/view/8652438. Acesso em: 25 maio. 2024.

Resumo

Uma vida subtraída de todas as condições necessárias para o exercício da cidadania se torna um exercício na corda banda, um retrato da vulneração. Mas é justamente deste marco zero e sem recorrer a heroísmo, que Maria Valéria Rezende experimenta em seu romance Quarenta Dias, na pele de sua personagem Alice, homônima da de Lewis Carrol, uma viagem também insólita, de loucura, privação e abandono. A personagem, a contragosto, segue uma pista. Ao se ver perdida num labirinto urbano, Alice vai compondo novas vivências, desbravando. Desterritorializada e sem os requisitos de cidadã, ela é uma energia em expansão em direção ao caos urbano e à deriva de si mesma, solta nos trajetos, nas bifurcações da cidade, até sentir que a rua lhe acolheu, a convidando para desabitar do seu mundo social e particular.

https://doi.org/10.20396/rua.v24i1.8652438
PDF

Referências

AGANBEN, Giorgio. Homo Sacer. O Poder soberano e a vida nua. Belo Horizonte: UFMG, 2004.

BARTHES, Roland. O grau zero da escrita. Lisboa: Edições 70, 1997.

BENJAMIN, Walter. “O narrador – considerações acerca da obra de Nikolai Leskov. In: Obras escolhidas – Magia e técnica, arte e política. São Paulo Brasiliense, 1994.

BENJAMIN, Walter. “O flâneur”. In: Obras escolhidas III – Charles Baudelaire, um lírico no auge do capitalismo. São Paulo: Brasiliense, 1989.

BERARDI, Franco. Os transtornos mentais provocados pelas mudanças neoliberais.Disponívelem:http://www.pragmatismopolitico.com.br/2017/02/transtornos-mentais-provocados-neoliberais.html. Acesso em: 12 de maio de 2017.

BROCKHEIMER, J.&HARRÉ, R. Narrativa: problemas e promessas de um paradigma alternativo.Psicologia Reflexão e Crítica. 2003.

BRUNER, Jerome. Life as a narrative. In: A. H. Dyson & C. Genishi (Eds.) The need for story: cultural diversity in classroom and community. Illinois: NCTE Editorial. 1994.

BRUNER, Jerome. Atos de significação. Porto Alegre: Artes Médicas. 1997.

COMPAGNON, Antoine. O demônio da teoria: literatura e senso comum. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2010.

FONSECA, Rubem. “A arte de andar nas ruas do Rio de Janeiro”. In: Romance Negro e outros contos. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

FONSECA, Rubem. “Anjos das marquises”. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

FORRESTER, Viviane. O horror econômico. São Paulo: Unesp, 1997.

FLUSSER, Vilém. A escrita: há futuro para a escrita? São Paulo: Annablume, 2010.

HARRÉ, R. The singular self: An introduction to the psychology of personhood. London: Sage. 1998.

HUTCHEON, Linda. Poéticas do pós-modernismo. Rio de Janeiro: Imago, 1991.

JOHNSON, Steve. A cultura da interface. Rio de Janeiro: Zahar, 2001.

KOTTOW M. The vulnerable and susceptible. Bioethics. 2003.

KRACAUER, Siegfried Kracauer. O ornamento da massa. São Paulo: Cosac & Naify, 2009.

OESTE, Queni N.S.L. Rap global. Rio de Janeiro: Aeroplano, 2010.

PEIXOTO, Nelson Brissac. Paisagens urbanas. São Paulo: Senac, 2014.

REUTER, Yves. A análise da narrativa - O texto, a ficção e a narração. São Paulo: Difel, 2002.

REZENDE, Maria Valéria. Quarenta dias. Rio de Janeiro: Objetiva, 2014.

RICOEUR, Paul. Tempo e narrativa (Tomo I). Campinas: Papirus 1994.

SINGER, Ben. “Modernidade, hiperestímulo e início do sensacionalismo popular”. IN: CHARNEY, Leo & SCHWARTZ, Vanessa R. O cinema e a invenção da vida moderna. São Paulo: Cosac & Naify, 2001.

O periódico RUA utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.