Banner Portal
Dialogismo, sentido e materialidade: a luta pelo espaço público urbano
PDF

Palavras-chave

Linguagem. Dialogismo. Materialidade Enunciativa. Espaço Público. Praça Presidente Vargas.

Como Citar

CARDENAL, Jozieli Camila; LIMA, Anselmo Pereira de. Dialogismo, sentido e materialidade: a luta pelo espaço público urbano. RUA, Campinas, SP, v. 24, n. 1, p. 183–209, 2018. DOI: 10.20396/rua.v24i1.8652517. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rua/article/view/8652517. Acesso em: 23 maio. 2024.

Resumo

Este artigo apresenta a perspectiva da produção de enunciados, baseada na teoria da análise dialógica do discurso de Mikhail Bakhtin. Para tanto, apresenta nuances da vida urbana, a partir do movimento estabelecido na Praça Presidente Vargas, situada em Pato Branco (PR). Ao associar concepções da linguística a variáveis da dinâmica urbana, busca-se demonstrar que, ao longo do tempo, o espaço público configura-se enquanto palco de interesses e ações que traduzem diferentes esferas da atividade humana, o que é expresso por meio do caráter material presente no dialogismo.

https://doi.org/10.20396/rua.v24i1.8652517
PDF

Referências

ABREU, Mauricio. Sobre a memória das cidades. In. CARLOS, Ana Fani Alessandri; SOUZA, Marcelo Lopes de; SPOSITO, Maria Encarnação Beltrão (Orgs.). A produção do espaço urbano: agentes e processos, escalas e desafios. 1ª ed. São Paulo: Contexto, 2016.

ALEX, Sun. Projeto da Praça: convívio e exclusão no espaço público. São Paulo: Editora Senac, 2008.

AMORIM, Marilia. Cronotopo e exotopia. In. BRAIT, Beth (Org.). Bakhtin: outros conceitos-chave. 2ª ed. São Paulo: Contexto, 2014.

BAKHTIN, Mikhail Mikhailovitch. Estética da criação verbal. Trad. Paulo Bezerra. 6ª ed. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2011.

BAKHTIN, Mikhail Mikhailovitch. A cultura popular na Idade Média e no Renascimento: o contexto de François Rabelais. Trad. Yara Frateschi Vieira. 8ª ed. São Paulo: Hucitec, 2013.

BAKHTIN, Mikhail Mikhailovitch (V. N. Volochínov).Marxismo e Filosofia da Linguagem.Trad. Michel Lahud e Yara Frateschi Vieira. 16ª ed. São Paulo: Hucitec, 2014.

BITTAR, Guilherme. Banco da praça é arrancado e colocado próximo à central de energia. Diário do Sudoeste, Pato Branco, 03 e 04 de junho de 2017. Cidade, p. 04.

BONAMIGO, Carlos Antônio; SCHNEIDER, Claídes Rejane (Orgs). Revisitando a história: a Revolta dos Posseiros de 1957 no Sudoeste do Paraná. Francisco Beltrão: Grafisul Gráfica e Editora Ltda., 2007.

CARLOS, Ana Fani Alessandri. A cidade. 9ª ed. São Paulo: Contexto, 2015.

CORNWALL, Andrea. Locating citizen participation. IDS Bulletin Vol 33 n.2, p.49-58, 2002.

ROSSI, Marcilei. O amor eternizado. Diário do Sudoeste, Pato Branco, 07 de dezembro de 2016. Cidade, p. 09.

SALLES, Cecília Almeida. Gesto Inacabado: processo de criação artística. 6ª ed. São Paulo: Intermeios, 2013.

SALLES, Cecília Almeida. Redes de criação: construção da obra de arte. 2ª ed. Editora Horizonte: Vinhedo, São Paulo, 2006.

SANTOS, Milton.As técnicas, o tempo e o espaço geográfico. In. A natureza do espaço: técnica e tempo. Razão e emoção. São Paulo: EDUSP, 2008.

SCIFONI, Simone. O patrimônio como negócio. In. CARLOS, Ana Fani Alessandri; VOLOCHKO, Danilo; ALVAREZ, Isabel Pinto (Orgs.). A cidade como negócio. São Paulo: Contexto, 2015.

SEN, Amartya. Desenvolvimento como liberdade. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

SOBRAL, Adail. GIACOMELLI, Karina. Observações didáticas sobre a análise dialógica do discurso – ADD. Domínios de Lingu@gem | Uberlândia | vol. 10 n.3 | jul./set. 2016 ISSN 1980-5799. p. 1076-1094.

VOLTOLINI, Sittilo. Retorno 1: origens de Pato Branco. 2.ed. Pato Branco – PR: Imprepel – Gráfica e Editora Ltda, 2005.

VOLTOLINI, Sittilo. Retorno 2:Pato Branco na Revolta dos Posseiros de 1957. 1.ed. Pato Branco – PR: Artepres – Gráfica e Editora Ltda, 2003.

WACHOWICZ, Ruy Christovam. História do Paraná. 10. ed. Ponta Grossa: Editora UEPG, 2016.

WINNER, Langdon. Do artifacts have politics? In. MACKENZIE, D. et. al. The Social Shaping of Technology. Philadelphia: Open University Press, 1985.

O periódico RUA utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.