A estética da intolerância: extremismo político e arte no Brasil atual

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/rua.v24i2.8653498

Palavras-chave:

Estética. Intolerância. Extremismo político. Arte.

Resumo

No presente trabalho, debateremos a relação entre arte e política na reação à Mostra Queermuseu. Partindo das contribuições de Pêcheux (2009), aproximaremos as investigações de Barros (2007), Eco (1995), Oz (2016) e Paxton (2007) sobre os conceitos de intolerância, fascismo universal, fanatismo e fascismo dos conceitos de ideologia em Hall (2007), de jogos de linguagem em Wittgenstein (2009), de ralé em Arendt (2012) e de direita política em Cruz (2015) para definir a categoria de extrema-direita brasileira na atualidade e sugerir a categoria de estética da intolerância. Para tanto, avaliaremos os textos de Júnior (2017) e de Santos (2017) e a moção de repúdio da Câmara de Vereadores de Uruguaiana à Exposição (CÂMARAMUNICIPAL, 2017).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Argus Romero Abreu de Morais, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia

Professor colaborador do Programa de Pós-Graduação em Letras: Cultura, Educação e Linguagens da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (PPGCEL/UESB) e pós-doutorando (PNPD/CAPES) no Programa de Pós-Graduação em Letras: Teoria Literária e Crítica da Cultura da Universidade Federal de São João del-Rei (PROMEL/UFSJ).

Referências

AB’SABER, T. Dilma Rousseff e o ódio político. São Paulo: Editora Hedra, 2015.

ARANTES, P. E. Nova direita surgiu após junho, diz filósofo: depoimento. Entrevista concedida a Eleanora de Lucena. Folha de São Paulo, 31 de outubro 2014. Disponível em: www1.folha.uol.com.br/poder/2014/10/1541085-nova-direita-surgiu-apos-junho-diz-filosofo.shtml. Acesso em: 25 de abril de 2016.

ARENDT, H. As origens do totalitarismo: antissemitismo, imperialismo e totalitarismo. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

AVRITZER, L. Impasses da democracia no Brasil. Rio de Janeiro: Editora. Civilização Brasileira, 2016.

BARROS, D. L. P. de. A identidade intolerante no discurso separatista. Filologia Linguística Portuguesa, nº 9, pp. 147-167, 2007. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/flp/article/view/59777. Acesso em: 10/10/2016.

BETTO, F. Por que fizemos opção pelos pobres (e eles pelo neopentecostalismo…)? Le Monde Diplomatique. Edição 113: 6 dezembro de 2016. Disponível em: http://diplomatique.org.br/por-que-fizemos-opcao-pelos-pobres-e-eles-pelo-neopentecostalismo/. Acesso em: 01/08/2017.

BOSCO, F. A vítima tem sempre razão? Lutas identitárias e o novo espaço público brasileiro. São Paulo: Editora Todavia, 2017.

CÂMARAMUNICIPAL. Vereadores manifestam repúdio a livro “Queermuseu”. Câmara Municipal de Uruguaiana. 07/10/2017. Disponível em: http://uruguaiana.rs.leg.br/comunicacoes/noticias/vereadores-manifestam-repudio-a-livro-201cqueermuseu201d. Acesso em: 25/02/2018.

CARCANHOLO, R. A. A globalização, o neoliberalismo e a síndrome da imunidade auto-atribuída. In: MALAGUTTI, M. L.; CARCANHOLO, R. A; CARCANHOLO, M. D. Neoliberalismo: a tragédia dos nossos tempos. São Paulo: Cortez, 2002.

CASTELLS, M. Simpatia do brasileiro é um mito, diz sociólogo Manuel Castells: depoimento. Entrevista concedida a Sylvia Colombo. Folha de São Paulo. São Paulo: 18/05/2015. Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/poder/2015/05/1630173-internet-so-evidencia-violencia-social-brasileira-afirma-sociologo-espanhol.shtml. Acesso em: 28/01/2018.

CHAUÍ, M. Sociedade brasileira: violência e autoritarismo por todos os lados: depoimento. Entrevista concedida a Juvenal Savian Filho e Laís Modelli. Revista Cult, 23 de fevereiro de 2016. Disponível em: www.revistacult.uol.com.br/home/2016/02/sociedade-brasileira-violencia-e-autoritarismo-por-todos-os-lados. Acesso em: 25 de abril de 2016.

CQM. Dossiê Intolerâncias Visíveis e Invisíveis no mundo digital. Agência Nova S/B. São Paulo: 2016. Disponível em: http://www.comunicaquemuda.com.br/dossie/intolerancia-nas-redes/. Acesso em: 01/10/2017.

CRUZ, S. V. Elementos de reflexão sobre o tema da direita (e esquerda) a partir do Brasil no momento atual. In: CRUZ, S. V; KAYSEL, A.; CODAS, G. (orgs.). Direita, volver!: o retorno da Direita e o ciclo político brasileiro. São Paulo: Edição Fundação Perseu Abramo, 2015, pp. 13-48.

DIAS, A. Os anacronautas do teutonismo virtual: uma etnografa do neonazismo na internet. Tese de doutorado. Campinas: Unicamp, 2007. Disponível em: http://repositorio.unicamp.br/bitstream/REPOSIP/279037/1/Dias_AdrianaAbreuMagalhaes_M.pdf. Acesso em: 28/01/2018.

DIETRICH. A. M. Narrativas orais da Juventude Hitlerista e Neonazista no Brasil: breve análise comparativa. Anais do XXVI Simpósio Nacional de História – ANPUH. São Paulo: julho 2011. Disponível em: http://www.snh2011.anpuh.org/resources/anais/14/1300553634_ARQUIVO_2dietrichanpuh2011.pdf. Acesso em: 26/01/2018.

DRAWIN, C. R. Clamor e silêncio da violência. In: MOREIRA, J. de O., NETO, F. K. ; ROSÁRIO, A. B. do (Orgs.) Violência(s): diálogos com a Psicanálise. Curitiba : CRV, 2016.

ECO, U. Ur-Fascism. The New York Review of Books, pp. 1-9, junho de 1995. Disponível em: http://www.pegc.us/archive/Articles/eco_ur-fascism.pdf. Acesso em: 01/08/2017.

ECO, U. O nome da rosa. Rio de Janeiro: Best Bolso, 2012.

FAGANELLO, M. A. Bancada da Bala: uma onda na maré conservadora. En S. V Cruz; A. Kaysel; G. Codas (orgs.). Direita, volver!: o retorno da Direita e o ciclo político brasileiro, pp. 145-161. São Paulo: Edição Fundação Perseu Abramo, 2015.

FBSP. 9º Anuário Brasileiro de Segurança Pública. São Paulo: 2015. Disponível em: http://www.forumseguranca.org.br/atividades/anuario/. Acesso em: 01/10/2017.

FBSP. Medo da Violência e o apoio ao autoritarismo no Brasil: Índice de Propensão ao apoio a posições autoritárias. São Paulo: 2017. Disponível em: http://www.forumseguranca.org.br/atividades/anuario/. Acesso em: 01/10/2017.

FREUD, S. Psicologia das massas e análise do eu. In: FREUD, S. Obras completas (1920-1923). V. 15. São Paulo: Companhia das Letras, 2011, pp. 10-100.

HALL, S. Significação, representação, ideologia: Althusser e os debates pós-estruturalistas. In: HALL, S. Da diáspora: Identidades e mediações culturais. Organização Liv Sovik. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2003.

INSTITUTOPARANÁ. Consulta sobre Regime Militar no Brasil. Curitiba: 2017. Disponível em: http://www.paranapesquisas.com.br/pesquisas/pesquisa-brasil-online-regime-militar-no-brasil-setembro-2017/. Acesso em: 01/10/2017.

JÚNIOR, C. A. C. Santander Cultural promove pedofilia, pornografia e arte profana em Porto Alegre. Locus Online, 06 de setembro de 2017, 8h21min. Disponível em: <http://www.locusonline.com.br/2017/09/06/santander-cultural-promove-pedofilia-pornografia-e-arte-profana-em-porto-alegre/>. Acesso em:01/01/2018.

LÖWY, M. Conservadorismo e extrema-direita na Europa e no Brasil. Serviço Social & Sociedade, nº 124, pp. 652-64, 2015. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/sssoc/n124/0101-6628-sssoc-124-0652.pdf. Acesso em: 10/10/2016.

MORAIS, A.R.A. O preconceito contra os nordestinos nas redes sociais. In: LARA, G. M. P.; LIMBERTI, R. de C. P. (Org.). Representações do outro: discurso (des)igualdade e exclusão. 1. ed. Belo Horizonte, MG: Autêntica, 2016, pp. 260-75.

MORAIS, A.R.A. Reflexões sobre a intolerância política. Revista Interfacis, nº1, v. 1. 2018, p. 40-6.

NUNES, P. R. A Internet chegou para provar que somos um dos países mais racistas do mundo: depoimento. Entrevista concedida a María Martín. El País. Rio de Janeiro: 15/06/2016. Disponível em: https://brasil.elpais.com/brasil/2016/05/10/politica/1462895132_579742.html. Acesso em: 01/08/2017.

ORWELL, G. O que é fascismo? In: ORWELL, G. O que é Fascismo? e outros ensaios. São Paulo: Companhia das Letras, 2017.

OZ, A. Como curar um fanático: Israel e Palestina: entre o certo e o certo. São Paulo: Companhia das Letras, 2016.

PAXTON, R. O. A anatomia do fascismo. São Paulo: Paz e Terra, 2007.

PÊCHEUX, M. Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. Campinas: Editora da Unicamp, 2009.

PINHEIRO-MACHADO, R. Nova direita conservadora não é burra: ela ataca o legado iluminista e o cerne da modernidade: depoimento. Carta Campinas, 11 de outubro de 2017. Disponível em: http://cartacampinas.com.br/2017/10/nova-direita-conservadora-nao-e-burra-ela-ataca-o-legado-iluminista-e-o-cerne-da-modernidade/. Acesso em: 11 de outubro de 2017.

RANCIÈRE, J. A estética como política. Devires, Belo Horizonte, V. 7, N. 2, pp. 14-36, jul/dez. 2010. Disponível em: http://www.fafich.ufmg.br/devires/index.php/Devires/article/view/325/186. Acesso em: 10/01/2018.

RANCIÈRE, J. A partilha do sensível: estética e política. São Paulo: EXO experimental org.; Ed. 34, 2009.

RIBEIRO, R. J. Extrema-direita avança com ódio aos direitos humanos, diz filósofo: depoimento. Entrevista concedida a Roldão Arruda. Estadão, 14 de março de 2015. Disponível em: http://politica.estadao.com.br/blogs/roldao-arruda/extrema-direita-avanca-com-odio-aos-direitos-humanos-diz-filosofo/]. Acesso em: 25/04/2016.

SAFATLE, V. A esquerda que não teme dizer seu nome. São Paulo: Três Estrelas, 2012.

SANTOS, R. Exposição fechada mostra que brasileiro não é mais cordeirinho. Folha de São Paulo. 12 de setembro de 2017. Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/ilustrada/2017/09/1917634-exposicao-fechada-mostra-que-brasileiro-nao-e-mais-cordeirinho.shtml. Acesso em: 10/01/2018.

SERRANO, P. Autoritarismo e golpes na América Latina: breve ensaio sobre jurisdição e exceção. São Paulo: Editora Alameda, 2016.

SILVA, A. B.; BRITES, C. M.; OLIVEIRA, E. C. R; BORRI, G. T. A extrema-direita na atualidade. Serviço Social e Sociedade, nº 119, pp. 407-45, jul./set. 2014. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-66282014000300002>. Acesso em: 01/08/2017.

VILLAZÓN, J. C. Velhas e novas direitas religiosas na América Latina: os evangélicos como fator político. In: CRUZ, S. V; KAYSEL, A.; CODAS, G. (orgs.). Direita, volver!: o retorno da Direita e o ciclo político brasileiro. São Paulo: Edição Fundação Perseu Abramo, 2015, pp. 163-75.

WITTGENSTEIN, L. Investigações Filosóficas. Coleção Os Pensadores. São Paulo: Editora Nova Cultural, 1999.

Downloads

Publicado

2018-10-08

Como Citar

MORAIS, A. R. A. de. A estética da intolerância: extremismo político e arte no Brasil atual. RUA, Campinas, SP, v. 24, n. 2, 2018. DOI: 10.20396/rua.v24i2.8653498. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rua/article/view/8653498. Acesso em: 26 nov. 2020.

Edição

Seção

Artigo