As casas de prostituição como espaços de significação na cidade

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/rua.v24i2.8653499

Palavras-chave:

Casas de prostituição. Espaços. Significação.

Resumo

Tendo como fundamentação teórica a Semântica da Enunciação em seu diálogo com a Análise de Discurso francesa, este trabalho objetiva compreender sentidos de casas de prostituição enquanto espaços de significação na cidade. Recortamos como corpus sete placas de indicação de casas de prostituição em uma cidade no sul de Minas Gerais. Analisamos as casas de prostituição enquanto espaços heterotópicos na cidade e analisamos os nomes das casas de prostituição enquanto enunciados que integram textos. Concluímos que as casas de prostituição investem-se de sentidos de ilegalidade e desautorização. Os sentidos dos nomes das casas de prostituição mostram uma dominação do homem enquanto consumidor e a objetificação da mulher enquanto produto a ser consumido.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Wagner Ernesto Jonas Franco, Universidade Estadual de Campinas

Doutorando em Linguística pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp)

Referências

FEDATTO, C. P. Um saber nas ruas: o discurso histórico sobre a cidade brasileira. Campinas, SP. Editora da Unicamp, 2013.

FOUCAULT, M. (1984). Ditos e Escritos III: Estética: literatura e pintura, música e cinema. Organização e seleção de textos Manoel Barros da Motta; tradução Inês Autran Durado Barbosa. 4 ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2015.

GUIMARÃES, E. Semântica do Acontecimento. Campinas: Pontes, 2002.

GUIMARÃES, E. domínio semântico de determinação. In: GUIMARÃES, E. e Mollica, M. C. (orgs). A palavra: forma e sentido. Campinas, Pontes/RG, 2007.

GUIMARÃES, E. A enumeração funcionamento enunciativo e sentido. Caderno de Estudos Linguísticos, Nº 51, vol. 1, p. 49-68, jan/jun. 2009.

GUIMARÃES, E. Os Limites do Sentido: um estudo histórico e enunciativo da linguagem. Campinas: Editora RG, 4 edição, 2010.

GUIMARÃES, E. Análise de texto. Procedimentos, análises, ensino. Campinas: RG Editora, 2011.

GUIMARÃES, E. Argumentatividade e argumentação. Revista do Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade de Passo Fundo, v. 9, nº 2, p. 271-283 – jul/dez, 2013.

LAGAZZI, S. O desafio de dizer não. Campinas, Pontes, 1988.

ORLANDI, E. (1988). A Linguagem e o seu funcionamento: As Formas do Discurso. 6. ed. Campinas, SP: Pontes, 2011.

ORLANDI, E. Cidade dos Sentidos. Campinas, SP: Pontes, 2004.

ORLANDI, E Análise do discurso: princípios e procedimentos. 10. ed. Campinas, SP: Pontes, 2010.

PAYER, M. O. Memória da língua. Imigração e Nacionalidade. São Paulo: Ed. Escuta, 2006.

PFEIFFER, C. C. sentidos na cidade: clichê e sujeito urbano. Rua, v. 3, n. 1, p. 37-57, 1997.

PFEIFFER, C. C. Cidade e sujeito escolarizado. In: ORLANDI, E. P. (Org.). Cidade atravessada: os sentidos públicos no espaço urbano. Pontes: 2001. p. 29- 33.

PRASSE, J. O desejo das línguas estrangeiras. Revista Internacional, ano 1, nº 1. Rio de Janeiro, Paris, Nova York, Buenos Aires, 1997.

SOARES, L. C. Rameiras, ilhoas, polacas. A prostituição no Rio de Janeiro no século XIX. São Paulo: Editora Ática, 1992. 120p .

ZOPPI FONTANA, Mónica. A Arte do Detalhe. In: Web Revista Discursividade, Estudos Linguísticos, Edição nº 9, Campo Grande, MS. 2012.

Downloads

Publicado

2018-10-08

Como Citar

FRANCO, W. E. J. As casas de prostituição como espaços de significação na cidade. RUA, Campinas, SP, v. 24, n. 2, 2018. DOI: 10.20396/rua.v24i2.8653499. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rua/article/view/8653499. Acesso em: 21 maio. 2022.

Edição

Seção

Artigo