A imagem da Barra, em Salvador, entre os séculos XVI e XXI

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/rua.v24i2.8653878

Palavras-chave:

Arquitetura. Urbanismo. Imagem da cidade. Transformação urbana.

Resumo

O artigo tem por objetivo analisar a imagem do trecho que corresponde à Avenida Oceânica e à Avenida Sete de Setembro, na Barra, cidade de Salvador, Bahia, entre os séculos XVI e XXI, a partir da evolução da arquitetura, apontando permanências e modificações urbanas. Os procedimentos metodológicos basearam-se na pesquisa bibliográfica, documental e iconográfica, além da pesquisa de campo para a captura de imagens atuais que foram comparadas a imagens de outras épocas. Este estudo integra uma pesquisa que se desenvolve através do Grupo de Pesquisa Cidades, Urbanismo e Urbanidades, vinculado ao Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Regional e Urbano da Universidade Salvador (UNIFACS/Laureate International Universities), com o apoio do Programa de Iniciação Científica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Márcia Maria Couto Mello, Universidade Salvador

Doutora em Arquitetura e Urbanismo (UFBA). Professora Titular e Pesquisadora do Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Regional e Urbano da Universidade Salvador (PPDRU/UNIFACS).

Luan Britto Azevedo, Universidade Salvador

Graduando em Arquitetura e Urbanismo da Universidade Salvador (UNIFACS). Bolsista de Cotas da UNIFACS do Programa de Iniciação científica; integra como estudante o Grupo de Pesquisa Cidades e Urbanidades (PPDRU/UNIFACS).

Lays Britto Azevedo, Universidade Salvador

Graduando em Arquitetura e Urbanismo da Universidade Salvador (UNIFACS). Bolsista de Cotas da UNIFACS do Programa de Iniciação científica; integra como estudante o Grupo de Pesquisa Cidades e Urbanidades (PPDRU/UNIFACS).

Referências

ANDRADE, Luis Guilherme A. de. Políticas públicas e produção do espaço: o caso da orla marítima de Salvador/Ba. Anais do IV ENANPARQ - Encontro da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo. Porto Alegre: UFRGS, 2016. Disponível em: https://www.anparq.org.br/dvd-enanparq-4/SESSAO%2009/S09-02-ANDRADE,%20L.pdf. Acesso em: 23 set. 2018.

ECO, Umberto. As formas do conteúdo. São Paulo: Perspectiva, 1974.

FERRARA, Lucrecia D’Alessio. Os significados urbanos. São Paulo: Edusp, 2000. Urbanismo. Universidade Federal da Bahia. Salvador, 2002.

Inventário do Docomomo Brasil / Arquivo PPGAU-UFBA – International working parting for documentation and conservation of buildings, sites, neighbourhoods of the modern moviment. Ficha mínima do Edifício Oceania. 2007. Disponível em: http://www.docomomobahia.org/fm/docomomo_ed_oceania.pdf. Acesso em: 03 ago. 2017.

LYNCH, Kevin. A imagem da cidade. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

MELLO, Márcia Maria Couto. Salvador multimagética: a imagem do Bairro do Comércio construída através dos cartões-postais (1890-1950). 259f. Dissertação (Arquitetura e Urbanismo) – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo. Universidade Federal da Bahia. Salvador, 2004.

MELLO, Márcia Maria Couto. Modas, arquiteturas e cidades: interfaces, conexões e interferências. 263f. Tese de Doutorado (Arquitetura e Urbanismo) – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo. Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2011.

MOREAU, Filipe Eduardo. Arquitetura militar em Salvador da Bahia – séculos XVI a XVII. 373f. Tese de Doutorado; (Arquitetura e Urbanismo) – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo. Universidade de São Paulo, 2011.

PESAVENTO, Sandra Jatahy. O imaginário da cidade – visões literárias do urbano: Paris, Rio de Janeiro; Porto Alegre. Porto Alegre: UFRGS, 1999.

PINHEIRO, Eloisa Petti. Europa, França e Bahia – difusão e adaptação de modelos urbanos (Paris, Rio e Salvador). Salvador: EDUFBA, 2002.

Downloads

Publicado

2018-11-01

Como Citar

MELLO, M. M. C.; AZEVEDO, L. B.; AZEVEDO, L. B. A imagem da Barra, em Salvador, entre os séculos XVI e XXI. RUA, Campinas, SP, v. 24, n. 2, 2018. DOI: 10.20396/rua.v24i2.8653878. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rua/article/view/8653878. Acesso em: 20 maio. 2022.

Edição

Seção

Artigo

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)