Banner Portal
Um olhar discursivo sobre o processo de subjetivação do indígena em dispositivo didático
PDF

Palavras-chave

Guia didático. Subjetividade. Povos indígenas.

Como Citar

MOREIRA, Icléia Caires; GUERRA, Vânia Maria Lescano. Um olhar discursivo sobre o processo de subjetivação do indígena em dispositivo didático. RUA, Campinas, SP, v. 24, n. 2, 2018. DOI: 10.20396/rua.v24i2.8653945. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rua/article/view/8653945. Acesso em: 25 jul. 2024.

Resumo

A partir de um olhar discursivo-desconstrutivo sobre o Guia Didático “Cineastas Indígenas para Jovens e Crianças”, este artigo problematiza os efeitos de sentido de in-exclusão dos sujeitos indígenas das etnias Wjãpi, Ikpeng, Panará, Ashaninka, Mbya-guarani e Kisêdjê, que emergem desse texto produzido pela OnG “Vídeos nas Aldeias” e publicizado no ciberespaço. Pautamo-nos, transdisciplinarmente, na Análise do Discurso de origem francesa (PÊCHEUX, 1988), na arqueogenealogia foucaultiana (2014) e no pós-colonialismo (CASTRO-GÓMES, 2005; BHABHA, 2013). Nossa hipótese é a de que a representação identitária desses indígenas ocorre via discurso da sociedade hegemônica (branco), como um processo de subjetivação/identificação dos indígenas. Reflexões iniciais apontam que o discurso subjetiva esses sujeitos (re)legando-lhes ao entre-lugar da in/exclusão e da construção estereotipada de suas identidades na contemporaneidade.
https://doi.org/10.20396/rua.v24i2.8653945
PDF

Referências

ARAÚJO, Ana C. Z.; CARELLI, Rita; CARELLI, Vincent. Cineastas Indígenas para Jovens e Crianças – guia didático para estudantes do ensino. Olinda, PE: Vídeo nas Aldeias, 2010.

AUTHIER-RÉVUZ, Jacqueline. Palavras incertas: as não coincidências do dizer. Trad. Cláudia C. Pfeiffer et al. Campinas: Editora Unicamp, 1998.

BHABHA, Homi. O local da cultura. Trad. De Myriam Ávila, Eliana Lourenço de Lima Reis e Glaucia Ranete Gonçalves. Belo horizonte: Editora UFMG, 2003.

BRAIT, Beth. Ironia em Perspectiva Polifônica. Campinas, Editora Unicamp, 1996.

BRASIL. Lei 11.645, de 10 de marco de 2008. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/lei/l11645.htm. Acesso em 22 maio 2016, às 13 h.

CASTELLS, Manuel. A sociedade em rede. Trad. Roneide Venâncio Majer. 10 ed. São Paulo: Paz e Terra, 2007.

CASTRO-GÓMEZ, Santiago. Ciências sociais, violência epistêmica e o problema da “invenção do outro”. In: LANDER, Edgardo (Org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americas. Coléccion Sur Sur, Clacso, Ciudad Autónoma de Buenos Aires, Argentina, 2005. p. 169-186.

CORACINI, Maria J. A celebração do outro: arquivo, memória e identidade: línguas (materna e estrangeira). Plurilinguísmo e tradução. Campinas: Mercado das Letras, 2007.

COUTO, Edvaldo S. Narrativas pessoais nas redes sociais digitais. In: CORACINI, Maria J.; CARMAGNANI, Ana M.G. (Orgs). Mídia, Exclusão e Ensino: Dilemas e desafios n contemporaneidade. Campinas: Pontes, 2014, p. 281-295.

DIAS, Cristiane. Telecentros como políticas públicas de inclusão digital: da administração da vida na cidade. In: ORLANDI, Eni P. (Org.). Discurso e políticas públicas urbanas: a fabricação do consenso. Campinas: RG, 2010.

FERREIRA, Aurélio B. H. Miniaurélio: o minidicionário da Língua Portuguesa. 7. ed. Rio de Janeiro: Positivo, 2009.

FISCHER, Rosa M. B. O dispositivo pedagógico da mídia: modos de educar na (e pela) TV. Revista Educação e Pesquisa, São Paulo, n. 28, v. 1, jan‐jun, 2002. p. 151‐162.

FOUCAULT, M. A ordem do discurso. 23. ed. Trad. Laura Fraga de A. Sampaio. São Paulo: Loyola, 2013a.

FOUCAULT, M. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Trad. Raquel Ramalhete, 41 ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2013b.

FOUCAULT, M. Arqueologia do saber. 8. ed. Tradução de Luiz Felipe Neves. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2014.

FOUCAULT, M. Microfísica do poder. Tradução de Roberto Machado. Rio de Janeiro: Graal, 2015.

GUERRA. Vânia M. L. O indígena de Mato Grosso do Sul: práticas identitárias e culturais. São Carlos: Pedro & João, 2010.

AUTHIER-RÉVUZ, Jacqueline. Povos indígenas: Identidade e Exclusão Social. Campo Grande: Editora UFMS, 2015.

GOULART, Audemaro T. Notas sobre o desconstrucionismo de Jacques Derrida. Programa de Pós-graduação em Letras, Belo Horizonte: Editora PUC Minas, 2003, p. 01-29.

LÈVY, Pierry. As tecnologias da inteligência. Trad. Carlos I. da Costa. São Paulo; 34, 1993.

LIMBERTI, Rita P. A identidade em situação de contato intercultural. Revista Raído, Dourados (MS), vol 2, n.4, jul/dez 2008, p. 9-19.

LIMBERTI, Rita P. Discurso indígena: aculturação e polifonia. Dourados: Editora UFGD, 2009.

LIMBERTI, Rita P. A Imagem do índio: discursos e representações. Dourados: Editora UFGD, 2012.

MARQUES, Cinthia N.; SOUZA, Claudete C. Memória terena: história e língua, educação escolar e cultura, identidade e resistência. 2008. Disponível em: http://www.propp.ufms.br/gestor/titan.php?target=openFile&fileId=382. Acesso em: 25 jan. 2016 às 19h.

MIGNOLO, Walter D. Histórias locais/ projetos globais: colonialidade, saberes subalternos e pensamento liminar. Tradução de Solange Oliveira. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2003.

MIGNOLO, Walter D. Deocolonialidade como caminho para cooperação. Revista do Instituto Humanitas Unisinos, n. 431, ano XIII. Entrevista concedida a Luciano Gallas. Tradução de André Langer em 04-11-2013. Disponível em: http://www.ihuonline.unisinos.br/index.php?option=com_content&view=article&id=5253&secao=431. Acesso em: 25 abr. 2016, às 22h.

NEVES, Maria H. Gramáticas de usos do Português. 2 ed. São Paulo: Editora Unesp, 2011.

ORLANDI, Eni P. Terra à vista - discurso do confronto: velho e novo mundo. 2 ed. Campinas: Editora Unicamp, 2008.

ORLANDI, Eni P. Discurso e texto: formulação e circulação dos sentidos. 4 ed. Campinas: Pontes, 2012.

PÊCHEUX, Michel. A Semântica e Discurso: uma crítica a afirmação do óbvio. Tradução de Eni Orlandi et. al. Campinas: Editora Unicamp, 1988.

PÊCHEUX, Michel; FUCHS, Catherine. A propósito de uma análise automática do discurso: atualização e perspectivas. In: GADET, Françoise; HAK, Tony. Por uma análise automática do discurso: uma introdução à obra de Michel Pêcheux. Trad. Betânia Maria et. al. Campinas: Editora Unicamp, 1997, 163-252.

PÊCHEUX, Michel. O discurso: estrutura ou acontecimento. Tradução de Eni Puccinelli Orlandi. 6 ed. Campinas: Pontes, 2012.

O periódico RUA utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.