Um olhar discursivo sobre o processo de subjetivação do indígena em dispositivo didático

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/rua.v24i2.8653945

Palavras-chave:

Guia didático. Subjetividade. Povos indígenas.

Resumo

A partir de um olhar discursivo-desconstrutivo sobre o Guia Didático “Cineastas Indígenas para Jovens e Crianças”, este artigo problematiza os efeitos de sentido de in-exclusão dos sujeitos indígenas das etnias Wjãpi, Ikpeng, Panará, Ashaninka, Mbya-guarani e Kisêdjê, que emergem desse texto produzido pela OnG “Vídeos nas Aldeias” e publicizado no ciberespaço. Pautamo-nos, transdisciplinarmente, na Análise do Discurso de origem francesa (PÊCHEUX, 1988), na arqueogenealogia foucaultiana (2014) e no pós-colonialismo (CASTRO-GÓMES, 2005; BHABHA, 2013). Nossa hipótese é a de que a representação identitária desses indígenas ocorre via discurso da sociedade hegemônica (branco), como um processo de subjetivação/identificação dos indígenas. Reflexões iniciais apontam que o discurso subjetiva esses sujeitos (re)legando-lhes ao entre-lugar da in/exclusão e da construção estereotipada de suas identidades na contemporaneidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Icléia Caires Moreira, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Doutoranda em Estudos Linguísticos na Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS/CPTL), bolsista da FUNDECT. Mestre em Estudos Linguísticos pela mesma instituição.

Vânia Maria Lescano Guerra, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Docente do Programa de Pós-graduação em Letras da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (CPTL); Doutora em Linguística pela UNESPde Araraquara, com Pós-doutorado em Linguística Aplicada pela UNICAMP (IEL).

Referências

ARAÚJO, Ana C. Z.; CARELLI, Rita; CARELLI, Vincent. Cineastas Indígenas para Jovens e Crianças – guia didático para estudantes do ensino. Olinda, PE: Vídeo nas Aldeias, 2010.

AUTHIER-RÉVUZ, Jacqueline. Palavras incertas: as não coincidências do dizer. Trad. Cláudia C. Pfeiffer et al. Campinas: Editora Unicamp, 1998.

BHABHA, Homi. O local da cultura. Trad. De Myriam Ávila, Eliana Lourenço de Lima Reis e Glaucia Ranete Gonçalves. Belo horizonte: Editora UFMG, 2003.

BRAIT, Beth. Ironia em Perspectiva Polifônica. Campinas, Editora Unicamp, 1996.

BRASIL. Lei 11.645, de 10 de marco de 2008. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/lei/l11645.htm. Acesso em 22 maio 2016, às 13 h.

CASTELLS, Manuel. A sociedade em rede. Trad. Roneide Venâncio Majer. 10 ed. São Paulo: Paz e Terra, 2007.

CASTRO-GÓMEZ, Santiago. Ciências sociais, violência epistêmica e o problema da “invenção do outro”. In: LANDER, Edgardo (Org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americas. Coléccion Sur Sur, Clacso, Ciudad Autónoma de Buenos Aires, Argentina, 2005. p. 169-186.

CORACINI, Maria J. A celebração do outro: arquivo, memória e identidade: línguas (materna e estrangeira). Plurilinguísmo e tradução. Campinas: Mercado das Letras, 2007.

COUTO, Edvaldo S. Narrativas pessoais nas redes sociais digitais. In: CORACINI, Maria J.; CARMAGNANI, Ana M.G. (Orgs). Mídia, Exclusão e Ensino: Dilemas e desafios n contemporaneidade. Campinas: Pontes, 2014, p. 281-295.

DIAS, Cristiane. Telecentros como políticas públicas de inclusão digital: da administração da vida na cidade. In: ORLANDI, Eni P. (Org.). Discurso e políticas públicas urbanas: a fabricação do consenso. Campinas: RG, 2010.

FERREIRA, Aurélio B. H. Miniaurélio: o minidicionário da Língua Portuguesa. 7. ed. Rio de Janeiro: Positivo, 2009.

FISCHER, Rosa M. B. O dispositivo pedagógico da mídia: modos de educar na (e pela) TV. Revista Educação e Pesquisa, São Paulo, n. 28, v. 1, jan‐jun, 2002. p. 151‐162.

FOUCAULT, M. A ordem do discurso. 23. ed. Trad. Laura Fraga de A. Sampaio. São Paulo: Loyola, 2013a.

FOUCAULT, M. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Trad. Raquel Ramalhete, 41 ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2013b.

FOUCAULT, M. Arqueologia do saber. 8. ed. Tradução de Luiz Felipe Neves. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2014.

FOUCAULT, M. Microfísica do poder. Tradução de Roberto Machado. Rio de Janeiro: Graal, 2015.

GUERRA. Vânia M. L. O indígena de Mato Grosso do Sul: práticas identitárias e culturais. São Carlos: Pedro & João, 2010.

AUTHIER-RÉVUZ, Jacqueline. Povos indígenas: Identidade e Exclusão Social. Campo Grande: Editora UFMS, 2015.

GOULART, Audemaro T. Notas sobre o desconstrucionismo de Jacques Derrida. Programa de Pós-graduação em Letras, Belo Horizonte: Editora PUC Minas, 2003, p. 01-29.

LÈVY, Pierry. As tecnologias da inteligência. Trad. Carlos I. da Costa. São Paulo; 34, 1993.

LIMBERTI, Rita P. A identidade em situação de contato intercultural. Revista Raído, Dourados (MS), vol 2, n.4, jul/dez 2008, p. 9-19.

LIMBERTI, Rita P. Discurso indígena: aculturação e polifonia. Dourados: Editora UFGD, 2009.

LIMBERTI, Rita P. A Imagem do índio: discursos e representações. Dourados: Editora UFGD, 2012.

MARQUES, Cinthia N.; SOUZA, Claudete C. Memória terena: história e língua, educação escolar e cultura, identidade e resistência. 2008. Disponível em: http://www.propp.ufms.br/gestor/titan.php?target=openFile&fileId=382. Acesso em: 25 jan. 2016 às 19h.

MIGNOLO, Walter D. Histórias locais/ projetos globais: colonialidade, saberes subalternos e pensamento liminar. Tradução de Solange Oliveira. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2003.

MIGNOLO, Walter D. Deocolonialidade como caminho para cooperação. Revista do Instituto Humanitas Unisinos, n. 431, ano XIII. Entrevista concedida a Luciano Gallas. Tradução de André Langer em 04-11-2013. Disponível em: http://www.ihuonline.unisinos.br/index.php?option=com_content&view=article&id=5253&secao=431. Acesso em: 25 abr. 2016, às 22h.

NEVES, Maria H. Gramáticas de usos do Português. 2 ed. São Paulo: Editora Unesp, 2011.

ORLANDI, Eni P. Terra à vista - discurso do confronto: velho e novo mundo. 2 ed. Campinas: Editora Unicamp, 2008.

ORLANDI, Eni P. Discurso e texto: formulação e circulação dos sentidos. 4 ed. Campinas: Pontes, 2012.

PÊCHEUX, Michel. A Semântica e Discurso: uma crítica a afirmação do óbvio. Tradução de Eni Orlandi et. al. Campinas: Editora Unicamp, 1988.

PÊCHEUX, Michel; FUCHS, Catherine. A propósito de uma análise automática do discurso: atualização e perspectivas. In: GADET, Françoise; HAK, Tony. Por uma análise automática do discurso: uma introdução à obra de Michel Pêcheux. Trad. Betânia Maria et. al. Campinas: Editora Unicamp, 1997, 163-252.

PÊCHEUX, Michel. O discurso: estrutura ou acontecimento. Tradução de Eni Puccinelli Orlandi. 6 ed. Campinas: Pontes, 2012.

Downloads

Publicado

2018-11-08

Como Citar

MOREIRA, I. C.; GUERRA, V. M. L. Um olhar discursivo sobre o processo de subjetivação do indígena em dispositivo didático. RUA, Campinas, SP, v. 24, n. 2, 2018. DOI: 10.20396/rua.v24i2.8653945. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rua/article/view/8653945. Acesso em: 30 set. 2022.

Edição

Seção

Artigo