Banner Portal
Versões controversas na leitura de arquivos: o Museu Penitenciário Paulista
PDF

Palavras-chave

Linguagem. Sociedade. Discurso. Museu. Carandiru.

Como Citar

MASSMANN, Débora. Versões controversas na leitura de arquivos: o Museu Penitenciário Paulista. RUA, Campinas, SP, v. 24, n. 2, 2018. DOI: 10.20396/rua.v24i2.8653946. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rua/article/view/8653946. Acesso em: 23 maio. 2024.

Resumo

Este trabalho analisa o processo de produção de sentidos em um espaço simbólico muito específico, a saber, o Museu Penitenciário Paulista (MPP). A partir do dispositivo teórico-analítico da Análise de Discurso, compreendeu-se que o museu, como arquivo e como interdiscurso, se configura na relação com o espaço urbano, com as instituições e com as condições de produção (artefatos, visitantes, etc.). As análises apontam para as versões controversas que são postas em funcionamento pelo Museu Penitenciário Paulista na produção de um discurso autoritário em que a única versão aceita, aparentemente, é aquela do Estado.
https://doi.org/10.20396/rua.v24i2.8653946
PDF

Referências

ALBERGARIA, J. Noções de Criminologia. Belo Horizonte: Mandamentos, 1999.

AUTHIER-REVUZ, J. Palavras incertas: as não-coincidências do dizer. Campinas, SP: Ed. UNICAMP, 1998.

AUTHIER-REVUZ, J. “Palavras mantidas a distância”. In: Entre a transparência e a opacidade: um estudo enunciativo do sentido. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2004. p. 217-237.

GUILHAUMOU, J. MALDIDIER, D. Efeitos do arquivo. A análise do discurso no lado da história. In ORLANDI, E. P. Gestos de leitura. Da história no discurso. 4.ed. Campinas: Editora da Unicamp, 2014.

HENRY, P. A história não existe? In ORLANDI, E. P. Gestos de leitura. Da história no discurso. 4.ed. Campinas: Editora da Unicamp, 2014.

MOLINA, A. G.-P. de; GOMES, L. F.. Criminologia, 4. Ed. São Paulo: RT, 2002.

NORA, P. Entre memória e história. A problemática dos lugares. Trad. Yara Aun Khoury, In. Projeto História : Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados de História, [S.l.], v. 10, out. 2012. ISSN 2176-2767. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/index.php/revph/article/view/12101/8763. Acesso em: 18 mar. 2018.

ORLANDI, E. P. Discursos e museus: da memória e do esquecimento. In Entremeios: revista de estudos do discurso. v. 9, jul/2014. Disponível em: http://www.entremeios.inf.br. Acesso em 08 mai. 2017.

ORLANDI, E. P. Discurso em Análise. Sujeito, sentido, ideologia. Campinas: Pontes Editores, 2012.

ORLANDI, E. P. Discurso e leitura. 8.ed. São Paulo: Cortez, 2008.

ORLANDI, E. P. As Formas do Silêncio: No Movimento dos Sentidos. 2ed. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2003.

ORLANDI, E. P. Análise do discurso: princípios e procedimentos. Campinas: Pontes, 2002.

ORLANDI, E. P. Discurso e texto. Formulação e circulação dos sentidos. Campinas, SP: Pontes Editores, 2001.

PÊCHEUX, M. Ler o arquivo hoje. In ORLANDI, E. P. Gestos de leitura. Da história no discurso. 4.ed. Campinas: Editora da Unicamp, 2014.

PÊCHEUX, M. (1969). “Análise Automática do Discurso (AAD-69)”. In: GADET, F. & HAK, T. (Orgs.). Por uma Análise Automática do Discurso: uma introdução à obra de Michel Pêcheux. 3.ed. Trad. Coletiva. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 1997. p. 61-16.

SOBRINHO, J. S. da S.. “A língua que nos une”: língua, sujeito e Estado no Museu da língua Portuguesa. 2011. 133 f. Tese (Doutorado em Linguística) − Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2011.

VENTURINI, M. C. Imaginário urbano: espaço de rememoração/comemoração. Passo Fundo: Editora da Universidade de Passo Fundo, 2009.

VENTURINI, M. C. (org.) Museus, arquivos e produção do conhecimento em (dis)curso. Campinas: Pontes Editores, 2017.

O periódico RUA utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.